Vygotsky e o Sócio-Interacionismo - Psicologia da educação

Vygotsky recebeu uma educação judaica tradicional
Vygotsky recebeu uma educação judaica tradicional

Psicologia

11/03/2013

Lev Vygostky, com teoria sócio-interacionista

Veer e Valsiner (1991) relatam que Lev SemyonovicVygostsky nasceu no dia 05 de novembro do ano de 1896 em Orsha. O que se sabe da vida deste teórico é que ele vinha de uma família com uma classe social aparentemente boa. Vygotsky recebeu uma educação judaica tradicional, e teve oportunidade de estudar e incentivo da família para isso, já que em sua casa havia uma grande biblioteca que Vygotsky e os irmãos puderam aproveitar.

Resumindo basicamente a teoria de Vygostky com relação ao desenvolvimento infantil, Bock (1999) postula que ela é vista por três aspectos:

O Aspecto Instrumental – refere-se à natureza como mediadora das funções psicológicas mais complexas. Não apenas respondemos aos estímulos que nos são apresentados pelo meio, como também o alteramos e usamos as modificações.

O Aspecto Cultural – envolve os meios socialmente estruturados pelos quais a sociedade organiza os tipos de tarefas que a criança em desenvolvimento deve enfrentar, e os tipos de instrumentos mentais e físicos que ela dispõe para dominar estas tarefas.

O Aspecto Histórico – os instrumentos culturais expandem os poderes do homem e estruturam seu pensamento.

De acordo com Oliveira (1992) falar da perspectiva de Vygotsky é o mesmo que falar de dimensão social do desenvolvimento humano. Interessado principalmente nas funções psicológicas superiores, e tendo produzido seus trabalhos dentro das concepções materialistas que predominavam na União Soviética após a revolução de 1917, Vygotsky tem como pressupostos básicos a ideia de que o ser humano se constitui na sua relação com o outro no meio social. Sendo assim, para ele a cultura torna-se parte da natureza humana num processo histórico que, ao longo do desenvolvimento do indivíduo, vem moldar o funcionamento psicológico do homem.

A autora enfatiza que, este teórico multidisciplinar deu muita importância ao substrato material do desenvolvimento psicológico, enfocando o cérebro, tendo realizado estudos sobre lesões cerebrais, perturbação da linguagem e organizações de funções psicológicas em condições normais e patológicas. Suas preposições vem contemplar a dupla natureza do homem, membro de uma espécie biológica que só se desenvolve quando inserido em um grupo cultural.

As concepções de Vygotsky sobre o funcionamento do cérebro humano fundamentam-se na sua ideia de que as funções psicológicas superiores são construídas durante toda a história social do homem na sua relação com o mundo que o cerca, mediada pelos instrumentos e símbolos desenvolvidos pela cultura, deixando claro que o ser humano se diferencia dos animais porque o ser humano é capaz de criar formas de ação.

Sendo assim a compreensão do desenvolvimento psicológico, não pode ser buscada em propriedades naturais do sistema nervoso central. Vygotsky, não aceitou a ideia de funções mentais fixas e imutáveis, trabalhando com o entendimento de que o cérebro funciona como um sistema aberto e possui grande plasticidade, cuja estrutura e modo de funcionamento são moldados ao longo da história da espécie e ao longo do desenvolvimento individual (OLIVEIRA 1992).

O teórico propõe ainda que a aprendizagem tem importância fundamental no desenvolvimento dos processos internos na interação com os outros. O processo de formação dos conceitos forma a relação entre pensamento e linguagem, no que envolve a cultura no processo de construção de significados do indivíduo. Quando nascemos temos apenas as funções psíquicas elementares (reflexos), que através da aprendizagem cultural provoca a formação e o desenvolvimento das funções psíquicas superiores (ações controladas pelo inconsciente e aprendidas no meio social) que precisam ser interiorizadas mediadas pela cultura em conjunto com seus valores e significados. É importante entendermos que todo este processo não é simplesmente memorizado, ele passa pela elaboração individual e particular de cada indivíduo por meio da linguagem que passa a intermediar o conhecimento e favorece o desenvolvimento individual (REGO 1995).

Os fatores de maior relevância na teoria de Vygotsky são descritos como:

• Mediação: se adquire o conhecimento através da interação com vários interlocutores, em uma relação em que todos os envolvidos são ativos.
• Linguagem: sistema simbólico de significados e significantes dos grupos humanos que favorece o intercâmbio social e o fenômeno do pensamento.
• Cultura: universo que traz diversas significações que permite construir a interpretação do mundo real.
• Processo de interiorização: que envolve um fator interno e outro externo e que sendo interpessoal se torna intrapessoal.

A aprendizagem para o teórico interage com o desenvolvimento, e não é subordinada à ele como postula a teoria de Piaget. O esquema funciona como se um alimentasse o outro, desencadeando processos internos de desenvolvimento e novas aprendizagens, o que provoca a evolução intelectual do ser humano, construção de novas cognições em um processo contínuo de desenvolvimento e aprendizagem.

Diante de alguma coisa que o indivíduo ainda não consegue fazer sozinho, é possível produzir aberturas de possibilidades que foi chamada por Vygotsky de Zona de Desenvolvimento Proximal, que segundo Vygotsky (1998 p. 112 apud Meira 2006, p. 191 – 192):

É a distância entre o nível do desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independentes de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou a colaboração por companheiros mais capazes.

De acordo com o entendimento de Meira (2006), a noção de Zona de Desenvolvimento Proximal foi utilizada por Vygotsky (1998, p. 111) como uma espécie de detalhamento ou aplicação desta lei a um contexto específico a educação formal. Do discurso Vygotskyniano aprende-se com clareza que a aprendizagem escolar, quando adequadamente organizada, seria capaz de ativar e ampliar processos de desenvolvimento. Por sua vez, o desenvolvimento real corresponderia ao nível do desenvolvimento das funções mentais, que se estabelecem como resultados de certos ciclos de desenvolvimento já concluídos, ou seja, aquilo que a criança consegue realizar sem a ajuda de outra pessoa. O nível de desenvolvimento potencial, corresponderia às funções que a criança ainda não domina, ou ainda não desenvolveu independentemente, mas consegue realizar sobre a assistência de outra pessoa pela interação social.

Para entendermos melhor a teoria de Vygotsky é importante conhecermos como funciona o processo de formação de conceitos descritos por ele. Segundo Oliveira (1992, p.27):

A linguagem humana, sistema simbólico fundamental na mediação entre sujeito e objeto de conhecimento, tem para Vygotsky, duas funções básicas: a de intercâmbio social e a de pensamento generalizante. Isto é, além de servir ao propósito de comunicação entre os indivíduos, a linguagem simplifica e generaliza a experiência, ordenando as instâncias do mundo real em categorias conceituais cujo significado é compartilhado pelos usuários dessa linguagem.

Ao utilizar a linguagem para dar nome a algum objeto, estamos na realidade, classificando este objeto em uma categoria ou classe de objetos que tem em comum certos atributos. A utilização da linguagem favorece processos de abstração e generalização. Os atributos importantes precisam ser abstraídos da totalidade da experiência, e a presença de um mesmo conjunto de atributos relevantes permite a aplicação de um mesmo nome à objetos diversos. As palavras, como símbolos mediadores da relação o homem com o mundo são em si, generalizações: cada palavra faz parte de uma classe de objetos, consistindo num signo numa forma de representação desta categoria de objeto neste conceito (OLIVEIRA 1992).

Analisando a teoria de Vygotsky podemos ver que ela apresenta alguns aspectos que a diferem da teoria de Piaget. Vygotsky acredita na evolução do desenvolvimento humano através da relação do homem com o meio, enquanto Piaget traz as fases do desenvolvimento em sua teoria pautados por fases o que contraria as idéias do outro teórico.

O que precisamos entender na realidade é que estes dois teóricos são hoje fundamentais para compreensão do desenvolvimento do ensino aprendizagem. Entender o desenvolvimento e como ele se faz diante da visão de Piaget ajuda educadores a guiarem seus planejamentos de acordo com cada fase da vida da criança. Compreender a importância da interação com o meio nos leva à reflexão de que a escola é um grande meio socializador da criança e baseada nesta teoria pode desenvolver diversas perspectivas de modo a estimular ainda mais o desenvolvimento.


Resumindo basicamente a teoria de Vygostky com relação ao desenvolvimento infantil, Bock (1999) postula que ela é vista por três aspectos:

O Aspecto Instrumental – refere-se à natureza como mediadora das funções psicológicas mais complexas. Não apenas respondemos aos estímulos que nos são apresentados pelo meio, como também o alteramos e usamos as modificações.

O Aspecto Cultural – envolve os meios socialmente estruturados pelos quais a sociedade organiza os tipos de tarefas que a criança em desenvolvimento deve enfrentar, e os tipos de instrumentos mentais e físicos que ela dispões para dominar estas tarefas.

O Aspecto Histórico – os instrumentos culturais expandem os poderes do homem e estruturam seu pensamento.

A partir das concepções de Vygotsky, a escola torna-se um novo lugar - um espaço que deve privilegiar o contato social dos que dela fazem parte e torná-los mediadores da cultura. Alunos e professores devem ser considerados parceiros nesta missão. O aluno jamais poderá ser visto como alguém que não aprende, possuidor de algo interno que dificulta sua aprendizagem. Não há aprendizagem que não gere desenvolvimento; não há desenvolvimento que prescinda da aprendizagem. Aprender é estar com o outro que é o mediador da cultura. Qualquer dificuldade neste processo deverá ser vista como responsabilidade de todos os envolvidos. O professor torna-se figura fundamental, o colega de classe, um parceiro de grande importância, o planejamento das aulas torna-se essencial e a escolha um espaço de construção humana (BOCK).

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.


Colunista Portal - Educação

por Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.

Portal Educação

PORTAL DA EDUCAÇÃO S/A - CNPJ: 04.670.765/0001-90 - Inscrição Estadual: 283.797.118 - Rua Sete de Setembro, 1.686 - Campo Grande - MS - CEP 79002-130