A coordenação motora global

A capacidade de análise do gesto a ser realizado
A capacidade de análise do gesto a ser realizado

Fisioterapia

23/11/2012

Atividades de grandes grupos musculares com capacidade de execução de diferentes movimentos em diversos segmentos corpóreos ao mesmo tempo (dissociação). Podemos citar alguns exemplos de atividades que requerem uma boa coordenação motora global: engatinhar, pular, andar, correr, saltar, rolar, escalar (...).

A boa percepção corporal, a capacidade de análise do gesto a ser realizado, o controle neuromuscular, que permite que o movimento seja realizado de maneira harmoniosa (com força, direção, amplitude de movimento, intensidade e velocidade adequados) e, a memória são fatores que já devem estar desenvolvidos para que haja uma boa coordenação motora global.

Este fator pode ser vivenciado (e /ou estimulado) através de exercícios utilizando movimentos simultâneos, alternados, sucessivos, alternados e sucessivos e assimétricos.

Quando existe algum tipo de alteração relacionado à coordenação motora global, podemos notar consequências como abaixo descritas:
• Gestos desarmônicos;
• Lentidão e movimentação brusca;
• Dificuldade de dissociar movimentos.

Coordenação Motora Fina
A destreza manual depende de um bom equilíbrio, postura e coordenação motora global. Refere-se aos movimentos de precisão de extremidades como, por exemplo, escrever, colocar linha em uma agulha, encaixar uma chave na fechadura (...).

Existem algumas variações como a coordenação óculo-manual (execução de movimentos de dependem da percepção visual e acompanhamento manual como, por exemplo, desenhar, escrever, arremessar uma bola em um cesto) e a coordenação viso-motora (movimento em resposta a um estímulo visual).

A preensão somente inicia sua adaptação à forma e função do objeto por volta dos 12 meses.
Quando uma criança em idade escolar inicia com exercícios de pré-escrita, não podemos desconsiderar todos os outros estímulos pelos quais ela já passou (ou não), que lhe proporcionaram uma melhor ou pior coordenação motora global, equilíbrio e postura. Até então, as brincadeiras e pequenas atividades cotidianas desempenhadas por elas, foram às responsáveis por essas aquisições.

Para que a criança alcance um objeto (por exemplo, um lápis), ela necessariamente solicita de seu corpo uma estruturação e sequência de eventos que devem ser muito bem coordenados:
• Visualização do objeto;
• Calculo inconsciente de distância, direção, força necessária, velocidade de ação;
• Adoção de postura / e posição que possibilite o alcance;
• Ação muscular integrada entre os responsáveis por estabilizar as articulações envolvidas (cintura escapular, cotovelo, punho e dedos) e os responsáveis por agarrar o objeto (músculos agonistas e antagonistas).

Com o decorrer do tempo e aplicação de estímulos direcionados e significativos, estas ações vão gradativamente se especializando, e cada vez mais, se tornando mais precisas e inconscientes.

Quando por algum motivo, temos alterações presentes neste fator psicomotor, podemos notar dificuldades nas atividades abaixo citadas:
• Abotoar roupas;
• Pentear-se;
• Escovar os dentes;
• Alimentar-se;
• Encaixar a chave e destrancar / trancar portas;
• Seguir linhas pontilhadas;
• Obedecer a espaços e limites ao desenhar / pintar /escrever;
• Dificuldade de encaixe com peças pequenas e médias.

A lateralidade
:
A criança é mais forte, mais ágil e habilidosa com seu lado direito ou esquerdo? É ambidestra?
Estas são evidencias que vão se consolidando a partir de 1 ano mas que, só consideraremos como dominância estabelecida entre 5 e 7 anos.

É muito simples de investigar...! Basta observar o segmento corporal escolhido para realizar algumas tarefas como:
- pular com um pé só;
- chutar uma bola após uma pequena corrida;
- desenhar uma linha reta no chão com o pé;
- pregar um percevejo;
- pentear-se;
- recortar um papel;
- olhar pelo buraco de uma fechadura ou caleidoscópio;

Quanto mais uniforme a lateralidade da criança (entre olhos, braços e pernas), mais facilmente conseguimos introduzir o conceito de direita / esquerda.

Às vezes, por condições motoras ou neurológicas, a criança é destra em membro superior e sinistra em membro inferior; era inicialmente sinistra, mas, com o passar do tempo, por imitação ou por receber estímulos direcionados, se utiliza mais da mão direita.

Viver em um mundo organizado para destros também dificulta algumas atividades para os canhotos.

Quando observamos alterações na lateralidade, podemos também notar:
• Alterações posturais e certa inabilidade para algumas funções (virar a página, utilizar tesoura convencional, sentar-se em cadeira de um braço de apoio para destros, etc.).
• Dificuldade em reconhecer os lados direito e esquerdo;
• Erros de direção gráfica;
• Espelhamento de números e letras.

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.


Colunista Portal - Educação

por Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.

Portal Educação

PORTAL DA EDUCAÇÃO S/A - CNPJ: 04.670.765/0001-90 - Inscrição Estadual: 283.797.118 - Rua Sete de Setembro, 1.686 - Campo Grande - MS - CEP 79002-130