O papel do enfermeiro e os riscos de exposição no Centro de Material

Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem
Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem

Enfermagem

30/11/2011

Introdução

Os objetivos e finalidades do Centro de Material e Esterilização (CME) são nitidamente definidos, contextualizando-se em uma unidade responsável por concentrar artigos médico-hospitalares, esterilizados ou não, tornando mais fácil o controle, conservação e manutenção dos materiais; manter padronização de técnicas de recepção, limpeza, preparo, empacotamento e esterilização, assegurando economia de mão-de-obra, material e tempo; distribuir material esterilizado para os diversos setores de atendimento a pacientes no âmbito hospitalar 18,30,42.

O local destinado à limpeza denomina-se expurgo que se caracteriza em uma área contaminada do CME, onde recebe materiais infectados para desinfetá-los e separá-los30. Os profissionais do CME estão sujeitos a exposições ocupacionais, como o contato com material biológico, potencialmente infectado, que pode ocorrer por meio de perfurações da pele com agulhas, objetos cortantes ou por respingos nas mucosas, sendo de vital importância o auxílio de barreiras de proteção individual e coletiva como o uso constante de Equipamento de Proteção Individual (EPI) que reduz efetivamente os riscos 5,37.

Os EPI são instrumentos de uso individual que formam uma barreira protetora para os trabalhadores, pois servem para prevenir o contato direto ou indireto com materiais infectados que entram em contato com a pele ou com mucosas, minimizando e/ou prevenindo os acidentes 17,28.

O enfermeiro tem a possibilidade de atuar em diferentes dimensões do CME como planejar, gerenciar, cuidar e educar, precisando desenvolver habilidades profissionais para atender a demanda de trabalho que há na unidade 8,12. Mediante a isso, surge o interesse de verificar o papel do enfermeiro no CME e os riscos a que os trabalhadores do setor estão expostos. Métodos Este estudo é do tipo bibliográfico de abordagem qualitativa.

O estudo bibliográfico é desenvolvido a partir do material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos e a pesquisa qualitativa trata da intuição, da subjetividade, pois se aprofunda no estudo das relações e ações humanas 9,38. Segundo Steinhofel e et al 36 uma das maiores vantagens da pesquisa bibliográfica está no fato de que o investigador se torna capaz de relatar conhecimentos maiores que aqueles que ele poderia relatar na pesquisa direta.

A coleta de dados ocorreu nos meses de setembro de 2009 a fevereiro de 2010 e foi realizada através de pesquisas na revista eletrônica BVS (Biblioteca Virtual em Saúde) nas bases de dados da Scielo (Scientific Eletronic Library Online), Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), revista Gaúcha de Enfermagem e Ciência do Cuidado e Saúde. Foi encontrado um total de 109 publicações, utilizando os descritores, CME, centro de material e esterilização e EPI.

Entre os artigos existentes referentes ao assunto foram selecionados os publicados nos anos de 2000 a 2010, pois os mesmos apresentam pesquisas atualizadas e recentes, sendo selecionados 43 artigos e excluídos os que não referenciavam especificamente à temática, aqueles anteriores ao ano de 2000, os que não apresentavam artigos na íntegra e os de língua estrangeira.

Após a coleta de dados foram analisados os artigos com resultados comuns e os mesmos separados em temáticas.

Resultados

O teor da questão investigada


O papel do enfermeiro e riscos de exposição no centro de material e esterilização se estrutura nas seguintes categorias: Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem; Ocorrência de acidentes ocupacionais e uso de EPI; A atuação do enfermeiro no CME e Educação continuada no CME.

Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem

O conceito de qualidade de vida é muito complexo, em geral sua avaliação é feita com base no conhecimento que o indivíduo tem em relação ao que mais prejudica sua saúde e desempenho profissional no ambiente em que trabalha 19,22. Os profissionais de enfermagem que atuam no CME não são valorizados como os que trabalham diretamente com o paciente, o que pode provocar determinada revolta, e muitas vezes o pedido de demissão torna-se inerente 32.

Como resposta a sobrecarga de trabalho e do sofrimento psíquico os profissionais podem apresentar doenças como hipertensão arterial, diabetes mellitus, distúrbios ortopédicos, neurológicos, gástricos, psicológicos 10,24. A freqüência de dores na coluna não é uma novidade, pois as atividades desenvolvidas no CME envolvem a manipulação abusiva de peso e posturas inadequadas13.

Com o ritmo acelerado no CME e o intenso esforço físico que os profissionais estão expostos aparecem as dores ressaltando ainda mais a discussão sobre o corpo como lugar principal de depósito de doenças provocadas pela condição de trabalho 11,19. Outros problemas que ocorrem nos trabalhadores do CME são a monotonia e a repetitividade 27. Um aspecto importante na qualidade de vida é a falta de tempo para lazer e recreação 14.

Os termos qualidade de vida e saúde estão ligados diretamente, pois a qualidade de vida fica comprometida em caso de doença, dor, mal estar físico e psíquico 14,19,22. Acidentes ocupacionais e o uso de EPI A maior parte dos acidentes ocupacionais ocorre com os profissionais do expurgo, dentre os que mais acometem os trabalhadores de enfermagem encontram-se os artigos perfurocortantes, seguido por respingos em mucosas, tais acidentes tem notável crescimento devido o manuseio incorreto do material contaminado 41. A limpeza dos artigos contaminados é realizada manualmente o que prevalece a ocorrência de acidentes ocupacionais e mesmo quando essa limpeza é feita por máquinas, continua a recomendação para a utilização de EPI, minimizando assim os riscos 1,33,36.

Os EPI recomendados no expurgo são luvas grossas de cano longo, avental impermeável, gorro, máscara óculos e bota de cano longo 33. Constata-se que ocorrem mais acidentes de trabalho com profissionais que tem maior destreza e experiência do que com os profissionais recém-formados, pois eles não cumprem as medidas necessárias de precaução 23. As doenças com mais incidência nos profissionais são aquelas cujo seu patógeno continua ativo no sangue circulante como a Hepatite B, Hepatite C e a AIDS 29.

Algumas barreiras que impedem a adesão do uso de EPI pelos profissionais são a falta do equipamento, o tamanho inadequado e a pressa. Alguns artigos indicaram que no momento do acidente a maioria dos profissionais não estava em uso de EPI o que acarretou na diminuição da segurança dos trabalhadores 26,34. Conhecer e apropriar-se da realidade do CME quanto ao uso de equipamentos de proteção poderá contribuir para melhoria das condições de trabalho prevenindo e minimizando os fatores de riscos existentes, tornando inerente a qualidade do reprocessamento de artigos e assim reduzindo a ocorrência das doenças e dos acidentes ocupacionais 40.

Atuação do enfermeiro no CME As ações de enfermagem que hoje dizem respeito exclusivamente ao CME eram, costumeiramente, associadas às ações do centro cirúrgico, mas com o desenvolvimento cognitivo a respeito das infecções hospitalares e à grande demanda de materiais a serem processados, o CME conquista sua independência a fim de atender prontamente a necessidade de quaisquer unidades do hospital 20,25. "A enfermagem por ser, tradicionalmente, a categoria profissional responsável pela organização do ambiente e gerenciamento das unidades, assumiu as atividades desenvolvidas no CME 16."

O processo de trabalho do enfermeiro no CME é relativamente complexo e bastante sistematizado, faz parte do trabalho da saúde e é composto por um conjunto de elementos que envolvem pessoas e dimensões práticas (o cuidar, o educar e o gerenciar) que caracterizam o saber fazer da profissão. Devido à diversidade de atividades setoriais, pode ser subdividido em fases distintas de produção: planejamento, coordenação, orientação e supervisão das etapas do reprocessamento de artigos médico-hospitalares, bem como a interlocução entre as unidades consumidoras 3,21,39.

Segundo Silva e Aguiar 31 a função do enfermeiro tem início na fase de planejamento da unidade, porque é o momento da escolha adequada tanto de recursos materiais quanto humanos, assim como a seleção e o treinamento de pessoal incluindo a capacitação por meio da educação continuada das equipes sob sua responsabilidade. O planejamento promove a sistematização de futuras ações e colabora com o gerenciamento do setor de trabalho como um saber administrativo38.

Os artigos que envolvem a temática da atuação do enfermeiro no CME abstraíram que a gerência é a principal atividade realizada pelo profissional enfermeiro no Centro de Material, abrangendo todas as fases do processo de trabalho da enfermagem de forma cíclica. Acrescentando ainda, a elaboração de instrumentos administrativos e operacionais e administração de recursos materiais e de pessoal 3. Deve-se ressaltar que o trabalho do Centro de Material relaciona-se íntima e integralmente com o cuidado ao paciente de maneira indireta, mediante ao fato de que a finalidade do trabalho em saúde é o cuidado 31.

"Evidencia-se, ainda, que os procedimentos de enfermagem na assistência direta, que são considerados visíveis, dependem do invisível, mas que é essencial: o trabalho do enfermeiro em CME 31." Educação continuada no CME A educação continuada é um processo educacional aplicado de maneira sistemática e organizada, por meio do qual proporciona o crescimento e o aperfeiçoamento dos profissionais, assim como o desenvolvimento de suas atitudes e habilidades através de atividades e organização em função dos objetivos institucionais6,42. A ausência da educação continuada no trabalho tem sido uma das principais dificuldades vivenciada por técnicos e auxiliares de enfermagem para a realização de suas atividades 6.

O treinamento e avaliação devem ser contínuos no conhecimento e no desenvolvimento das atividades. Pois os profissionais devem ser treinados corretamente para as atividades que assumem, embora não estejam executando uma assistência direta ao usuário. 4,35. Recomenda-se a qualificação dos profissionais de saúde através de treinamento e educação, competência e conhecimento específicos, pois a capacitação educacional pode ser rápida e contínua, proporcionando habilidade dos profissionais 2,7.

O conhecimento em saúde pelos profissionais deve ser sempre buscado e ressaltado, pois ficam atualizados de uma forma constante, e não perdem a evolução das atividades práticas 6. Para a realização do reprocessamento de artigos críticos, deve-se considerar a formação profissional e o desenvolvimento de programas de treinamentos dos trabalhadores, que proporciona segurança pela aquisição de hábitos de reflexão e ação, aprimorando a capacitação profissional 42.

Considerações Finais

Diante do exposto e sob a prática tradicional e dominante do enfermeiro pode-se identificar que o papel do mesmo no Centro de Material é voltado para o cuidado indireto ao paciente, e de maneira concomitante a gestão e administração do setor. É considerado um trabalho ímpar, onde, apesar de ser um meio invisível de ação se torna extremamente importante no cuidado direto. Através da educação continuada, o enfermeiro pode acrescentar conhecimento à vida dos trabalhadores visando à melhoria dos serviços de enfermagem, utilizando treinamentos e aperfeiçoamentos, e assim diminuir gastos e minimizar os riscos que podem acometer os trabalhadores.

Evidencia-se ainda que para um melhor desempenho profissional a satisfação deve estar em primeiro lugar, pois o trabalho é de fundamental importância para o bem-estar físico, psíquico e emocional do trabalhador.

Referências

1. Associação Paulista de estudos e controle de infecção hospitalar. Grau de evidência científica das recomendações. Grau de evidência científica das recomendações NR 32- Segurança e saúde no Trabalho em estabelecimento de assistência à saúde. São Paulo, 2007.

2. Associação para o Avanço da Instrumentação Médica, Instituto Nacional de Padrão Americano. Esterilização a vapor e garantia de esterilidade em instalações. Washington: ANSI, 2002.

3. Bartolomei SRT, Lacerda RA. Trabalho do enfermeiro no centro de material e seu lugar no processo de cuidar pela enfermagem. Rev Esc Enferm USP 2006, 40(3):412-7.

4. Bergo MCNC. Avaliação do desempenho da limpeza e desinfecção das máquinas lavadoras desinfectadoras automáticas em programas com diferentes tempos e temperatura. Rev Lat-Am Enferm 2006, 14(5):735-741.

5. Brevidelli MM, et al. Adesão às precauções universais: Uma análise do comportamento da equipe de enfermagem. Rev Bras Enferm 1997, 48(3):218-232.

6. Cavalcante CAA, Macedo MLAF. Estudo do perfil dos auxiliares e técnicos de enfermagem: rede de serviços da secretaria municipal de saúde Natal/RN [Dissertação]. Natal: UFRN, 2000.

7. Chiavenato I. Recursos Humanos. São Paulo (SP): Atlas, 2000.

8. Felli VEA, Peduzzi M. O trabalho gerencial em enfermagem. In: Kurcgant P, coordenadora. Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2005, p.1-13.

9. Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas 1996.

10. Haddad MCL. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem. Rev Esp Saude 2000, 1(2):75-88.

11. Imai MT. Satisfação dos clientes e funcionários da central de materiais e esterilização, São Paulo. RAS 2003, 15(19):5-16.

12. Kirchhof ALC. O trabalho da enfermagem: Análise e perspectivas. Rev Bras Enferm 2003, 56(6):669-73.

13. Leite PC, Silva A. Morbidade referida em trabalhadores de enfermagem de um centro de material e esterilização. Rev Cienc Cuid Saude 2007, 6(1):95-102.

14. Lentz RA, Costerazo RGS, Gonçalves LHT, Nassar SM. O profissional de enfermagem e a qualidade de vida: uma abordagem fundamentada nas dimensões propostas por Flanagan. Rev Lat-Am Enferm 2000, 8(4):7-14.

15. Lopes DFDM. Ser trabalhador de enfermagem da unidade de centro de material: uma abordagem fenomenológica. [Dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2000.

16. Machado RR, Gelbcke FL. Que brumas impedem a visibilização do Centro de Material e Esterilização? Text Cont Enferm. Florianópolis 2009, 18(2):347-54.

17. Melo DS. Adesão dos enfermeiros às precauções padrão à luz do modelo de crenças em saúde [Dissertação]. Goiânia 2005, p.191.

18. Moura MLPA. Gerenciamento da Central de Material e Esterilização para enfermeiros: Fundamentos teóricos, organizacionais e estruturais. São Paulo: SENAC 1996.

19. Oler FG, Jesus AF, Barboza DB, Domingos NAM. Qualidade de vida da equipe de enfermagem do centro cirúrgico. Rev Arq Cienc Saude 2005, 12 (2):102-10.

20. Possari JF. Centro de Material e Esterilização: planejamento e gestão. 2ª Ed. São Paulo (SP): Iátria, 2005.

21. Psaltikidis EM. Proposta metodológica para análise dos custos do reprocessamento de pinças de uso único utilizadas em cirurgia vídeo-assistida. [Dissertação]. São Paulo, 2004.

22. Ravagnani LMB. Qualidade de vida e estratégias de enfrentamento em pacientes submetidos a transplante renal [Dissertação]. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, 2002.

23. Ribeiro EJC, Shimizu HE. Acidentes de trabalho com trabalhadores de enfermagem. Rev Bras Enferm 2007, 60(5):535-40.

24. Rodrigues RM. Enfermagem compreendida como vocação e sua relação com as atitudes dos enfermeiros frente ás condições de trabalho. Rev Lat-Am Enferm 2001, 9(6):76-82.

25. Sancinetti TR, Gatto MAF. Parâmetros de produtividade de um centro de material e esterilização. Rev Esc Enferm USP 2007, 41(2):264-70.

26. Sarquis LMM, Felli VEA. O uso de equipamento de proteção individual entre os trabalhadores de enfermagem acidentados com instrumentos perfurocortantes. Rev Bras Enferm 2000, 53 (4):564-73.

27. Schmidt DRC, Dantas RAS. Qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem, atuantes em unidades do bloco cirúrgico, sob a ótica da satisfação. Rev Lat- Am Enferm 2006, 14(1):54-60.

28. Senai/CE. Prevenção de acidentes para componentes de CIPA - Segurança. Fortaleza (CE): Ética 2000.

29. SES-GO. Secretaria de Estado da Saúde de Goiás. Coordenação Estadual de Controle de Infecção hospitalar. Programa de prevenção e assistência ao acidente. Profissional com material biológico. Goiânia: SES-GO, 2003.

30. Silva A. Organização do trabalho na unidade centro de material. Rev Esc Enferm USP 1998, 32(2):169-78.

31. Silva AC, Aguiar BGC. O enfermeiro na central de material e esterilização: Uma visão das unidades consumidoras. Rev Enferm UERJ 2008, 16(3):377-81.

32. Silva AM, Peduzzi M. O trabalho de enfermagem em laboratórios de análises clinicas. Rev Lat-Am Enferm 2005, 13(1):65-7.

33. Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação anestésica e centro de material e esterilização. Práticas recomendadas da SOBECC. Centro cirúrgico, Recuperação anestésica e centro de material e esterilização São Paulo, 2007.

34. Souza ACS. Risco biológico e biossegurança no cotidiano de enfermeiros e auxiliares de enfermagem, [Tese] - Escola de enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2001.

35. Souza MCB, Ceribelli MIPF. Enfermagem no centro de material esterilizado a pratica da educação continuada. Rev Lat-Am Enferm 2004, 12(5):767-74.

36. Steinhofel E, Piccoli M, Maraschin M. A utilização de equipamentos de proteção individual pela equipe de enfermagem na área de limpeza e desinfecção de materiais: Revisando a literatura. Maringá, Rev Cienc Cuid Saude 2002, 1(2):299-307.

37. Talhaferro B, Barboza DB, Oliveira AR. Adesão ao uso de equipamentos de proteção individual pela enfermagem. Rev Cienc Medic Camp 2008 17(3-6):157-166.

38. Taube SAM, Méier MJ. O processo de trabalho da enfermeira na central de material e esterilização. Acta Paul Enferm 2007, 20(4):470-5.

39. Taube SAM, Zagonel IPS, Méier MJ. Um marco conceitual ao trabalho da enfermagem na central de material e esterilização. Cogitare Enfermagem 2005, 10(2):76-83.

40. Tipple AFV, Aguiliari HT, Souza ACS, Pereira MS, Mendonça ACC, Silveira C. Equipamento de Proteção em Centros de Material e Esterilização: Disponibilidade, uso e fatores intervenientes à adesão. Rev Cienc Cuid Saude 2007, 6(4):441-448.

41. Tipple AFV, Souza ACS, Almeida ANG, Sousa SB, Siqueira KM. Acidente com material biológico entre trabalhadores da área de expurgo em centros de material e esterilização. Acta Scient Healt Scienc. Maringá 2004, 26(2):271-278.

42. Tipple AFV, Souza TR, Bezerra ALQ, Munari DB. O trabalhador sem formação em enfermagem atuando em centro de material e esterilização: Desafio para o enfermeiro. Rev Esc Enferm USP 2005, 39(2):173-80.

Elyziane Mendes Nunes**, Aline Luz Falchi Santos***, Érica Aparecida Dias***, Fernanda da Costa Lima***, Juliana Burgo Godoi Alves****.

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.


Elyziane Mendes Nunes

por Elyziane Mendes Nunes

Enfermeira, graduada pela Universidade Paulista - UNIP/GO como bolsista do Programa Universidade para Todos - Prouni. Pós-graduanda em Saúde Coletiva pelo Portal Educação em parceria com a Universidade Católica Dom Bosco - UCDB.

Portal Educação

PORTAL DA EDUCAÇÃO S/A - CNPJ: 04.670.765/0001-90 - Inscrição Estadual: 283.797.118 - Rua Sete de Setembro, 1.686 - Campo Grande - MS - CEP 79002-130