artigo

quarta-feira, 27 de junho de 2012 - 21:23

Tamanho do texto: A A

A Função Social da Escola

por: Aline Cambui Turibio

A Função Social da Escola
A Função Social da Escola
Apesar das transformações sofridas no decorrer da história, a escola representa a Instituição que a humanidade elegeu para socializar o saber sistematizado. Isso denota afirmar que é o lugar onde, por princípio, é difundido o conhecimento que a sociedade estima necessário transmitir às novas gerações. Nenhuma outra forma de aparelhamento foi capaz de substituí-la.

 “Da maneira como existe entre nós, a educação surge na Grécia e vai para Roma, ao longo de muitos séculos da história de espartanos, atenienses e romanos. Deles deriva todo o nosso sistema de ensino e, sobre a educação que havia em Atenas, até mesmo as sociedades capitalistas mais tecnologicamente avançadas têm feito poucas inovações” (Brandão, 2005).

Dentro de cada organização existem classes sociais em posições elevadas, as quais criam e impõem um tipo de educação que visa a atender interesses particulares e reforçar, cada vez mais, o poder dos privilegiados. E as escolas transformaram-se nas instituições que mais têm colaborado para a efetivação desses objetivos, visto que sempre estiveram sobre o controle do estado.

Apesar das modificações conferidas na estrutura do ensino brasileiro no decorrer dos anos, nenhuma delas instituiu um sistema educacional onde todos tivessem os mesmos direitos, onde a intenção principal seria a concepção do homem com plena autoridade dos próprios meios de libertação; um homem erudito, livre, inteligente e crítico, que não se deixa manipular e que pode influenciar o estilo de vida e o futuro do país.

Sabe-se que só existem três maneiras de se transformar uma sociedade: guerra, revolução e educação. Dentre as três, a Educação é a mais viável, a mais passiva, porém a que os efeitos só se tornam visíveis em longo prazo.

“Se teus projetos têm prazo de um ano, semeia trigo; se teus projetos têm prazo de dez anos, planta árvores frutíferas; se teus projetos têm prazo de cem anos, então educa o povo.” (Provérbio chinês).

O sistema educacional brasileiro fundamenta-se numa filosofia de racionalização e democratização do ensino, mas na realidade atesta a existência de mecanismos rígidos de seleção e burocratização, que o configura como elitista.

A educação deveria servir como mecanismo de libertação do homem. Esse, por meio da educação formal, deveria colaborar para o desenvolvimento do país e, acima de tudo, usufruir dos resultados. Porém, tem-se uma educação que serve como veículo de transmissão das ideias da classe dominante, cujo papel é muito importante na perpetuação das condições sociais já existentes.

Existe uma tendência em considerar-se instrução somente aquela que ocorre em escolas, ou seja, o ensino formal. Mas como diz Brandão: “Não há uma forma única nem um único modelo de educação; a escola não é o único lugar onde ela acontece e talvez nem seja o melhor; o ensino escolar não é a sua única prática e o professor profissional não é o seu único praticante.” Assim, considera-se ensino e educação todo procedimento que tem por intento intervir na conduta humana.

Atualmente, quiçá pela falta de tempo da maioria dos pais, é imposta à escola toda a responsabilidade em relação à educação dos alunos. Mas não pode ser desse modo. Por mais que a escola se encoraje e tenha consciência da sua função, ela jamais poderá suprir a família. O papel dos pais na educação é de extraordinária importância para a formação integral do educando, pois os filhos espelham-se nos atos dos genitores para construir modelos de personalidade e caráter para a própria vida.

A escola não pode continuar a ser uma clínica de abortos. Os que fracassam na escola tendem a ser excluídos da sociedade. Detrás do insucesso escolar encobrem-se aflições, frustrações, amarguras, enfim, sofrimentos. A impulsiva fabricação do malogro escolar não se restringe a um problema educacional. Trata-se de um problema social, cultural e até econômico. Com o fracasso escolar justificam-se, posteriormente, mais tumultos sociais, mais cadeias, mais clínicas psiquiátricas.

A educação não pode ser meramente um processo de influência e reflexão do passado sobre o presente. Deve ser uma ciência que permita ao educando se automedicar, acordar a consciência e a responsabilidade mediante valores essenciais à vida. Uma das finalidades da educação é autorizar que os jovens se concretizem por meio da ação e do esforço pessoal para procurar e transformar os valores culturais do passado, adaptando-os à realidade.

Os pais, os mestres e a própria instituição educacional têm como objetivo imprimir a cultura, mas não apenas. Também têm como desígnio ajudar o jovem a desenvolver a capacidade de criar suas próprias formas de cultura; promover ao jovem o desenvolvimento das habilidades pessoais para que ele mesmo seja capaz de cogitar sobre o que lhe é transmitido, de aceitar, mas acatar com espírito crítico, independência, liberdade e consciência.

Para John Dewey, “a educação não é algo que deva ser inculcado de fora, mas consiste no desenvolvimento de dons que todo o ser humano traz consigo ao nascer.” Destarte, a educação não seria um processo de difusão ou de imposição dos valores culturais assimilados pelas gerações mais velhas; não seria algo estruturado deliberadamente pelas instituições, mas germinaria da alma do ser humano.

Toda vez que se reflete sobre a educação, precisa-se, em princípio, ponderar-se no ser em que vai processar-se a educação: o homem. Esse, não apenas como elemento do educativo, mas como atuante do processo educacional. É o homem que individualiza e estabelece a estrutura, os fins e os objetivos da educação que pretende. Uma educação para o homem que convive, e não para o indivíduo absorto; para o homem que encara a vida, que busca situar-se, que aspira ser.


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
PENIN, Sonia Teresinha de Sousa. Progestão: como articular a função social da escola com as especificidades e as demandas da comunidade? Brasília: CONSED, 2001.





CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Aline Cambui Turibio

Graduação em CIÊNCIAS BIOLÓGICAS pela Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS (1999); especializações em BIOLOGIA pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2004) e em GESTÃO EDUCACIONAL pela Universidade Católica de Brasília - UCB (2011); curso de aperfeiçoamento em GESTÃO em SAÚDE pela Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ (2002); extensão em Formação de Multiplicadores de Informações Preventivas sobre Drogas pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2003) e em Educação Ambiental pela Fundação Universitária de Brasília - FUBRA (2002); diversos cursos nas áreas de Educação, Saúde e Meio Ambiente. É professora concursada da Secretaria Estadual de Educação do Tocantins (1999 - atual) e da Secretaria Municipal de Educação de Palmas (2004 - atual).

Educação e Pedagogia