CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

A importância de contar história em sala de aula: Instrumento de trabalho na EI

Artigo por Rosana Januário - terça-feira, 29 de novembro de 2011

Tamanho do texto: A A

A criança é conduzida a experimentar situações reais no imaginário por meio da fantasia
A criança é conduzida a experimentar situações reais no imaginário por meio da fantasia
1.  A leitura literária na sala de aula da Educação Infantil

O educador tem um desafio grande em relação às mudanças na sociedade. Desse modo, é na escola que a criança tem o contato com os contos infantis, garantindo sua independência, perante o adulto quando a mesma alcança a capacidade de ler. Ler tem de ser algo bom, um prazer, nunca visto como um sacrifício tem de ser sempre desejado, tornando a leitura algo que faça tanta falta "como o pão para a boca". (Cavalcanti, 2009:).

Para Cavalcanti (2009), o leitor infantil pode ser muito facilmente envolvido pelo momento de ouvir a história, desde que este momento seja bem conduzido. Pensando nisso, para narrar a história de forma sedutora, prazerosa e envolvente o contador - no caso o educador - precisa ser apaixonado pelo mundo do faz-de-conta, pois estar comprometido afetivamente com a narrativa é ponto principal, isso porque a história precisa ser contada com sentimento, entrega e partilha.

De acordo com Cavalcanti (2009), o bom contador de história é alguém que possui a virtude natural para fazer da palavra o canto mágico das narrativas. Dessa forma, podemos dizer que a história leva a criança para um passado misterioso, o instiga para o futuro onde se pode viajar pelas galáxias, ou seja, é possível ir até onde sua imaginação chegar.

Segundo Cavalcanti (2009), quando realizamos a leitura ou contamos uma história, o fazemos através de um gesto voluntário de buscar um preenchimento que nos envia um prazer, nos mantendo em sintonia com a descoberta do novo. Sendo assim, o gosto pela leitura é algo que se provoca pelo afeto e o gosto e o prazer são recursos essenciais que devemos buscar para a inclusão do hábito de ler nas escolas alcançando nossos leitores que, por meio dessa prática, se tornaram leitores apaixonados e comprometidos.

Sobre o mesmo ponto de vista Costa (2007) acrescenta que cabe não esquecer que todo trabalho de formação de leitores para a literatura não pode, em momento algum, menosprezar ou deixar em segundo plano o papel do professor enquanto mediador e enquanto exemplo de leitor, pois "aprender a ler requer que se ensine a ler", tarefa importante para o educador ao inserir a leitura literária como caminho de transformação e conhecimento e de forma prazerosa.

Certamente, preparado para a leitura, a criança compreenderá que o livro é um passaporte para o ilimitado mundo da ficção ou da realidade.

1.1 Leitura Literária: construtora do conhecimento

Segundo Oliveira (2009), sugere-se que comece a resgatar os contos e histórias conhecidas pelas crianças, tanto eles quanto o professor poderão contar oralmente os contos e suas histórias para os demais.

Assim, o hábito da leitura torna-se a maneira de construção do conhecimento mesmo antes de saber ler, pois, é de ouvi-las que se treina a relação com o mundo, fazendo do momento de contar, recontar, inventar e ouvir o estímulo para manter viva a importância da leitura. Oliveira (2009) acrescenta que a criança que, desde muito cedo, entrar em contato com a obra literária, terá uma compreensão muito maior de si e do outro, tendo a oportunidade de desenvolver seu potencial criativo e ampliar seus horizontes da cultura e do conhecimento, dessa maneira, sua visão será melhor em relação ao mundo e da realidade que a cerca.

Certamente, por esse motivo que a autora Oliveira (2009) nos fala que a literatura infantil deveria estar presente na vida da criança da mesma forma que se oferece o leite em sua mamadeira, pois ambos cooperam para o desenvolvimento dos indivíduos, ou seja, um é o alimento para seu desenvolvimento físico e o outro para o desenvolvimento intelectual e afetivo.

Então, aos adultos, num geral, cabe a reflexão da importância desse assunto, pois contar e ouvir histórias para as crianças desde seus primeiros anos de vida é uma prática edificante que desperta dentro de cada um o gosto pela leitura e a construção e ampliação de seu conhecimento.

Isso porque, conforme Oliveira (2009), a literatura infantil descreve nas histórias o mundo de uma forma simbólica, por meio da fantasia, do sonho e do mágico, rompendo barreiras e limitações do real, criando circunstância para que a criança apesar da sua pouca idade, se defronte com questões complicadas da realidade como, por exemplo: o egoísmo, a fraternidade, a competição, a colaboração, a fidelidade, a falsidade, entre outras questões.

Dessa forma, a leitura é um recurso que trabalha de dentro para fora, do simples para o complexo, onde a criança irá fazer escolhas e se informar sobre o mundo que a cerca.

"O conto ajuda a tornar claro, complicada relação prática, pois suas imagens iluminam o problema relativo à vida, esse é o papel do conto com sua linguagem figurada e emocional" (1982 apud Oliveira, Maria Alexandre de, 2009:79).

Sendo assim, colocamos a importância de criar ocasiões e lugares onde a criança possa ampliar e adquirir novas experiências pessoais enriquecendo-as por meio da leitura. Nesse sentido, o educador ou o adulto em geral tem o papel fundamental de inserir ou oferecer o livro para as crianças, considerando que esse instrumento é de extrema importância para transformar o universo infantil no suporte para manifestar a imaginação e estimular a criatividade.

 Dessa forma, é na escola que a criança começa a ter um contato maior com a leitura onde a aparece a importância de contar histórias e a prática docente, assunto para o próximo capítulo.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Rosana Januário

Sou graduada em Pedagogia, atualmente trabalho na educação infantil. Conclui o curso de Arteterapia no Portal da Educação e pretendo me especializar em Artes Visuais, no entanto, adoro a literatura e por esse motivo no meu trabalho de conclusão de curso abordei o tema do qual apresento no artigo.