Critérios Diagnósticos do Transtorno de Personalidade

Critérios Diagnósticos do Transtorno de Personalidade
PSICOLOGIA
Um padrão global de instabilidade dos relacionamentos interpessoais, da autoimagem e dos afetos e acentuada impulsividade, que se manifesta no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, indicado por, no mínimo, cinco dos seguintes critérios:

Esforços frenéticos no sentido de evitar um abandono real ou imaginário. Nota: não incluir comportamento suicida ou automutilante, coberto no critério 5;

Um padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos, caracterizado pela alternância de extremos de idealização e desvalorização; Perturbação da identidade: instabilidade acentuada e resistente da autoimagem ou do sentimento de self;

Impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente prejudiciais à própria pessoa (ex., gastos financeiros, sexo, abuso de substâncias, direção imprudente, comer compulsivo). Nota: não incluir comportamento suicida ou automutilante, coberto no critério 5;

Recorrência de comportamento, gestos ou ameaças suicidas ou de comportamento automutilante;

Instabilidade afetiva devido a uma acentuada reatividade de humor (por exemplo, episódios de intensa disforia, irritabilidade ou ansiedade geralmente durando algumas horas e raramente mais de alguns dias);

Sentimentos crônicos de vazio;

Raiva inadequada e intensa ou dificuldade de controlar a raiva (por exemplo, demonstrações frequentes de irritação, raiva constante, lutas corporais recorrentes);

Ideação paranoide transitória e relacionada ao estresse ou graves sintomas dissociativos.

O transtorno da personalidade Borderline é caracterizado por um severo descontrole do humor e dos impulsos. O padrão de comportamento visto neste tipo de transtorno foi identificado no mundo inteiro, em diversos contextos culturais. Antes da adolescência, dificuldades de aprendizagem, problemas de concentração e afastamento social estão frequentemente presentes.

Essas dificuldades evoluem gradualmente para os sintomas clássicos do transtorno durante a adolescência e início da idade adulta. É diagnosticado predominantemente em mulheres (aproximadamente 75%).

Os pacientes com transtorno de personalidade Borderline apresentam comportamentos excessivamente irregulares. Seus relacionamentos tendem a serem instáveis, intensos e tempestuosos. Soma-se a esta instabilidade e perturbação, mudanças súbitas e drásticas de opinião sobre os outros. Estas podem alternar-se entre extremos de idealização e desvalorização – enxergar os outros como apoios benéficos e a seguir como cruéis. Da mesma forma que o paciente pode valorizar o trabalho terapêutico, pode após algum episódio desvalorizá-lo totalmente.

Estes sujeitos precisam ter outros a sua volta, mesmo que não gostem e nem se relacionem com eles. Os esforços para evitar a solidão e o abandono podem ser extremos, tomando a forma de atividades impulsivas, como raiva inadequada, comportamentos autodestrutivos e ameaças de suicídio. Podem também ser benignos, envolvendo o uso de um objeto transicional, por exemplo, um objeto inanimado ou um animal de estimação, que pode atenuar os sentimentos de solidão e insegurança.

Muitas vezes apresentam um padrão de boicote a si mesmo. Destruir um relacionamento justamente quando está claro que poderia vir a ser duradouro, abandonar um curso próximo ao seu término, por exemplo. Frequentemente, a ausência de um relacionamento ou de uma estrutura externa, que se tornam experiências estressantes, pode provocar uma variedade de distorções cognitivas e perceptivas transitórias, do tipo psicótico, tais como um sentimento de não existir, experiências dissociativas e acusações irreais de maus-tratos.

O paciente Borderline apresenta um distúrbio de identidade que envolve mudanças súbitas e drásticas da autoimagem. Ele pode em um momento ser uma pessoa carente por ajuda e a seguir um justiceiro vingador por maus-tratos. Às vezes pode sentir que absolutamente não existe, geralmente quando está sozinho e acredita que não tem relacionamentos.

O humor dos pacientes com transtorno da personalidade Borderline é geralmente uma mistura de raiva, solidão e vazio crônico. Mudanças de humor ocorrem em resposta a alterações no ambiente interpessoal. A raiva crônica pode ser expressa não apenas por meio de acessos de fúria, mas também de extrema amargura, sarcasmo e atitudes depreciativas ou manipuladoras. A raiva é parte constante das experiências dos pacientes; eles desejam de alguma forma tornar claro estes sentimentos ou justificá-los como sendo proveniente de uma provocação externa.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER