Tipos de Avaliações Escolar

Tipos de Avaliações Escolar
PEDAGOGIA

 A avaliação se faz presente em todos os domínios de atividade humana. O "julgar", o "comparar", isto é "o avaliar" faz parte do nosso cotidiano. Como afirma Dalben (2005), seja através das reflexões informais que orientam as frequentes opções do dia-a-dia ou, formalmente, através da reflexão organizada e sistemática que define a tomada de decisões. Como prática formalmente organizada e sistematizada, a avaliação no contexto escolar realiza-se segundo objetivos escolares implícitos ou explícitos, que, por sua vez, refletem valores e normas sociais.



A avaliação escolar não acontece em momentos isolados do trabalho pedagógico: ela o inicia, permeia todo o processo e o conclui. A avaliação está estritamente ligada a natureza do conhecimento, e uma vez reconhecida essa natureza, a avaliação deverá ajusta-se a ela se quiser ser fiel e manter a coerência epistemológica. Assim percebemos que a avaliação não é apenas uma prática escolar, uma atividade neutra ou meramente técnica, e sim uma atividade dimensionada, de ciências e de educação, que irá traduzir a prática pedagógica. Na condição de avaliador, o Professor irá interpretar e atribuir sentidos e significados à avaliação escolar.



Existem vários tipos de avaliações onde o Professor conseguirá observar o desenvolvimento do aluno, um exemplo é a prova dissertativa onde o aluno coloca com suas palavras o que entendeu sobre o assusto. Outra forma de avaliar o aluno é com a auto-avaliação, pois através de algumas afirmações ele irá analisar e dizer como foi seu desenvolvimento. No contexto escolar avaliar não é somente atribuir uma nota a um aluno através de uma única nota que ele tenha tirado em uma prova, avaliar é bem mais que isso. Não se pode definir se o aluno sabe ou não apenas pela nota de uma prova, pois muitas vezes no dia daquela prova o aluno pode não estar bem emocionalmente, pode ter acontecido algo no caminho da escola ou outra coisa que lhe deixou abalado e por isso não fez uma boa prova.



A avaliação deve ser um instrumento no qual se possa identificar e analisar a evolução, o rendimento e as modificações do educando, confirmando a construção do conhecimento. Não ser usada apenas para dar satisfação aos pais do que foi aprendido ou não pelo aluno. A aferição de notas aos alunos, quase que na totalidade das vezes, serve apenas para classificar os alunos em aprovados e reprovados e não para medir nível de desenvolvimento. Sendo assim existem algumas modalidades de avaliação, que podem ser aplicadas na instituição escolar. São elas a avaliação diagnóstica, avaliação formativa, avaliação somativa, avaliação escrita, auto-avaliação e avaliação cooperativa.



A avaliação diagnóstica deve acontecer no início de cada ciclo ou ano letivo, pois assim fica mais fácil detectar os erros e planejar as atividades que serão realizadas. Avaliação formativa tem como propósito informar ao professor e aluno sobre os resultados da aprendizagem, durante as atividades escolares. Onde possibilita a reformulação no mesmo e assegurar o alcance dos objetivos. Tem o nome formativa, pois indica como os alunos estão se modificando em direção aos objetivos. A avaliação somativa tem a função de classificar os alunos ao final da unidade, semestre ou ano letivo, segundo níveis de aproveitamento apresentados. Objetiva avaliar de maneira geral o grau em que os resultados mais amplos têm sido alcançados ao longo e ao final de um curso.



Assim a avaliação somativa seria a junção de uma ou mais avaliações trabalhadas pelo professor, buscando valorizar as diferentes etapas de ensino/aprendizagem dos seus alunos. A avaliação escrita não pode restringir-se a pedir aos alunos que repitam somente o que foi ensinado ou o que está no livro didático, ela deve servir para verificar o desenvolvimento das habilidades intelectuais dos alunos na assimilação dos conteúdos (organização das ideias, clareza de expressão, originalidade, capacidade de fazer relações entre fatos dentro do texto escrito). Libâneo, 1994, afirma que a prova dissertativa compõe-se de um conjunto de questões ou temas que devem ser respondidos pelos alunos com suas próprias palavras.



Cada questão deve ser formulada com clareza, mencionando uma habilidade mental que se deseja que o aluno demonstre. Por exemplo: compare, relacione, sintetize, descreva, resolva, apresente argumentos contra ou a favor etc. Sant'Ana, 2009, afirma que a auto-avaliação é capaz de conduzir o aluno a uma modalidade de apreciação que se põe em pratica durante a vida inteira. Com a auto-avaliação os alunos adquirem a capacidade cada vez maior de analisar suas próprias aptidões, atitudes, comportamentos, pontos fortes, necessidades e êxitos na consecução de propósitos. Mas para que a auto-avaliação tenha êxito é preciso que o professor acredite no aluno e ofereça condições para a aprendizagem, pois assim o aluno se sentirá segura para manifestar autenticidade em sua avaliação.



A avaliação cooperativa estimula o aluno a coletar evidências concretas de trabalhos e proporcionar condições para que analise, juntamente com o grupo, o processo obtido é aperfeiçoá-lo para uma convivência democrática no grupo e na sociedade. A discussão em grupo é uma forma cooperativa de desenvolver habilidades mentais através de uma reflexão sistematizada, afirma Sant'Ana (2009). Essa avaliação oferece vantagens individuais e em grupo para os alunos, pois existe o reconhecimento da colaboração de cada um para com o grupo, e também a valorização do exercício de cada atividade.



O Professor pode avaliar o desenvolvimento do aluno através da escrita, da observação, da auto-avaliação e/ou através do diagnóstico feito tanto pelo Professor quanto pelo aluno. Com isso percebemos que a avaliação serve para aconselhar, informar, indicar mudanças, funcionando em uma lógica cooperativa que faz do diálogo, uma prática e da reflexão, um constante.



Referencias:

SANT'ANNA, Ilza Martins. Porque avaliar?: Como avaliar?: Critérios e instrumentos. 13. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.



HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Medição, 2006.






Fernanda de Sousa Barros Dias
Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acarau (2010). Pós-Graduada em Gestão, Coordenação, Planejamento e Avaliação Escolar pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (2012). Atualmente é Assistente Pedagógica no Instituto Superior de Teologia Aplicada. Atuando principalmente nos seguintes temas: Avaliação e Rede Pública.
Seja um colunista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER