Importância dos profissionais de saúde no incentivo ao aleitamento materno

Importância dos profissionais de saúde no incentivo ao aleitamento materno
NUTRICAO
As competências esperadas do profissional de saúde que atua junto à mulher que amamenta, sua família e comunidade são as relacionadas ao conhecimento dos aspectos sociais, culturais e biológicos da amamentação.

Cabe aos profissionais de saúde propor estratégias centradas no aspecto educativo, abrangendo tanto a difusão de informações a respeito da importância e das vantagens do aleitamento materno, como também a instrução das mães a respeito da forma correta de amamentar, das técnicas específicas para superar as dificuldades circunstanciais que podem ocorrer principalmente no início da amamentação e das técnicas especiais para compatibilizar a amamentação com os outros papéis desempenhados pela mulher dentro da sociedade.

Especificamente com relação à amamentação, a equipe de saúde da família pode desenvolver atividades educativas desde o período pré-natal, buscando interagir mais efetivamente com as mulheres, possibilitando conhecer suas experiências anteriores, o que significa para ela, naquele momento, a gravidez e outros aspectos subjetivos que possam favorecer ou não o processo do aleitamento materno.

A equipe deve ouvir as preocupações e dificuldades das mães com a amamentação, ajudando-as a superar, seja por meio de aconselhamento ou em grupos que incentivam o aleitamento materno; informar sobre a importância da amamentação e seus benefícios tanto para a mãe quanto para o filho, estimular a amamentação sobre livre demanda, até os seis meses e como complemento até os dois anos; alertar sobre os riscos do uso de mamadeiras pois supostamente o lactente terá dificuldades para sugar o peito da mãe depois de ter aprendido a sugar o bico artificial - ocasionando no chamado “confusão de bicos”- ; orientar quanto à pega, posição e ordenha, pois, se praticado de maneira incorreta, pode proporcionar traumas mamilares como fissuras ou rachaduras, ingurgitamento mamário e mastite, influenciando diretamente no desmame precoce.

Para promover, proteger e apoiar a amamentação com eficiência, os profissionais de saúde precisam ter habilidade em se comunicar eficientemente com a nutriz, o que se consegue mais facilmente através de aconselhamentos. Aconselhar significa ajudar as mulheres a tomar decisões após ouvi-las, entendê-las e dialogar com as mesmas sobre os prós e contras a respeito da prática do aleitamento e do desmame precoce. No aconselhamento os profissionais devem demonstrar interesse pelo bem-estar da nutriz e do seu filho, passando uma relação de confiança, para que elas sintam-se apoiadas e acolhidas. A mãe que amamenta pode ter dificuldade em falar sobre os seus sentimentos, e com esta relação, a mãe será estimulada a falar mais.

Nos grupos de incentivo ao aleitamento materno os profissionais de saúde orientam sobre a amamentação, propondo estratégias educativas que abrangem tanto a difusão de informações sobre a importância e vantagens do aleitamento. Assim as mães detêm o maior conhecimento a respeito da amamentação, mais segurança e estímulo para continuar amamentando, o que contribui para a redução de fatores de risco tanto para a desnutrição e morbi-mortalidade quanto para o atraso no desenvolvimento cognitivo da criança.

Layane Thais  de Almeida Lopes
Especialista em Nutrição Clínica: Metabolismo, Prática e Terapia Nutricional pela Universidade Gama Filho e em Docência em Nutrição pela Faculdade Unyleya. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Docente e membro do núcleo docente estruturante (NDE) da Faculdade Regional de Riachão do Jacuípe (FARJ).
Seja um colunista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

ARTIGOS RELACIONADOS