Dilemas da liderança a luz de Max Weber

Dilemas da liderança a luz de Max Weber
LIDERANCA
"Reside a honra do funcionário em sua capacidade de executar conscienciosamente uma ordem, sob responsabilidade de uma autoridade superior, mesmo que - desprezando a advertência - ela se obstine a seguir uma trilha errada. O funcionário deve executar essa ordem como se ela correspondesse a suas próprias convicções. Se carente dessa disciplina moral, no mais elevado sentido do termo, e sem essa abnegação, toda a organização ruiria. Contrariamente, a honra do chefe político consiste justamente na responsabilidade pessoal exclusiva por tudo quanto faz, responsabilidade que ele não pode rejeitar, nem delegar. Nesse sentido, os funcionários que têm visão moralmente elevada de suas funções são, necessariamente, maus políticos: não se dispõem a assumir responsabilidades no sentido político do termo e, desse ponto de vista, são, obviamente, políticos moralmente inferiores",

Weber. Ciência e Política: duas vocações. Martin Claret, p. 82.


--------------------------------------------------------------------------------------

Líderes são necessários e a maior tarefa de uma liderança é capacitar outros para exercê-la. Um dos maiores problemas do mundo é a ausência de líderes. Alguns fatores impedem o florescimento destes tipos: medo de assumir responsabilidades; a conduta de alguns líderes que impedem que os outros cresçam; medo de falhar (nossa sociedade ainda é demasiadamente cruel com os que falham, levando as pessoas a não admitirem seus erros, fazendo com que todos vivam numa grande ilusão de perfeição).

Existem diversos outros fatores, mas este não é o ponto. Ser um funcionário é apenas um momento que tem como fim exercer a liderança. A demanda por líderes é geométrica enquanto que seu nascimento segue uma progressão aritmética, ou seja: há espaço para todos.

Algumas pessoas possuem um senso moral tão elevado que obrigatoriamente só permanecem tranquilas como líderes. Mas o medo de assumir responsabilidades bloqueia estas pessoas e elas acabam que nem viram líderes nem conseguem ser funcionários. Viram políticos frustrados como o próprio Weber, Maquiavel e Pareto. Elas reconhecem que dentro de si existe uma personalidade forte que pode dificultar o andamento dos processos pelo risco de que seus funcionários não aguentem a pressão.

Leone de Araujo Rocha
Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Amapá. Especialista em Ciência Política. Professor de Sociologia do quadro efetivo do Governo do Estado do Amapá. Antropólogo do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Sócio Pós-Graduando da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e membro da SBPC.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER