Técnica de administração de medicamentos injetáveis

Técnica de administração de medicamentos injetáveis
ENFERMAGEM

A administração segura e precisa de medicamentos é uma das mais importantes responsabilidades do profissional de enfermagem. O profissional é responsável pela compreensão dos efeitos e de uma droga, pela administração correta, pela monitorização da resposta do paciente e pelo auxílio ao paciente na auto-administração correta.
A capacidade de administrar medicamentos é uma das habilidades mais importantes que o profissional da enfermagem leva ao leito do paciente. A administração segura e efetiva dos medicamentos é considerada por muitos profissionais da enfermagem como a razão de seu sucesso.
A organização das rotinas de administração de medicamentos é importante e deve ser compreendida por todos os que participam do serviço. Assim, vários métodos são adotados para assegurar precisão na preparação, distribuição e anotação dos medicamentos.
É claro que para oferecer medicamentos com exatidão requer muito conhecimento técnico, habilidade, dedicação, atenção e constante processo de reciclagem.

Quando se fala em administração de medicamentos a equipe responsável por esse procedimento tem que ser treinada e sempre observar o que se denomina de cinco certos para que sejam evitados erros na administração.
Os cinco passos certos para administração medicamentosa são:
1. Medicamento certo
2. Dose certa
3. Via certa
4. Horário certo
5. Paciente certo


Du gás (1988) afirma que para completar a administração de muitas medicações, é necessário proporcionar medidas de assistência de enfermagem capazes de suplementar a ação da medicação.
O mesmo autor enfatiza que as reações das pessoas às diferentes medicações variam. A reação do paciente a qualquer medicação é importante e deve ser cuidada.
O registro de qualquer reação anormal ao medicamento deve ser anotado do prontuário. O profissional deve julgar a eficácia do fármaco como o alivio da dor, redução da febre, diminuição do edema, mudança no aspecto da urina. Para isso o profissional deve ter conhecimento sobre a farmacologia.
É importante atentar que às vezes os pacientes apresentam reações colaterais, como conseqüência de uma medicação (náuseas, vômitos, diarréia, por exemplo).

Via de administração de medicamento

A escolha do método e da via de administração depende de alguns parâmetros: rapidez desejada para início da ação, natureza e quantidade a ser administrada e das condições do paciente.
Segue abaixo os fatores relevantes relacionadas às diversas vias de administração de medicamentos injetáveis:
♦ Administração parenteral – É a via utilizada para a administração de medicamentos uma ou mais camadas da pele, a administração parenteral de fármacos tem algumas vantagens nítidas em relação à via oral. A disponibilidade é mais rápida e mais previsível. A dose eficaz pode, portanto, ser escolhida de forma mais precisa. No tratamento de emergências, a administração é extensamente valiosa. A injeção do fármaco também tem suas desvantagens. É essencial manter a assepsia, pode ocorrer uma injeção intravascular quando esta não era a intenção, a injeção pode acompanhar-se de dor e, às vezes, é difícil para um paciente injetar o fármaco em si mesmo se for necessária a automedicação. Os custos são outros fatores a serem considerados. Fazem parte da via parenteral: endovenosa ou intravenosa (EV ou IV), subcutânea (SC), intradérmica (ID), intramuscular (IM), intra-arterial, intratecal, intraperitoneal e inalatória.
Intradérmica – É a via parenteral mais lenta, a solução introduzida na derme, onde o suprimento sangüíneo está reduzido e a absorção do medicamento ocorre lentamente. Via preferencial para a realização de testes de sensibilidade e reações de hipersensibilidade, como: testes de tuberculose, difteria e vacina BCG. Quantidade aconselhável, no máximo de 0,5 ml e o ideal de 0,1 ml.
Endovenosa ou Intravenosa – É efetuada introduzindo-se o medicamento diretamente na veia, na corrente sanguínea. A concentração desejada de um fármaco no sangue é obtida com uma precisão e rapidez que não são possíveis com outras vias. Admite infusão de grandes volumes.
Subcutânea – Nesta via os medicamentos são administrados no tecido subcutâneo. Só pode ser usada para substâncias que não são irritantes para os tecidos. A absorção costuma ser constante e suficientemente lenta para produzir um efeito persistente. A absorção de substâncias implantadas sob a pele (sob forma sólida de pellet) ocorre lentamente ao longo de semanas ou meses (contraceptivos ou repositores hormonais). Grande utilização para administração de insulina, heparina e alguma vacinas. Não admite grandes volumes (até 01 ml). As regiões de injeções subcutâneas incluem: regiões superiores externas do braço, abdome (próximo a cicatriz umbilical) e a região anterior das coxas.
Intramuscular – É a administração do medicamento diretamente na massa muscular. A absorção depende do fluxo sanguíneo no local da injeção. A velocidade de absorção em homens é maior que a absorção em mulheres quando a injeção é feita glúteo. Os músculos mais utilizados são o deltóide - até 02 ml, vasto lateral da coxa (terço médio) e grande glúteo (quadrante superior externo) – até 05 ml.
Intra-arterial - É a administração do medicamento diretamente na artéria. É aplicada para localizar seu efeito em determinado órgão ou tecido. Exige extremo cuidado e só deve ser feita por pessoas treinadas e experientes;
Intratecal - Quando se desejam efeitos locais e rápidos nas meninges ou no eixo cérebro-espinhal, como na anestesia espinhal ou nas infecções agudas do SNC.
Intraperitoneal - Por essa via, os fármacos penetram rapidamente na circulação através da veia porta. Via utilizada para infusão do dialisador para diálise peritoneal.
Inalatória - os fármacos gasosos e voláteis podem ser inalados e absorvidos através do epitélio pulmonar e das mucosas do trato respiratório. As vantagens são a quase instantânea absorção para o sangue, ausência de perda hepática de primeira passagem e, no caso das doenças pulmonares, a aplicação local do fármaco no ponto de ação desejado.


Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Seja um colunista
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER