Análise de Estrutura de Capital

Análise de Estrutura de Capital
ADMINISTRACAO
Entende-se por Estrutura de Capital a junção entre o capital próprio e o total de recursos de terceiros que está sendo utilizado em um determinado momento histórico para financiar os ativos de uma organização. Então, com o passar do tempo, a composição desse capital se altera na medida do aumento ou da redução da participação do capital próprio ou do capital de terceiros dentro da estrutura da empresa. Segundo Mayo (2008), a alavancagem financeira ocorre “quando uma empresa assume contratos fixos para obter fundos”.

Por capital próprio entendem-se as ações ordinárias (que dão direito ao voto) e, segundo Amaral (2006), é composto essencialmente pelo capital social e pelos lucros retidos – que é o patrimônio líquido excluindo-se as ações preferenciais (que dão ao acionista a preferência na distribuição dos resultados, sob a forma de dividendos).

Capital de terceiros pode ser entendido pelas dívidas (bancárias e emissão de títulos) e pelas ações preferenciais – que apresentam um comportamento muito mais parecido ao das dívidas do que ao das ações, uma vez que deve-se distribuir uma parte dos resultados a elas.

Normalmente a organização busca a participação de terceiros em seu negócio por se tratar de uma forma mais barata de dívida do que as linhas de crédito disponíveis nas Instituições Financeiras. No entanto, a maior exposição ao capital de terceiros traz maior risco às operações por conta da volatilidade nesse tipo de participação, neutralizando tal vantagem de custos. Esse risco é conhecido como risco de negócio.

Há, também, outro importante risco no âmbito da estrutura de capital da empresa: o risco de inadimplência – ou, no termo em inglês, financial distress. Esse risco é o reflexo da quebra de confiança que o vendedor depositou sobre o comprador, já que esse último deixa de honrar com suas obrigações assumidas.

Limitações do indicador
As limitações do indicador são inerentes à estrutura que este demanda para que possa ser aferido em uma organização. Dessa forma tem-se o seguinte:

• Porte da organização e estrutura das informações: instituições de pequeno porte, ou que não tenham registro contábil atualizado e eficiente, ou que não apresentem um grau satisfatório de transparência e abertura de seus dados, podem representar uma barreira para a análise do indicador.

• Constituição da organização: há empresas que não permitem a participação de capital de terceiros, seja pelo seu porte – pequenas clínicas, escritórios de advocacia e de engenharia, por exemplo –, seja pelo seu fluxo de caixa inconstante ou qualquer outra característica que não a permita assumir compromissos fixos de endividamento.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER