CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

Desenvolvimento cognitivo do idoso

Artigo por Colunista Portal - Educação - terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Tamanho do texto: A A

O treinamento da memória pode beneficiar os idosos
O treinamento da memória pode beneficiar os idosos
Todas as medidas das funções cognitivas, decréscimos, são encontradas após os 70 anos. Perdas anteriores verificam-se em tarefas não exercitadas ou com um excesso de velocidade. Isso se reflete na maior parte dos testes de memória, ainda que adultos mais velhos sejam tão bons quanto adultos mais jovens, em tarefas mnemônicas em curto prazo e em algumas espécies de problemas mnemônicos familiares. A solução de problemas mostra um padrão similar, ainda que, mesmo em se tratando de material familiar, adultos mais velhos pareçam menos capazes de encontrar soluções variadas (BEE, 1997).


Mesmo na fase final da vida adulta, os adultos possuem capacidade de reserva, a capacidade de melhorar a performance em qualquer tarefa cognitiva, mediante treinamento, embora adultos mais jovens possuam mais capacidade de reserva. Alguns autores sugerem que os adultos mais velhos são mais sábios, porém as pesquisas estão apenas iniciando sobre essa questão (BEE, 1997).


Fatores físicos e psicológicos, bem como as condições dos testes, podem influenciar o desempenho nos testes de inteligência. As pesquisas transversais que mostram declínios podem refletir diferenças de geração mais do que de envelhecimento. Os estudos sequenciais de Schaie mostram que o funcionamento cognitivo na terceira idade é altamente variável. Poucas pessoas sofrem declínio em todas ou na maioria das áreas, e muitas se aperfeiçoam em algumas áreas (PAPALAIA & OLDS, 2006).


A inteligência fluída e, em menor grau, a inteligência cristalizada explicam mais da metade da variação na capacidade de realizar tarefas da vida diária. Os idosos mostram considerável plasticidade (modificabilidade) no desempenho cognitivo e podem ser beneficiados com treinamento. Baltes propõe um modelo de processo dual: a mecânica da inteligência muitas vezes declina, mas a pragmática da inteligência (pensamento prático, conhecimento e habilidades especializadas e sabedoria) pode continuar a crescer (PAPALAIA & OLDS, 2006).


Há uma grande quantidade de diferenças individuais quanto ao momento certo e o ritmo de todas as mudanças físicas e mentais descritas. No caso de alguns tipos de habilidades, algumas podem ser mantidas em seu maior pico até bem poucos anos antes da morte (a hipótese da queda terminal). No caso de outras, o declínio é mais gradativo (BEE, 1997).


Alguns aspectos da memória parecem quase tão eficientes nos adultos mais velhos quanto nos mais jovens, mas outros aspectos (principalmente a capacidade da memória de operação e a capacidade de recordar eventos específicos ou informações recém-adquiridas) são muitas vezes menos eficientes, possivelmente em função de problemas com a codificação, armazenamento e recuperação. As mudanças neurológicas, principalmente no hipocampo, bem como os declínios na rapidez perceptiva, podem explicar grande parte do declínio no funcionamento da memória em adultos mais velhos. A visão dos idosos do funcionamento de sua memória pode ser distorcida por expectativas estereotipadas. Em estudos laboratoriais, adultos mais velhos são menos inclinados do que adultos mais jovens a usar estratégias de codificação espontaneamente. O treinamento da memória pode beneficiar os idosos (PAPALAIA & OLDS, 2006).


O momento certo e o ritmo do declínio são afetados pela hereditariedade, pela saúde geral, pelos hábitos de saúde anteriores e atuais, especialmente o exercício físico e mental, e pela disponibilidade de apoio social adequado. Habilidades não utilizadas com regularidade evidenciam declínio mais rápido. Já com a continuidade da atividade mental, como nos programas de educação adulta, pode manter as pessoas mais velhas mentalmente alertas. (BEE, 1997).
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.