Apoio Matricial ou Matriciamento

O NASF funciona a partir da perspectiva de apoio matricial
O NASF funciona a partir da perspectiva de apoio matricial

Enfermagem

16/04/2013

O correto entendimento da expressão “apoio”, que é central na proposta dos NASFs, remete à compreensão de uma tecnologia de gestão denominada “apoio matricial”, que se complementa com o processo de trabalho em “equipes de referência”.

Equipes de referência representam um tipo de arranjo que busca mudar o padrão dominante de responsabilidade nas organizações: em vez das pessoas se responsabilizarem por atividades e procedimentos (geralmente uma responsabilidade quantitativa), o que se busca é construir a responsabilidade de pessoas por pessoas.

Ou seja, formar uma equipe em que os trabalhadores tenham uma clientela sob sua responsabilidade, por exemplo, uma equipe responsável por certo número de leitos em um hospital ou, como no caso da Equipe de Saúde da Família, a responsabilidade por uma clientela dentro de um território de abrangência.

Então, aqui é essencial ressaltarmos que, quando falamos de equipe de referência no Caderno, remetemo-nos à equipe de Saúde da Família, que é a referência de saúde para certa população na APS.

Uma definição de apoio matricial é dada da seguinte forma:

O apoio matricial é um arranjo organizacional que viabiliza o suporte técnico em áreas específicas para as equipes responsáveis pelo desenvolvimento de ações básicas de saúde” (MS, Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental, 2005).

O apoio matricial em saúde objetiva assegurar retaguarda especializada a equipe e profissionais encarregados da atenção a problemas de saúde” (CAMPOS e DOMITTI, 2007).

Dentro do Apoio Matricial, os profissionais (NASF e ESF) irão compartilhar os seus saberes, ampliando a resolução dos problemas mais comuns. O Apoio tem duas dimensões:

• Dimensão assistencial: é aquela que vai originar uma ação clínica direta com os usuários;
• Dimensão técnico-pedagógica: é aquela que vai gerar uma ação e apoio educativo com e para a equipe.

O que se pretende, quando a equipe ou profissional de apoio matricial (do NASF) se encontra com a equipe de referência, é que o apoio matricial auxilie a equipe de referência na formulação/reformulação e execução de um projeto terapêutico singular para um sujeito individual ou coletivo, que necessita de uma intervenção em saúde, com a qual a equipe de referência teve dificuldade.

Este processo contribui para a organização de uma linha de cuidado contínua, rompendo com a fragmentação do cuidado, que prejudica a integralidade da atenção (CAVALHEIRO, 2009).

O NASF funciona a partir da perspectiva de apoio matricial, ou seja, o conjunto de profissionais contribui com suas especialidades e experiências para complementar a equipe de referência – no caso, a equipe multiprofissional de saúde da família – e promover, em parceria, estratégias de intervenção e compartilhamento da responsabilidade pela clientela atendida.
A perspectiva interdisciplinar favorece a criatividade dos profissionais envolvidos na construção dos dispositivos na atenção básica (BRASIL, 2009).

A rigor, as equipes do NASF terão dois tipos de responsabilidades: sobre a população e sobre a Equipe de Saúde da Família. Seu desempenho deverá ser avaliado não só por indicadores de resultado para a população, mas também por indicadores de resultado da sua ação na equipe.

Exemplo: um indicador importante do resultado do trabalho de apoio de um psicólogo a uma Equipe de Saúde da Família é a diminuição de pedidos de encaminhamentos (melhor designados agora como “compartilhamento”) de transtornos de ansiedade.

Esses indicadores de resultados na população e na equipe devem ser constantemente acompanhados e, se for o caso, reprogramados. Ou seja, a maior parte dos indicadores de resultado ajustados com equipes e com os profissionais do NASF é transitória.

O conceito de apoio matricial e mais ainda sua prática constituem aspectos relativamente novos no âmbito do SUS.

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.


Colunista Portal - Educação

por Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.

Portal Educação

PORTAL DA EDUCAÇÃO S/A - CNPJ: 04.670.765/0001-90 - Inscrição Estadual: 283.797.118 - Rua Sete de Setembro, 1.686 - Campo Grande - MS - CEP 79002-130