O papel do enfermeiro da atenção básica a saúde no combate da dengue

Mosquito Aedes aegypti
Mosquito Aedes aegypti

Enfermagem

27/12/2012

 RESUMO

A dengue é uma doença viral, causada pelo mosquito Aedes aegypti. A fêmea infectada pelo vírus, é a responsável pela transmissão da doença, que tornou-se uma das maiores preocupações de saúde publica e sanitária do pais. Desafios atuais para o combate da doença estão associados ao aumento da população e a divulgação da doença. O objetivo deste artigo é destacar o papel do enfermeiro na atenção básica a saúde, como educador em saúde no combate a dengue. Para isso foi realizada uma pesquisa bibliográfica, pois tendo o enfermeiro um importante papel como educador, através da promoção de saúde, que almeja a mudança de comportamento da população, levando em consideração aspectos culturais e o conhecimento popular, pois só assim teremos um resultado positivo no combate a esta doença que tem causado um grande impacto econômico no país.



1. INTRODUÇÃO


A dengue é uma doença viral, causada pelo mosquito Aedes aegypti. É conhecida desde o século XVIII onde relatos pós-epidemia da África, Ásia e América do Norte, relatam a doença como quebra-ossos, devido aos sintomas apresentados, como febre, dor nos ossos e nas articulações 1


No Brasil a primeira epidemia de dengue foi registrada em Roraima no ano de 1982, com um registro de 11 mil casos. Em 2009 houve um novo surto da doença com a confirmação de 2.271 casos de dengue hemorrágica, sendo 151 óbitos confirmados. Atualmente a dengue é uma das doenças de maior incidência, e tornou-se uma das maiores preocupações de saúde publica e sanitária do país. 2, 3, 4


Na Argentina após a epidemia de 2009, adotaram-se novas políticas de saúde, que foram implantadas para o controle da doença. Já na Tailândia vem sendo realizados programas baseados na educação em saúde, e no treinamento de seus profissionais, como uma forma de tentar diminuir os casos de dengue no país 5, 6


O mosquito Aedes Aegypti, mede menos de 1 cm, possui coloração cor de café, com listras brancas no corpo e nas pernas, a fêmea infectada pelo vírus, é a responsável pela transmissão da doença, e chega a colocar em media 150 a 200 ovos de cada vez, em locais aonde se acumula a água limpa e suja. 1


Existem quatro sorotipos para dengue, DEN-1, DEN-2, DEN-3, DEN-4, sendo que no Brasil prevalecem os três primeiros tipos. Desde o dia 27/01/2011 os casos graves e de morte por dengue devem ser notificados em ate 24 horas, para identificar precocemente o comportamento epidemiológico da doença. 1, 6, 7

É importante saber que cada infestação da dengue que surge, as pessoas que são infectadas adquirem imunidade sobre aquele sorotipo que entrou em contato 8


Os desafios atuais para o combate da doença estão associados ao aumento da população que dobrou entre os anos de 1970 a 2000, associado com alguns problemas relacionados ao abastecimento da água e saneamento básico. As epidemias de dengue têm grande impacto na econômica do país, devido suas repercussões negativas no turismo, trazendo consequências também para a saúde pública, causadas pela grande demanda e procura de atendimento médico. 9, 10


O conhecimento da população sobre a doença não são efetivos. Em uma pesquisa realizada, a televisão foi citada como a principal fonte de informação, porem as falhas encontradas sobre a divulgação e informação da dengue torna o seu controle mais difícil. Somente no período de verão são encontradas informações sobre a doença, construindo uma falsa ideia que a dengue ocorre somente nesta fase do ano. 2, 11, 12


A participação da população é indispensável para o controle da dengue, embora os populares tenham em mente que a sua participação ocorre somente com a abertura de suas casas para a inspeção realizada pelos agentes sanitários, achando que as medidas de prevenção da doença são de obrigação exclusiva do governo. 11, 12


Ao se deparar com manifestações clínicas especificas da doença, tais como: febre, cefaleia, adinamia, mialgia, artralgia, dor retro orbital, anorexia, náusea, vômitos, diarreia e dor abdominal, deve ser solicitado exames de sangue específicos como hemograma e sorologia para dengue. 3 , 4, 13, 14


As alterações de função hepática como o aumento da transaminases, podem indicar uma hepatite reativa, causada pelo vírus Aedes aegypti; pacientes que se queixam de dor abdominal normalmente apresentam este tipo de patologia. 3, 13


Neste contexto geral sobre o tema, o enfermeiro que realiza o seu exercício profissional na atenção básica à saúde tem o papel principal de orientador e educador da população, a fim de sensibilizá-los sobre a importância de medidas de prevenção realizadas de forma individual e coletiva para o controle da doença. 13, 15, 16


Compete ainda ao enfermeiro, papéis importantes como, o de classificador de riscos em situações de urgência e emergência, o de vigiador de saúde da população, como forma de evitar novos casos, e o assistencial no tratamento de casos suspeitos e confirmados. 8


Os estudos sobre uma possível vacina para o controle da dengue já estão sendo realizados; a vacina tetravalente deverá ser contra os quatro tipos existentes de dengue. A expectativa é que nos próximos anos a vacina estará disponível. 15


Levando em consideração o impacto na saúde publica que é causado pela dengue, observou-se que o enfermeiro na atenção básica a saúde tem um papel fundamental no controle da doença. Portanto faz-se necessário a ampliação de investimentos nesta área para que haja multiplicação das informações e um maior controle na incidência de casos de dengue no Brasil.
2. OBJETIVO

Destacar o papel do enfermeiro na atenção básica a saúde, como educador em saúde no combate a dengue.


3. MATERIAL E METODO

Realizou-se uma revisão bibliográfica da literatura cientifica direcionada ao papel do enfermeiro na atenção básica a saúde, destacando o sua atribuição de educador da comunidade. Utilizou-se a biblioteca virtual de saúde (BVS), o banco de dados da Scientific Library Online (Scielo), literatura latino americano e do caribe em ciências da saúde (Lilacs), o site do Ministério da saúde no combate a dengue, Conselho regional de enfermagem de Goiás (COREN – GO), Conselho regional de enfermagem do Mato Grosso (COREN – MT) e secretaria da saúde de São Paulo, através dos descritores: dengue, enfermeiro, atenção básica a saúde e educação. Foram encontrados um total de 579 artigos publicados entre os anos de 2008 a 2012. Após uma revisão detalhada dos artigos encontrados foram selecionados 23 artigos científicos, que tinham relevância para o estudo.



4. DESENVOLVIMENTO

Um dos pontos críticos na luta contra a dengue tem sido evitar a formação de novos criadouros da doença. Atualmente o Brasil esta passando por um crescimento populacional desorganizado, que acaba se refletindo na urbanização inadequada das pessoas em áreas que não possuem saneamento básico adequado, aumentando a exposição de água limpa e suja, que são os locais escolhidos pelo mosquito Aedes aegypti para sua reprodução. 1,9


Sendo a atenção básica a saúde uma estratégia para promover mudanças na pratica de saúde, o enfermeiro desempenha o seu papel como educador, através da promoção de saúde, melhorando a qualidade de vida da população. 17, 18


A educação em saúde é a combinação da promoção de saúde, e da pratica do que foi aprendido, com o objetivo de buscar autonomia da comunidade para resolução dos problemas encontrados. Em 1970 iniciou o envolvimento da população nos processos educativos de saúde, já que a educação é vista como um dos principais meios de promover saúde. 18, 19


O profissional de saúde deve ser um educador, que almeja a mudança de comportamento da população que esta sendo assistida por ele, afim de realizar uma transformação da realidade que esta instituída naquele momento. 2


A forma utilizada pelo enfermeiro para falar com a população deve ser de forma clara objetiva sem a utilização de termos técnicos, incentivando a população a por em pratica o que foi apreendido, pois a principal forma de combate a dengue são informações eficientes e continuas durante todo o ano sobre as formas de prevenção da doença. 2, 6, 9, 12, 13, 15 As trocas de experiências entre o educador e o educando são essenciais, tendo em vista a importância da integralidade entre as equipes de saúde e a população. O enfermeiro da atenção básica a saúde deve acreditar no saber da população, para que juntos possam por em pratica o que esta sendo proposto. 20, 2


Uma das dificuldades encontradas pelos enfermeiros ao promover o combate da dengue, esta relacionado a população acreditar em uma assistência de saúde que é baseada no modelo curativo e não no modelo assistencial que tem como objetivo a promoção de saúde. 19


Esta aceitação da população esta baseada na sua cultura, que nada mais é do que um conceito já definido, o enfermeiro deve ter conhecimento sobre o que envolve a cultura daquela população, para a partir dai traçar as sua metas no combate da doença. 22


Segundo Maria Gloria Teixeira, professora da Universidade Federal da Bahia, um dos motivos para a população não colocar em pratica o que foi aprendido sobre a dengue, esta relacionado a forma como estas informações são passadas, uma vez que a população se sente criticada e em alguns casos ate mesmo condenada por seus hábitos, como por exemplo o armazenamento de vasos decorativos ou para fins religiosos, entre outros. 23


Os profissionais de saúde têm que ter em mente que nos casos de dengue, o diagnostico deve ser imediato. O enfermeiro ao se deparar com sinais e sintomas específicos da doença, tais como; febre alta associada a cefaleia, dores musculares, dor retro – orbital, náusea, vômito, diarreia e dor abdominal devem providenciar exames de sangue específicos como hemograma e sorologia para a dengue, se atentando para pacientes que se queixam de dor abdominal que podem estar apresentando hepatite reativa ao mosquito Aedes aegypti. 3, 12, 13, 14, 24


Tendo em vista a importância do enfermeiro na atenção básica à saúde no Brasil, o Ministério da Saúde promoveu uma capacitação para enfermeiros direcionados a assistência do paciente com dengue. Em Oregon nos Estados Unidos da América, foram implantados sistemas de internet com softwares específicos para saúde publica, para facilitar o aprendizado dos enfermeiros, pois trabalhavam em áreas rurais longe das capitais onde eram realizado os cursos de capacitação. 25, 26


Em 2002 foi implantado em âmbito nacional o PNCD (Programa Nacional de Controle da Dengue), com a finalidade de diminuir as incidências da doença no país. Em 2005 foi realizada uma pesquisa no município de São Paulo para se saber os custos financeiros do programa, e o impacto econômico gerado pela dengue. Os resultados mostraram que neste ano a dengue custou para o estado o valor de R$ 21 774 282, 81 reais, gastos com a utilização de equipamentos, materiais biológicos para realização de exames, pulverizadores entre outros, mesmo assim o impacto econômico da doença ainda não é totalmente conhecido. 27


A utilização de pulverizadores, por exemplo, tem sido associada ao surgimento de novos sorotipos de dengue, por causar resistência do mosquito, e como um grande agressor ao meio ambiente e a população. 28 Dentro do PNCD o enfermeiro deve dar capacitação às equipes de saúde, realizar a divulgação, o treinamento e a orientação da população. As praticas educativas quando bem desenvolvidas trazem excelentes resultados. 20, 24


Na Bahia iniciou – se um projeto que reúne as equipes multiprofissionais e a população para combater a dengue. O enfermeiro realiza caminhadas com os populares a procura de viveiro do mosquito, realiza a entrega de panfletos explicativos, faz palestras em salas de espera nas unidades básicas de saúde, e em conjunto com escolas do município realizam peças de teatro sobre a dengue. A iniciativa tem como meta levar o máximo de informação possível sobre a doença para a população. 29


A escola é um ponto de partida para o controle da doença, ao iniciar educação voltada a saúde publica, realiza – se educação em saúde. A prefeitura Municipal de Campina – SP, ofereceu treinamento para os professores, com os enfermeiros da atenção básica a saúde, onde foi explicado todo o processo da dengue, também foi entregue kits para serem utilizados em sala de aula, após 2 anos do projeto notou -se uma diminuição dos casos de dengue na região onde foi realizado o treinamento. 28


Em Vitoria - ES, o projeto aprendendo saúde na escola, direcionado e supervisionado por enfermeiros do município, leva até as escolas palestras explicativas durante todos os anos sobre a dengue, além de realizar gincanas e conscientizar os participantes do seu papel como controladores da doença. 30


Em Cuba enfermeiros da atenção básica a saúde, realizaram um questionário com a população para avaliar o conhecimento deles sobre a dengue. Após o resultado foram feitas palestras de educação em saúde, onde se obteve resultados positivos, com a diminuição dos casos no país. 31


O enfermeiro da atenção básica a saúde encontrara em seu caminho dificuldades em relação a pratica de educação da população, e a sua aderência as medidas de prevenção da dengue. Cabe ao profissional utilizar estratégias que facilitem o entendimento popular sobre as medidas de prevenção e controle da doença, pois práticas educativas diminuem a exclusão social e tornam a população mais participativa no que diz respeito a prevenção da dengue.19, 20, 22


5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A dengue é considerada um problema de saúde publica no Brasil. O enfermeiro na atenção básica a saúde é um importante aliado da população no combate a doença. Tendo em vista o impacto econômico causado pela dengue, com a utilização de recursos para o tratamento, é indispensável ressaltar que se houvesse mais investimento na educação em saúde, como por exemplo, cursos de aprimoramento para profissionais de saúde, investimento em recursos materiais e informativos, haveria menos gastos com a recuperação da doença. Educar a população não é fácil, tendo em vista as dificuldades que tem que se enfrentar como barreiras culturais e econômicas, mais é a maneira mais eficaz de combater a doença. O enfermeiro na atenção básica possui um papel primordial para combater a dengue, pois somente através de uma educação de qualidade, da conscientização da população e de colocar seu conhecimento em pratica, é que teremos um resultado positivo no combate da dengue. 6. REFERÊNCIAS

1. Bento PS, Freitas L. Os agravantes e o recrudescimento das doenças (re) emergenciais no Brasil: Implicações para a enfermagem. Proficiência, 2010.

2. Silva LB, Soares SM, Fernandes MTO, Aquino AL. Comunicação sazonal sobre a dengue em grupos socioeducativos na atenção primaria à saúde. Rev. Saúde Publica 2011 45(6). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000077.

3. Vita WP, Nicolai CCA, Azevedo MB, Souza MF, Barran M. Dengue: Alertas clínicos e laboratoriais da evolução grave da doença. Rev. Bras. Clin. Med. 2009, 7: 11 – 14. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2009/v7n1/a11-14.pdf

4. Mendonça FA, Souza AV, Dutra DA. Saúde pública, urbanização e dengue no Brasil, Rev. soc. e nat. 2009 21(3) 257 – 269. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S198245132009000300003&lng=en&nrm=iso>. ISSN 19824513. http://dx.doi.org/10.1590/S1982-45132009000300003.

5. Conselho Regional de enfermagem do estado de Goiás - COREN-GO (Online). Goiás, Brasil. (capturado em 23 Março de 2012). Disponível: http://site.portalcofen.gov.br/node/6216

6. Conselho Regional de enfermagem do estado de Goiás - COREN-GO (online). Goiás, Brasil. (capturado em 23 de Março de 2012). Disponível em: www.corengo.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=418:leia-o-artigo-leia-o-artigo-o-papel-do-enfermeiro-na-luta-contra-a-dengue&catid=37:slider-frontal

7. Santos SL, Cabral ACSP, Augusto LGS. Conhecimento, atitude e prática sobre dengue, seu vetor e ações de controle em uma comunidade urbana do Nordeste. Ciênc. saúde coletiva, 2011, 1319 – 1330, Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700066&lng=en. http://dx.doi.org/10. 1590/S1413-81232011000700066.

8. Ferreira ITRN, Veras MASM, Silva RA. Participação da população no controle da dengue: uma análise da sensibilidade dos planos de saúde de municípios do Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2009. 25 (12). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2009001200015&lng=en&nrm=isohttp://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001200015

9. Coelho EG, Dengue: desafios atuais. Epidemiol. Serv. Saúde. 2008, 17(3): 231-233. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742008000300008&lng=pt. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742008000300008.

10. Jardim JB, Schall VT. Prevenção da dengue: a proficiência em foco. Cad. Saúde Pública. 2009, 25(11): 2529-2530. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2009001100023&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001100023.

11. Nagao Y, Koelle K. Decreases in dengue transmission may act to increase the incidence of dengue hemorrhagic fever. PNAS 2008, 105(6) 2238 – 2243. Disponível em: www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.0709029105.
12. Zambrini DAB. Lecciones desatendidas entorno a la epidemia de dengue en Argentina. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 2009 v. 45, n. 2. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102011000200023&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 10 abr. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000200023.

13. Brasil MS. Dengue: manual de enfermagem – adulto e criança. Editora MS. 2008

14. Brasil MS. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose 2° ed. 2008

15. Combate a dengue do Ministério da saúde – Brasil. Disponível em: http://www.combateadengue.com.br/

16. Sales FMS. Ações de educação em saúde para prevenção e controle da dengue: um estudo em Icaraí, Caucaia, Ceará. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2008, 13, (1).Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232008000100022&lng=en&nrm=iso>.http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000100022.


17. Matumoto S, Fortuna MC, Kawata SL, Michima SM, Pereira MJB. A prática clínica do enfermeiro na atenção básica: um processo em construção. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2011, 19(1): 123-130. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692011000100017&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000100017.



18. Carneiro ACLL, Souza V, Godinho LK, Faria ICM, Silvia KL, Gazzinelli MF. Educação para a promoção da saúde no contexto da atenção primária. Rev. Panam. Salud Publica, 2012. 31(2): 115-120. Available from: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S102049892012000200004&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892012000200004

19. Roecker S, Budo MLD, Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, 2012, v. 46, n. 3, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008062342012000300016&lng=en&nrm=iso>. access on 08 Sept. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000300016

20. Rocha NC, Costa IR, Silva LF, Macedo ARM, Melo AVF. Cuidado critico e criativo: contribuições da educação consientizadora de Paulo Freire para a enfermagem. Cienc. enferm. 2009. 15(2): 35-40. Disponível em: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-95532009000200005&lng=es. doi: 10.4067/S0717-95532009000200005.



21. Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc. saúde coletiva . 2007. 12(2): 335-342. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232007000200009&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200009.

22. Boehs AE, Monticelli M, Wosny AM, Heidemann IBS, Grisotti M, A interface necessária entre enfermagem, educação em saúde e o conceito de cultura. Texto contexto – enferm, 2007. 16(2): 307-314. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072007000200014&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000200014.


23. Teixeira MG. Controle do dengue: importância da articulação de conhecimentos transdisciplinares. Interface (Botucatu). 2008. 12(25): 442-444. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832008000200019&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832008000200019.

24. Conselho regional de enfermagem do Mato Grosso – COREN MT (online) Mato Grosso. Disponível em: http://www.coren-mt.com.br/informativo/215/BI31-p3.pdf

25. Secretaria de vigilância em saúde do Ministério da saúde. (online). Brasil. Disponível em: http://189.28.128.179:8080/svs_informa/edicao-72-abril-de-2010/enfermeirosrecebemcapacitacao-para-assistencia-do-paciente-com-dengue


26. Turner AM, Stavri Z, Revere D, Altamore R, From the ground up: information needs of nurses in a rural public health department in Oregon. J Med. Libr. Assoc. 2008. 96(4): 335–342. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2568844/

27. Taliberti H, Zucchi P. Custos diretos do programa de prevenção e controle da dengue no Município de São Paulo em 2005. Rev. Panam. Salud Publica, 2010. 27(3): 175-180. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892010000300004&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892010000300004


28. Brassolatti CR, Andrade CFS. Avaliação de uma intervenção educativa na prevenção da dengue. Ciênc. saúde coletiva, 2002. 7(2): 243-251. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232002000200005&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000200005.



29. Ferreira VS, Barreto RLM, Oliveira EK, Ferreira PRF, Santos LPS, Marques VEA, et al. PET-Saúde: uma experiência prática de integração ensino-serviço-comunidade. Rev. bras. educ. med., 2012 36(1),. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022012000300021&lng=en&nrm=iso>. access on 30 Sept. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000300021



30. Maciel ELN, Oliveira CB, Frenchiani JM, Sales CMM, Brotto LDA, Araujo MD. Projeto Aprendendo Saúde na Escola: a experiência de repercussões positivas na qualidade de vida e determinantes da saúde de membros de uma comunidade escolar em Vitória, Espírito Santo. Ciênc. saúde coletiva. 2010. 15(2): 389-396. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232010000200014&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200014



31. Rodrigues HOL, Abregu SCA, Espindola AA, Castañeda AS. Estratégia de intervención sobre Dengue. AMC. 2010. 14(3). Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1025-02552010000300014&lng=es.

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.


Michelly Nery de Souza

por Michelly Nery de Souza

Michelly Nery de Souza - Enfermeira - Formada pela Universidade Nove de Julho - Uninove - Ano de 2012 Email: michellynery@hotmail.com

Portal Educação

PORTAL DA EDUCAÇÃO S/A - CNPJ: 04.670.765/0001-90 - Inscrição Estadual: 283.797.118 - Rua Sete de Setembro, 1.686 - Campo Grande - MS - CEP 79002-130