Histórico do Desenvolvimento da Infância desde a Idade Média até os dias de hoje

Histórico do Desenvolvimento da Infância desde a Idade Média até os dias de hoje
PSICOLOGIA

Para compreendermos a importância do estudo da psicologia do desenvolvimento humano, é importante entendermos como ocorreu na história o desenvolvimento da infância até os dias de hoje.

Segundo ARIÈS (1981) na Idade Média (476-1453), considerava-se a infância como um período caracterizado pela inexperiência, dependência e incapacidade de corresponder a demandas sociais mais complexas. A criança era vista como um adulto em miniatura e, por isso, trabalhava nos mesmos locais, usava as mesmas roupas, era tratada da mesma forma que o adulto.

Sem o estabelecimento das diferenças entre adulto e criança, restava para ela o aprendizado das tarefas do dia a dia. Para tal, eram criadas por outras famílias, para que morassem, iniciassem suas vidas e, nesse novo ambiente, aprendessem um ofício. Dessa maneira, a passagem da criança pela própria família era muito breve e as comunicações sociais e as trocas afetivas eram realizadas fora do círculo familiar num composto de homens, mulheres, vizinhos, amos e criados, velhos e crianças.

Pouco depois que a criança passava do período de amamentação, se tornava a companheira natural do adulto. Para a época, formar uma pessoa responsável era formar alguém para servir, ou seja, as crianças aprendiam o que deviam saber ajudando os adultos, por intermédio do trabalho. O trabalho era uma imposição a todos.

No início do século XVII, no período denominado Renascimento, a estrutura de ensino é um identificador da ausência de um conceito específico para infância. Não havia instituição escolar e os educadores ministravam aulas em lugares públicos, igrejas, mercados, praças, etc., para grupos de estudantes que não se dividiam por idade.

Uma vez que não existia essa diferenciação e nem separação de conteúdo para mais velhos ou mais jovens, verificava-se um aprendizado da vida, a partir da convivência direta e cotidiana, entre eles. A aprendizagem continuaria se fazendo a partir da convivência da criança ou do jovem com os adultos e, por isso, ainda não se verifica a existência de um padrão de educação infantil. “A criança era, portanto, diferente do homem, mas apenas no tamanho e na força, enquanto as outras características permaneciam iguais” (ARIÈS, 1981, p.14).

No decorrer do século XVII, percebe-se o início do processo de escolarização, por meio do surgimento da escola e com ele o início do que mais adiante seria chamado de turma ou série. Neste momento, as crianças foram separadas dos adultos e enclausuradas em espaços, chamados de quarentena.

Mesmo com o aparecimento dessas instituições, o conceito de infância ainda não era claro, não se constituíam etapas de desenvolvimento nem concepção de aquisição de responsabilidade como um processo educacional. Foi no fim daquele século, que o conceito de infância começou a mudar, em decorrência da Igreja, da família no processo de escolarização, das descobertas sobre as práticas de higiene e de vacinação, que aumentaram a expectativa de vida.

Sob a pressão das tendências reformadoras da Igreja, a criança começou a ser valorizada. Por meio da arte, da iconografia (arte de representar imagens) e da religião (no culto dos mortos), passou-se admitir a existência de uma personalidade e o sentido poético e familiar atribuído à particularidade da criança (ARIÈS, 1981).

A Igreja teve fundamental importância, na época, ao associar a imagem das crianças com a de anjos, sinônimo de inocência e pureza divina. Segundo a Igreja, Deus favorece as crianças devido à sua singeleza, que se aproxima muito de sua impecabilidade, impondo uma necessidade de se amar as crianças e colocar a educação na primeira fileira das obrigações humanas, contrariando a indiferença de outrora.

A Igreja também tinha intenção de fazer com que as crianças se dedicassem a catequese, que era uma espécie de escola em que se aprendia a religião católica e uma preparação para novos cristãos, por meio da primeira comunhão e crisma. Consequentemente propunha uma educação geral sob os princípios religiosos. Pode-se dizer que é o início de uma sistematização que vai além do aprender uma atividade do dia a dia.

A partir daí, a iconografia começou a ser demonstrada na figura de crianças-anjos, estabelecendo uma religião para as crianças (ARIÈS, 1981, p.14). Uma nova devoção lhes foi praticamente reservada – a devoção do anjo da guarda. A intenção das imagens era demonstrar que os anjos preferem a “suavidade” das crianças à “revolta dos homens”.

Tal postura fez com que o final do século XVII fosse considerado o marco na evolução dos sentimentos em relação à infância, origem de uma preocupação com a formação moral da criança e com sua construção como indivíduo. Foi nesta época que se começou realmente a falar na fragilidade da infância.

Então, a partir do século XVIII, as crianças começaram a ser reconhecida em suas particularidades, obtendo o seu próprio quarto, alimentação considerada específica e adequada, ocupando um espaço maior no meio social. Nascia a concepção de infância.

Antes, como se viu, a infância era considerada um período de transição sem importância. Agora a família começa a dar ênfase ao sentimento que tem em relação à criança.

Constata-se uma evolução na percepção e, consequentemente, no sentimento dirigido à criança. Ela é posta em evidência, ‘paparicada’ pela família e a infância é reconhecida como uma época da vida merecedora de orientação e educação. Esses sentimentos se encontram relacionados com a preocupação relativa à saúde física e higiene, provocando uma redução da mortalidade infantil, reinantes no século XVII.

Esses elementos ganham peso com a denúncia de Rousseau , em seu livro intitulado Emilio (1972), do tratamento duro dado às crianças até então. Constata-se que esses fatores de assistência à criança vêm-se mantendo até o nosso século, sofrendo mudanças gradativas influenciadas pela própria evolução socioeconômica cultural.

Nesse sentido, a educação da criança, passa a ser estimulada na orientação educacional e na realização dos princípios básicos da Igreja Católica, e não mais na estrutura familiar de servir os adultos como se verificava na Idade Média. Pode-se dizer que, enquanto na sociedade medieval a responsabilidade da criança era influenciada pela precocidade da passagem para idade adulta, por meio do trabalho, no Renascimento é destacado o início do processo de escolarização infantil.

Com a evolução da tecnologia, durante o século XIX, vai se delimitando, mais claramente, as diferenças do tratamento escolar da criança burguesa e da criança proletária. Como consequência da Revolução Industrial, algumas mulheres entraram no mercado de trabalho, deixando de se dedicar exclusivamente à família. Praticamente todos os integrantes da família proletária estavam no mercado, inclusive as crianças. Logo, percebem-se mais uma forte característica que confirma as diferenças entre as classes sociais. Essa diferença de classe social que se verifica além da educação, é uma característica que se iniciou desde a Revolução Industrial até os dias de hoje.

No século XX, o ser humano ocidental se deu conta de que a história não se resume no fluxo das continuidades, as possibilidades descobertas em decorrência do surpreendente avanço científico-tecnológico, quebram padrões muito rapidamente, gerando tensões e rupturas. Tanto é assim que esse século provoca a impressão do início de uma época completamente diferente na história da humanidade. O desenrolar dos acontecimentos nesse período levou o mundo a um intenso processo denominado globalização.

A globalização, que é o novo ciclo de expansão do capitalismo, desafia práticas e ideais, instiga o surgimento de pensamentos e voos da imaginação. É o destino irremediável do mundo, um processo irreversível, que afeta a todos na mesma medida e da mesma maneira. “A Globalização está na ordem do dia; uma palavra da moda que se transforma rapidamente em um lema, uma encantação mágica, uma senha capaz de abrir as portas de todos os mistérios presentes e futuros” (BAUMAN, 2004, p. 7).

No final do século XX e início do século XXI, a revolução é a da informática. O computador passa a ser o principal centro de comando da globalização, de forma que tudo gira em torno do sistema de informatização. Os sistemas de comunicação eliminam as distâncias e as relações entre as pessoas desconhecem fronteiras, exigindo um estilo de vida mais dinâmico e adaptado as constantes mudanças provocadas pela impressionante velocidade da produção de conhecimento (IANNI, 2000).

A alfabetização, que nos séculos anteriores era requisito principal que abria portas para uma vida de qualidade superior e era o foco principal da educação, agora é apenas uma das inúmeras habilidades que o ser humano necessita para mover-se socialmente. A educação do século XXI pressupõe uma consciência global, o que demanda conhecimento, além da alfabetização, das novas tecnologias e sistemas de comunicação, economia e política sempre em nível mundial. Isso requer uma preparação técnica mais especializada e exige da criança maior dedicação nessa preparação para futuramente estar apta ao mercado de trabalho.

O que acaba por levar pais a impor uma série de atividades durante o dia para as crianças, como balé, futebol, natação, etc., deixando de lado o direito de escolha dessas crianças. Seu tempo acaba sendo escasso, invadido por adultos, resultando em uma perda de contato da criança com ela mesma, uma alienação que a faz liberar, de maneira desordenada, a energia que assim se acumula.

Isso contribui para que a criança se torne submissa ao que os instrutores dessas diferentes atividades consideram melhor, privando-se da oportunidade de explorar livremente os próprios desejos e impulsos. Mas, é preciso deixar claro que, isso acontece, não propriamente por culpa dos pais, pois eles desejam o melhor para seus filhos. Os pais agem dessa forma, para que as crianças possam acompanhar o mundo e para que possam sobreviver no futuro.

Quantas vezes o adulto diz “não pode”, sem refletir e esquece logo; não tem ideia de quanto sofrimento causou para a criança. Por que “não pode”? Digam o porquê. Por que têm receio de que aconteça algo com a criança, ou porque querem ser deixados em paz, ou porque aquilo que pedimos lhes parece desnecessário, ou o que mais? Mas é tão raro a criança ser dona de alguma coisa pra valer. Dizem que a roupa é minha, mas quem comprou foram os pais. Temos de dar satisfação pelos livros e pelos cadernos em casa e na escola. Qualquer um se acha no direito de abri-los, olhar e dar palpites (CARVALHO, 1996, p.16).

Observa-se que uma das principais missões do século atual é justamente a educação. Porque é dela que o indivíduo nasce, cresce e se desenvolve buscando seu objetivo no futuro. Por isso, na medida em que o mundo avança, percebe-se que a educação precisa acompanhá-lo, de forma coerente e lógica.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira os cursos de Psicologia do Desenvolvimento e Psicopatologia da Infância e da Adolescência, e utilize o certificado dos cursos para complementar suas atividades acadêmicas.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER