Dicas importantes de como se portar à mesa

Dicas importantes de como se portar à mesa
COTIDIANO
As dicas que se seguem nesse momento são válidas para aqueles que querem ingressar no mundo da etiqueta e realmente “fazer bonito” em uma refeição. Mas, é necessário salientar que dependendo do grau de formalidade da ocasião e da intimidade que se tem com a companhia, essas normas podem ser mais ou menos flexíveis. No entanto, lembre-se: na dúvida, pratique todas! Excesso de cerimônia e educação nunca é gafe e é bem melhor ficar falado por ser educado demais do que por não saber se portar.

Aparelhos de celular, bips ou qualquer outra coisa que puder tocar inesperadamente devem estar desligados na hora da refeição. Se você é médico ou está esperando alguma ligação realmente urgente, deixe seu telefone no silencioso. Caso ele chame e você precise muito atender, peça licença aos companheiros de mesa e se retire antes de responder a ligação.

Mas, cuidado: se isso for acontecer de cinco em cinco minutos e você for ficar mais tempo ao telefone que à mesa, é melhor cancelar o almoço e se dedicar ao celular. Atender ao telefone à mesa e fazer com que todos escutem sua conversa é o fim!

A etiqueta começa na própria postura. Procure sentar-se corretamente, nem muito colado à mesa, nem muito afastado, com a coluna reta. Isso, além de ser elegante, ajuda na própria digestão. Mantenha a postura correta durante toda a refeição, afinal, a comida deve ser levada à boca e nunca o contrário.

Os restaurantes devem possuir um espaço correto entre suas mesas para que um cliente não incomode o outro que está atrás. No entanto, se você está acima do peso e precisa de mais espaço que o normal, procure um lugar que lhe permita esse conforto.

Ao sentar ou levantar, cuidado para não empurrar o cliente que está atrás de você. Não há nada mais desagradável do que levar trancos na hora da refeição.

Assim que sentar-se, pegue o guardanapo e ponha-o sobre o colo dobrado apenas no meio. Ele deve ser usado antes ou depois de ingerir qualquer líquido e todas as outras vezes que julgar necessário. Não mude os utensílios de lugar, em hipótese alguma. Já vimos que cada objeto tem seu lugar correto, portanto, respeite a mise-en-place que foi montada.

Aliás, apesar de pouco usado, há um detalhe que deve ser exposto: não se assuste se você encontrar talheres dispostos de cabeça para baixo. Esse hábito surgiu, há muito tempo, na Europa, em países onde havia realeza. Os cabos dos talheres eram gravados com as iniciais da família e, por isso, eram colocados ao contrário. Hoje, é raríssimo, mas pode acontecer em famílias mais tradicionais, que ofereçam jantares extremamente formais. Mesmo assim, continua valendo a regra: não mude nada de lugar!

Nunca limpe copos, pratos ou talheres com seu guardanapo, em uma demonstração explícita de falta de confiança na higiene do restaurante. Se algo lhe parecer inadequado, simplesmente, solicite ao garçom que o item seja trocado. E faça isso discretamente, não é necessário comentar a desagradável situação com os demais ou muito menos falar alto para que clientes de outras mesas escutem. Se a situação for muito grave, ao final da refeição procure o gerente ou responsável pelo estabelecimento e faça uma reclamação formal, mas discreta.

Mantenha sempre as mãos sobre a mesa apoiando os punhos na mesma. Em refeições mais informais, até se pode colocar os cotovelos na mesa, mas apenas quando não tiverem pratos sobre ela, como na conversa ao fim do encontro, por exemplo.

Ao comer, tente abrir os braços o mínimo possível, para não invadir o espaço do companheiro ao lado. Mas, atenção, também não precisa colar os cotovelos no corpo, como se estivesse imobilizado por uma camisa de força. Além de ser meio ridículo, os movimentos impedidos podem te levar a situações mais constrangedoras, como derramar algo ou deixar cair um talher... O bom senso é o segredo da etiqueta.

Falando em situações constrangedoras, nunca pegue nada que caia no chão. Caso isso aconteça, apenas peça outro item ao garçom. Derrubar um talher ou um guardanapo não é muito bonito, mas ir embaixo da mesa buscá-lo já é horroroso!

Para chamar o garçom (ou maître) faça apenas um gesto levantando a mão. Nada de fazer “psius”, assoviar ou estalar de dedos.

É permitido, sem nenhum problema, esclarecer dúvidas sobre os pratos do cardápio. Afinal, ninguém é obrigado saber em que consistem todos os molhos ou acompanhamentos. O que não fica bem é perguntar se o peixe está bom hoje ou se a carne é fresca... São perguntas cujas respostas já sabemos, pois o funcionário do restaurante jamais vai dizer que algo não está bom.

Em um restaurante, você vai pedir de acordo com o seu gosto. Mas se for convidado na casa de alguém, nunca rejeite nada que lhe for servido. Independente do seu gosto, aceite mesmo que uma pequena quantidade e nunca faça cara feia. Dizer que não gosta de um alimento pode ser uma ofensa ao anfitrião. Uma boa dica para evitar esse constrangimento é refinar seu paladar provando de tudo sempre que possível.

Nos serviços em que você próprio serve seu prato, nunca o encha demais. Você pode repetir se quiser, mas sempre em pequenas quantidades. Um prato muito cheio, além de deselegante, pode te levar a ter que comer muito de algo que não esteja com o gosto esperado; lembre-se, deixar comida no prato é proibição, não só da etiqueta, como da ética, considerando a triste situação atual de certas camadas da população mundial.

Em refeições extremamente formais não se devem fazer comentários sobre a comida. Pedir a receita, então... nem pensar! Se você estiver como anfitrião de uma refeição, também não fique perguntando aos convidados se gostaram da comida. Se seus convidados estiverem realmente por dentro da etiqueta e gostarem de tudo, ligarão educadamente no dia seguinte para agradecer e fazer os devidos elogios e comentários.

Nunca atravesse o braço na frente de outra pessoa para se servir de nada. Caso algo que você queira esteja longe, peça gentilmente ao companheiro mais próximo que pegue para você.

Quando são servidos alimentos que se comem sem talheres (como aspargos, alcachofras, costelinhas etc.), é posto um pratinho com lavanda sobre a mesa. Nessa lavanda devem-se molhar apenas as pontas dos dedos e enxugá-los com o guardanapo ao terminar de comer.

Os talheres são instrumentos para comer. Se você gesticula demais quando conversa, deixe-os apoiados sobre o prato enquanto fala, ou vai parecer um maestro regendo uma orquestra.

Deve-se sempre cortar usando a faca com a mão direita e o garfo apenas apoiando o alimento com a mão esquerda. Em seguida se descansa a faca na horizontal em cima do prato (como na figura ao lado) e leva-se o alimento à boca com o garfo na mão direita.

Quando o alimento requer apenas um talher, normalmente colheres ou alimentos que se comem com garfo, mas não precisam ser cortados, deve-se comer com a mão direita. As pessoas canhotas podem inverter a posição dos talheres nas mãos, se sentirem mais confortáveis, no entanto, jamais devem trocar toda a mise-en-place de lugar.

Alguns alimentos, como escargots, lagostas na casca e caviar, requerem um conhecimento peculiar. Não se desespere, a respeito de alguns talheres especiais e diferentes, diz Matarazzo que: “se você não sabe manipulá-los, a receita é antiga: imite quem sabe. Em último caso, não tenha a menor vergonha de dizer que não sabe usá-los. É melhor do que se atrapalhar, suando frio. Você sempre vai encontrar alguém disposto a ensinar. Aprenda e arrase da próxima vez”.
As taças devem ser pegas sempre pela haste, nunca pelo bojo, para que a mão não interfira na temperatura da bebida, principalmente, quando se tratar de vinhos.

Quando o cardápio for acompanhado por pão, parta os pedaços com a mão sempre em cima do pratinho apropriado para não sujar a mesa com migalhas. Mas, lembre-se: resista à tentação de passar o pão no prato, aproveitando todo o molho que está uma delícia! Deixe essas informalidades para fazer em casa, de preferência apenas entre família e lembrando aos filhos que não façam isso fora de casa nem na frente de visitas. É difícil, mas é possível e sem traumas!
Folhas nunca devem ser cortadas e sim dobradas para serem levadas à boca. Dobra-se a folha com a faca na mão direita, enquanto o garfo apóia e espeta com a esquerda.

Para tomar sopa, não faça barulho! Soprar a colher para esfriar também não está de acordo com as boas maneiras. A velocidade com que se come parece uma bobagem, mas também é importante. Em relação a isso, Soares e Falcão alertam:

“Cuide para não se atrasar em comer. Procure andar no ritmo do grupo. Nem coma sôfrega ou rapidamente, o que também é bastante desagradável. Conhecemos, todos nós, pessoas que falam, falam, sem parar, a comida esfriando no prato, todos já prontos para passar a diante, os anfitriões aflitos, e um impasse criado... sobretudo quando se trata de pessoa formal e não íntima.”

A etiqueta determina, ainda, que o bom anfitrião fique com alguma comida em seu prato, “fazendo companhia” aos mais lentos, e só ponha seus talheres em posição final quando todos os convidados o tiverem feito. E, claro, só se passa para o próximo serviço depois que todos tenham terminado o anterior. E lembre-se: só se deve começar a comer um prato depois que todos da mesa estejam servidos.

Especialmente para as mulheres: jamais se retoca maquiagem ou se ajeita o cabelo à mesa. O banheiro existe para isso, peça licença para se retirar da mesa e, simplesmente, vá; não é nada elegante avisar aonde você vai e muito menos convidar as amigas para irem junto.

Atenção, fumantes: se por uma ironia do destino, você foi parar com seu grupo na área de não-fumantes ou entrou em um estabelecimento que não possui área para fumantes, não fique mal humorado durante toda refeição. Pedir ao maître para abrir uma exceção e deixar você fumar só um cigarrinho é, no mínimo, ridículo.

O que você tem a fazer é segurar a vontade até a hora de sair do restaurante. Mas, se você está na área de fumantes, também deve esperar até que todos os integrantes de sua mesa terminem suas refeições antes de acender seu cigarro. Se você estiver de regime e for acompanhar alguém a um restaurante, peça ao menos uma salada. Ficar em uma mesa de restaurante sem comer, apenas assistindo, é constrangedor para quem está comendo.

Ao final de uma refeição em um restaurante, evite discussões a cerca do pagamento da conta. Normalmente, quem convida paga. Em casos de menos formalidade, você pode se oferecer para dividir, mas se a outra pessoa nega, não fique insistindo a ponto de chamar atenção de garçons e outros clientes. Se você convidou e faz questão de pagar tudo, peça licença e vá pagar a conta diretamente no caixa, fora da mesa.

Por favor, puxar a calculadora da bolsa para conferir a conta ou dividir as despesas é o cúmulo da deselegância! Confira, sim, mas rápida e discretamente. E para a divisão da conta, faça sempre em partes iguais entre os integrantes da mesa; nada de ficar reivindicando um suco ou uma cerveja a menos ou a mais. Ninguém sai perdendo ao compartilhar os bons momentos de uma refeição.

Deve-se sempre dar gorjeta, mesmo nos restaurantes que não a incluem na conta. E, lembre-se, gorjeta é 10% do valor total da conta e não recusar o “troquinho” que o garçom trouxe. Mesmo seguindo todas as regras das boas maneiras, imprevistos podem acontecer. O segredo para não deixar más impressões é levar tudo com bom humor e discrição. Seja natural e não fique “valorizando” maus momentos, afinal a refeição em comum é uma ocasião agradável, para ser vivida e lembrada por seus sucessos e não por seus possíveis deslizes.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER