Tumores dos Tecidos Moles

Tumores dos Tecidos Moles
MEDICINA
Fibroma (Fibroma de irritação, fibroma traumático, Hiperplasia fibrosa focal, nódulo fibroso)
É o tumor mais comum da cavidade bucal.

Sua localização principal é a mucosa jugal, seguida da mucosa labial, língua e gengiva. A lesão apresenta-se como um nódulo rosa, de superfície lisa e coloração semelhante à mucosa adjacente. Pode ser séssil ou pedunculado, tipicamente com crescimento lento, assintomático, normalmente com menos de 2cm de diâmetro.

O tratamento é a excisão cirúrgica.

Epúlide Fissurada (Hiperplasia fibrosa inflamatória, Tumor por lesão de dentadura, Epúlide por dentadura)
É uma hiperplasia semelhante a um tumor do tecido conjuntivo fibroso, que se desenvolve em associação com as bordas de uma prótese mal adaptada.

Apresenta-se como uma única, ou múltiplas pregas de tecido hiperplásico no vestíbulo alveolar. Usualmente a massa tecidual é firme e fibrosa, embora algumas lesões sejam eritematosas e ulceradas.
O tratamento consiste na remoção cirúrgica da lesão e confecção de nova prótese.

Fibromatose
A fibromatose dos tecidos moles da cabeça e pescoço apresenta-se como massa firme e indolor, com crescimento rápido, ocorrendo principalmente em crianças e adultos jovens (fibromatose juvenil agressiva). Observada na região paramandibular, pode atingir tamanho considerável, frequentemente com destruição do osso subjacente.

O tratamento é excisão cirúrgica com ampla margem de segurança. As recidivas locais são comuns, mas metástases não ocorrem.

Granuloma Piogênico
É um crescimento tecidual reacional comum na cavidade bucal, considerado de natureza não-neoplásica com aparência de uma massa plana ou lobulada, usualmente pedunculada. A superfície é ulcerada e varia do rosa a vermelho ou roxo (altamente vascularizados inicialmente). A lesão é indolor, localizando-se na gengiva, lábios, língua e mucosa jugal principalmente.

O tratamento é a excisão cirúrgica conservadora.

Granuloma gravídico (tumor gravídico): nomenclatura associada ao granuloma piogênico desenvolvido durante a gravidez, presumivelmente devido a uma resposta tecidual exarcebada diante das alterações hormonais.

Epúlide granulomatosa: termo usado para descrever os crescimentos hiperplásicos de tecido de granulação que se desenvolvem na área de cicatrização dos alvéolos após extração.

Granuloma Periférico de Células Gigantes (Epúlide de células gigantes)
Representa um crescimento semelhante a um tumor que ocorre exclusivamente na gengiva ou rebordo alveolar edêntulo, apresentando-se como uma massa nodular vermelha ou vermelho-azulada, séssil ou pedunculada, ulcerada ou não, com um pico de prevalência na quinta e sexta décadas de vida, acometendo principalmente mulheres.

Aparentemente é a contraparte dos tecidos moles do granuloma central de células gigantes, sendo mais comum na mandíbula do que na maxila e pode ocorrer erosão superficial da superfície óssea.
O tratamento é a excisão cirúrgica local abaixo do osso subjacente.

Fibroma Ossificante Periférico (Granuloma fibroblástico calcificante, Epúlide fibróide ossificante)
É um crescimento gengival considerado de natureza reacional, onde o componente mineral provavelmente tenha origem no ligamento periodontal ou das células do periósteo.

Apresenta-se como massa nodular, pedunculada ou séssil, que usualmente desenvolve-se inicialmente na papila interdental. A coloração varia do vermelho ao róseo e pode ter a sua superfície ulcerada, com um pico de prevalência em mulheres, entre os 10 aos 19 anos, com inclinação para maxila, região de incisivos e caninos.

O tratamento é a excisão cirúrgica com remoção do periósteo subjacente.

Lipoma
É um tumor benigno de gordura, representado por massa nodular, mole de superfície plana, que pode ser séssil ou pedunculado.

Caracteristicamente assintomático, com menos de 3cm (maioria), de coloração amarela ou rósea dependendo da profundidade.

A localização mais comum é a mucosa jugal seguida do vestíbulo, com incidência a partir dos 40 anos.

O tratamento é a excisão cirúrgica conservadora.

Uma manobra semiotécnica é observar a peça, após remoção cirúrgica e colocada dentro da solução de formol 10%, a peça encontra-se flutuando na solução.

Neuroma Traumático (Neuroma de amputação)
Representa uma proliferação reacional do tecido neural após ruptura ou dano de um feixe nervoso.

Na cavidade bucal a lesão se manifesta como nódulos de superfície plana, dolorosos em sua maioria, não ulcerados, sendo mais comuns na área do forame mentoniano, língua e lábio inferior.

Existe uma história de trauma pregressa (Ex: remoção cirúrgica de adenoma pleomórfico em Parótida, remoções tumorais, extrações dentárias na área do forame mentoniano, etc.).

O tratamento é a excisão cirúrgica, incluindo pequena porção do feixe nervoso envolvido.

Neurilenoma (Schwannoma)
É um neoplasma neural benigno originado na célula de Schwann, apresentando-se como um tumor nodular, único, encapsulado de crescimento lento, que se relaciona caracteristicamente com um tronco nervoso.

As lesões são mais comuns em jovens e adultos de meia-idade, normalmente assintomáticas, sendo a língua a região mais acometida.

É uma lesão bastante incomum na cavidade oral, mas ocasionalmente pode ser vista em pacientes com neurofibromatose.
O tratamento é a excisão cirúrgica.

Neurofibromatose (Doença cutânea de von Recklinghausen)
Condição hereditária com as seguintes características: Neurofibromas múltiplos (elefantíase neuromatosa), neurilenomas, pigmentação café-com-leite, sardas axilares (sinal de Crowe), manchas pigmentadas na íris (nódulos de Lisch), tumores no SNC, macrocefalia, deficiência mental, baixa estatura, escoliose e aumento das papilas fungiformes. Pode ocorrer desenvolvimento do neurofibrossarcoma ou schwannoma maligno.
O tratamento é direcionado para a prevenção e/ou tratamento das complicações.

Neurofibroma
É o tipo mais comum de neoplasma de nervos periféricos, podendo originar-se como tumor solitário ou ser um componente da neurofibromatose.

Os tumores solitários são mais comuns em adultos jovens e se apresentam como lesões indolores, moles, de crescimento lento, que variam de pequenos nódulos a grandes massas não encapsuladas. A pele é localização mais comum, sendo que na cavidade bucal a língua e a mucosa jugal são as localizações mais frequentes.

O tratamento é excisão cirúrgica.

Tumor de Célula Granular
Neoplasma com predileção para a pele e cavidade bucal, sendo a língua a localização intra-oral mais comum (superfície dorsal), seguida pela mucosa jugal. Há predileção pelo sexo feminino com incidência da quarta a sexta décadas. A lesão é um nódulo séssil assintomático, com 2cm ou menos, coloração rósea ou ocasionalmente amarelada.
O tratamento é a excisão cirúrgica.

Epúlide Congênita Do Neonato (Lesão congênita de célula granular)
Ocorre quase que exclusivamente em rebordo alveolar de neonatos (principalmente meninas) como uma massa polipóide de cor que varia do rosa ao vermelho, de superfície lisa, comumente na maxila, lateral à linha média, na região de incisivos e caninos. Em alguns pacientes pode ocorrer regressão da lesão, em outros poderá ser necessário remoção cirúrgica.

Hemangioma
Os hemangiomas são considerados tumores benignos dos vasos sanguíneos comuns na infância (mais em meninas – 3:1) que se caracterizam por uma fase de crescimento rápido com proliferação de células endoteliais, seguida pela involução gradual. Os tumores superficiais da pele são elevados, com uma coloração vermelho-vivo (hemangioma em morango), sendo firmes e elásticos à palpação. Os tumores profundos podem aparecer apenas ligeiramente elevados, com coloração azulada. Hemangiomas grandes e extensos em bebês podem estar associados à Síndrome de Kasabach-Merritt.

Características histopatológicas: os hemangiomas capilares caracterizam-se por células endoteliais dilatadas e lúmen vascular indistinto com espaços vasculares reduzidos; conforme os capilares sofrem involução, os espaços vasculares tornam-se mais dilatados e amplamente espaçados dando origem aos hemangiomas cavernosos.

Clinicamente o hemangioma é uma lesão nodular proliferativa neoplásica benigna ou malformativa, constituída de vasos sanguíneos com predominância na bochecha, lábio e língua quando acometem a cavidade bucal. Pode apresentar-se como mancha azulada ou avermelhada flácida, plana ou nodular, superfície lisa, circunscrita ou difusa e de tamanho variável constituindo o hemangioma capilar. Já o hemangioma cavernoso apresenta prognóstico mais reservado, e revela numerosos espaços vasculares grandes cheios de sangue, podendo alcançar grandes dimensões.

Quando o hemangioma é plano e localizado no palato ou na face, é denominado nevo flâmeo.
Para o diagnóstico clínico, a lesão mostra-se esbranquiçada na diascopia e preconiza-se punção aspirativa como método auxiliar de diagnóstico.

A maioria dos hemangiomas congênitos sofre involução, sendo necessário apenas acompanhamento.

Para os hemangiomas menores, o tratamento é a excisão cirúrgica; para lesões maiores utiliza-se a crioterapia, injeções de substâncias esclerosantes (etamolina 5%, etanol 95%) ou eletrocirurgia.

Para o tratamento de hemangiomas maiores com comprometimento de órgãos ou risco de grande hemorragia, pode ser necessário a embolização angiográfica.

Angiomatose Encefalotrigeminal (Síndrome de Sturge-Weber)
É uma rara condição do desenvolvimento caracterizada por proliferações vasculares hamartomatosas, que envolvem os tecidos da face e do cérebro. Os pacientes nascem com malformação vascular capilar dérmica da face, denominada de manchas de vinho do Porto ou nevo flâmeo. Também ocorrem angiomatoses meníngeas que recobrem o córtex cerebral e desencadeiam desordens convulsivas, retardo mental e/ou hemiplegia contralateral.

Radiograficamente o crânio pode revelar calcificações giriforme (semelhantes às linhas de bonde) no lado afetado. O envolvimento ocular pode se manifestar por glaucoma e malformações vasculares. A gengiva pode exibir hiperplasia vascular ou uma proliferação hemangiomatosa.

O tratamento é direcionado para a resolução das complicações.

Linfangioma
Representa um tumor hamartomatoso benigno dos vasos linfáticos. A maioria dos casos é congênita ou se iniciam no começo da infância.

Os linfangiomas orais são mais comuns nos dois terços anteriores da língua produzindo macroglossia. Os tumores superficiais apresentam uma superfície pedregosa lembrando vesículas transparentes. Os tumores profundos apresentam-se como uma massa mole e flutuante.

O tratamento de melhor escolha é o cirúrgico apesar da taxa de recidiva e do envolvimento de estruturas vitais devido ao seu tamanho.

Leiomioma
Tumor benigno de músculo liso que se divide em três tipos: Sólidos, Vasculares (angiomiomas, angioleiomiomas) e Epitelióides (leiomioblastoma).
A maioria dos casos orais representa angiomiomas e aparecem a partir do músculo liso das paredes dos vasos sanguíneos.

Caracteristicamente surge como um nódulo firme de crescimento lento, assintomático, não ulcerado, podendo apresentar uma coloração azulada.
As localizações mais comuns são lábios, palato, língua e bochechas sendo indicada a sua remoção cirúrgica como forma de tratamento.

Rabdomioma
São os tumores benignos da musculatura esquelética, divididos em Rabdomiomas do adulto e fetal.

No primeiro caso ocorrem em homens mais velhos localizando-se frequentemente na faringe, cavidade oral e laringe, apresentando-se como uma massa ou nódulo que pode alcançar vários centímetros antes da sua descoberta, levando a obstrução parcial das vias aéreas.

Os rabdomiomas fetais predominam em meninos, localizando-se na face e região periauricular como massas tumorais não ulceradas.
O tratamento é a excisão cirúrgica.

Coristomas Ósseos e Cartilaginosos
Coristoma representa um crescimento semelhante a um tumor de tecido histologicamente normal em localização anormal. Os tipos mais comuns são os ósseos, cartilaginosos e ósseo-cartilaginosos.

Esses coristomas mostram predileção pela língua aparecendo como um nódulo firme de superfície lisa, pediculado ou séssil, medindo entre 0,5 e 2cm de diâmetro, que causa disfagia e engasgo.

São melhores tratados por excisão cirúrgica local.
Sarcomas dos Tecidos Moles

Fibrossarcoma
É um tumor maligno originado dos fibroblastos com crescimento lento infiltrativo (podendo em alguns casos apresentar crescimento rápido) que pode alcançar considerável tamanho até produzir dor.

Representa uma neoplasia maligna, incomum na cavidade oral, que acomete principalmente adultos jovens e crianças.
Histopatologicamente os tumores bem diferenciados consistem em feixes de células fusiformes (semelhantes à espinha de peixe) com maior produção de colágeno.

O tratamento de escolha é a excisão cirúrgica com ampla margem de segurança. Os tumores intra-ósseos têm pior prognóstico que os periféricos.

Histiocitoma Fibroso Maligno
Sarcoma com aspecto fibroblástico e histiócito, sendo mais comum nos tecidos moles em adultos (faixa etária elevada).
Representa massa expansiva que pode ser dolorosa e ulcerada.
O tratamento é a ressecção cirúrgica radical.

Lipossarcoma
É um neoplasma maligno com origem no tecido adiposo, sendo o segundo sarcoma dos tecidos moles em frequência.

Ocorre em adultos na faixa de 40 - 60 anos como massa mole, mal definida, de crescimento lento, com coloração amarela ou normal. A bochecha é a localização mais comum na cavidade oral, seguida da língua.

A variante histológica mixóide é a mais frequente e a de células redondas é a mais agressiva.
O tratamento é excisão cirúrgica radical.

Sarcoma de Kaposi
Neoplasma vascular maligno incomum que pode estar associado ao Herpesvírus humano 8, desenvolvendo-se comumente nas células endoteliais com quatro representações clínicas: Clássica, Endêmica (africana), Iatrogênica associada com imunossupressão e Relacionada à AIDS.

Antes do advento da AIDS, esta lesão era extremamente rara na cavidade bucal. Hoje o subtipo relacionado à AIDS representa uma lesão muito agressiva, com prognóstico sombrio, tendência de envolvimento dos linfonodos e órgãos internos e que acomete a cavidade oral com relativa frequência.

A neoplasia apresenta três estágios de desenvolvimento:
MANCHA (macular), PLACA e NODULAR, culminando com sua difusão nos tecidos.
O tratamento depende do subtipo clínico e do estágio da doença.

Para as lesões de pele, na forma clássica da doença é indicada a radioterapia. A excisão cirúrgica é indicada para as lesões individuais em mucosa, assim como a quimioterapia, dependendo da localização e tamanho do tumor.

Leiomiossarcoma
Neoplasma maligno que se origina da musculatura lisa, acometendo adultos de meia idade e idosos como uma massa expansiva que pode ser ulcerada e ou dolorosa. Quando localizada na cavidade bucal, localiza-se nos ossos maxilares.
O tratamento é a excisão cirúrgica radical, podendo associar a quimioterapia e a radioterapia.

Rabdomiossarcoma
Tem sua origem na musculatura esquelética, sendo o sarcoma dos tecidos moles mais comum na infância. São conhecidos três padrões microscópicos: Embrionário (acometendo pacientes nos 10 primeiros anos de vida), Alveolar (frequente nos pacientes com 10 a 25 anos) e Pleomórfico (em pacientes com mais de 40 anos).

O tumor apresenta crescimento rápido como uma massa indolor infiltrativa. O palato é a região intra-oral mais acometida, podendo algumas lesões se originar no seio maxilar e invadir a cavidade oral.

A terapia multinodal (quimioterapia com vários agentes, excisão cirúrgica e radioterapia em casos específicos) é hoje a mais indicada.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER