Hemograma: A mononucleose

Hemograma: A mononucleose
MEDICINA
A mononucleose infecciosa é a síndrome clínico-patológica aguda decorrente da infecção primária pelo vírus de Epstein-Barr (EBV). É, predominantemente, uma doença de adolescentes e adultos jovens. Costuma haver febre, faringite, linfonodomegalias (de onde vem a designação febre glandular), esplenomegalia e hepatite. A doença caracteriza-se pela presença no sangue de linfócitos atípicos ou virócitos, que são linfócitos T ativados, produzidos como resposta imunológica aos linfócitos B infectados pelo EBV.

Hemograma
Há linfocitose e, geralmente, leucocitose, decorrente da presença dos linfócitos atípicos. Alguns pacientes são trombocitopênicos, e uma minoria é anêmica. Os linfócitos atípicos são altamente pleomórficos. Muitos deles são grandes, com diâmetro entre 15 a 30 µm, com citoplasma abundante, intensamente basófilo. Alguns apresentam grandes núcleos centrais, parecendo imunoblasto, outros se parecem com blasto d leucemia linfoblástica 00aguda. Os núcleos podem ser redondos, ovais, reniformes, lobulados ou, ocasionalmente, em forma de trevo. O padrão de cromatina pode ser difuso ou parcialmente condensado. O citoplasma pode ser vacuolizado, espumoso, algumas vezes granulado, e de moderado a fortemente basófilo. A basofilia citoplasmática pode ser generalizada ou limitada à periferia. Quando os linfócitos atípicos contatam outras células, as margens citoplasmáticas parecem indentadas (bordas recortadas). Algumas células apresentam aspecto de espelho de mão. Podem-se observar células binucleadas e figuras mitóticas, alguns linfócitos plasmocitoides e aumentos dos linfócitos grandes e granulares. Células apoptóticas podem estar presentes, pois a mononucleose é a principal causa de apoptose de linfócitos circulantes. As células anormais podem apresentar anormalidades citoquímicas, como positividade em bloco à coloração PAS (geralmente em aspecto da leucemia linfoblástica aguda) e atividade TRAP (geralmente um aspecto da mielofibrose idiopática), não se recomenda a citoquímica no diagnóstico da mononucleose infecciosa.

São comuns alterações em outras linhagens celulares, mas tornam-se obscurecidas frente às anormalidades dos linfócitos. Em uma série, 10% dos pacientes apresentavam contagem de neutrófilos inferiores a 1.000 / µL. Ocasionalmente, a neutropenia é externa. Também pode haver neutrofilia, algumas vezes há granulações tóxicas, desvio à esquerda e corpos de Dohle, apesar dessas alterações, o escore de fosfatase alcalina dos neutrófilos geralmente é baixo. É usual a baixa da contagem de eosinófilos, na convalescença há eosinofilia. Trombocitopenia é comum, com contagem inferior a 150.000/µL em um terço dos pacientes. Trombocitopenia severa, algumas vezes observada, deve-se a destruição imune das plaquetas. Pode ocorrer anemia hemolítica, devido à crioaglutinina, notando-se na distensão aglutinação dos eritrócitos, alguns esferócitos e, mais tarde, policromatocitose. É mais frequente haver alguma aglutinação eritrocitária sem hemólise declarada. Paciente com esferocitose hereditária têm agravação da hemólise durante a mononucleose infecciosa. Alguns pacientes desenvolvem citopenias intensas devido à hemofagocitose desencadeada pelos vírus. Uma complicação raríssima é anemia aplástica, que se desenvolve de 1 a 6 semanas depois das manifestações iniciais.

Nem todos os pacientes com infecção primária pelo EBV apresentam os aspectos clinicopatológicos de mononucleose infecciosa. Crianças pequenas apresentam linfocitose maior com menor porcentagem de linfócitos atípicos do que crianças maiores, mas a contagem absoluta de linfócitos atípicos é semelhante em crianças com menos e com mais de quatro anos de idade. Em pacientes velhos, linfocitose e a porcentagem de linfócitos atípicos podem ser inferiores às observadas em adolescentes e adultos jovens. Raros pacientes com mononucleose infecciosa apresentam linfopenia severa, nesses casos, a doença é mais grave e o prognóstico, pior.

Nas contagens automatizadas geralmente há alarmes (flags) para a presença de linfócitos atípicos. Dependendo do instrumento, pode haver um aumento das células mononucleares.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER