Conceitos de saúde e trabalho

Conceitos de saúde e trabalho
MEDICINA
Muito se tem falado sobre a importância da saúde no ambiente de trabalho e seus impactos em curto e longo prazo na qualidade de vida das pessoas que exercem alguma função laboral, seja em empresas públicas ou em empresas privadas.

Apesar de muitos estudiosos buscarem qual seria a melhor definição de saúde, como a classificação proposta por Boorse, em 1977, onde o mesmo definia a saúde como ausência de doença ou o bem-estar de um organismo como um todo (FILHO; JUCA, 2002).

A definição mais aceita pela sociedade e demais estudiosos no assunto destacam a proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS), como veremos a seguir.

No final da Segunda Guerra Mundial, na metade da década de 40, muitos civis e militares envolvidos nos episódios apresentavam sequelas graves, além de doenças típicas de cada país.

É neste período que surge a OMS, órgão internacional que tinha como principal função a preocupação com o estado de saúde física e mental das pessoas que foram envolvidas nos episódios.

Essa organização definiu a saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consistente apenas da ausência de doença ou de enfermidade. A partir de então, observa-se uma crescente preocupação com a saúde do homem, antes limitada somente na questão física, ampliando a atenção para o bem estar mental e sua interação no meio social.

Já não seria um corpo físico são que classificaria a pessoa como saudável, mas todos os meios que o constituem. Entretanto, essa definição pode sofrer breves modificações e complementos nos próximos anos.

Observa-se que a definição de saúde pode variar de acordo com as características de cada povo e nação, sofrendo interferência da história, sendo que, provavelmente, novas definições que elucide o que realmente é a saúde surjam de acordo com os avanços tecnológicos e científicos dos tempos vindouros e o que é definido como saúde hoje pode não ser amanha, ou sofrer algumas complementações.

Um exemplo disso é que há alguns séculos atrás os estudiosos pensavam que algumas formas de vida mais simples nasciam em decorrência do meio em que viviam principalmente da poeira ou da sujeira, algo que no nosso tempo é totalmente impensável e inaceitável.

Segundo Marcondes (2005), no Brasil, a evolução da saúde pública dá-se no início do século XX, período em que surge o medico sanitarista Oswaldo Cruz. Na época, a então capital do Brasil, Rio de Janeiro, apresentava condições escassas de saúde pública, onde lixo e sujeira eram comuns de se ver nas ruas, acumulando presença de ratos e mosquitos transmissores de doenças fatais na época tais como: peste bubônica, febre amarela e varíola.

Doutor Oswaldo Cruz, então diretor da saúde pública realizou medidas profiláticas, dentre as quais a vacinação obrigatória, o que não foi bem aceito pela população, além de outras ações como retirada de animais das ruas como cães e bois, limpeza constante da cidade e melhoria da qualidade da água, além de proibição de mendigos que sujassem as ruas e praças.

No entanto, somente em 1941 que ocorre a 1ª Conferência Nacional de Saúde, onde havia as seguintes preocupações: defesa sanitária, assistência social, proteção da maternidade infância e adolescência.

Com o surgimento do Ministério da Saúde em 1953, deu-se início, a nível nacional, com a preocupação da saúde pública do povo brasileiro, principalmente as doenças da época como: malária, leishmaniose, doença de Chagas, peste, brucelose, febre amarela e outras endemias existentes no país, de acordo com as conveniências técnicas e administrativas.

Contudo, havia falhas no sistema, fazendo com que a saúde não alcançasse seu objetivo pré-estabelecido, o que fez com que ocorresse a criação do Sistema único de Saúde (SUS), no inicio da década de 90, através da Lei Orgânica da Saúde pelo Congresso Nacional.

Através do SUS ocorreram maior alcance e dinamismo na cobertura nacional da saúde, descentralizando os serviços básicos, tendo em vista as dificuldades de acesso presentes na época.

Colunista Portal - Saúde
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Seja um colunista
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

ARTIGOS RELACIONADOS