COLELÍTIASE

COLELÍTIASE
MEDICINA
Colelitíase

Definição:
• É a formação de cálculos no interior da vesícula biliar.
• Pode ser assintomático ou sintomático
• A lítiase assintomática é definida como a detecção incidental de cálculos biliares em exames de imagem recente de us abdominal, em pacientes que não apresentam qualquer sintoma ou tem sintomas não relacionados ao cálculo.


Prevalência:
• É condição prevalente nos países ocidentais
o Mulheres = 20-25%
o Homens = 10-15%


Fatores de risco:
• Sexo, idade ( faixa pediátrica é incomum ), obesidade, emagrecimento rápido, ressecção ileal, cirrose, hipertrigliceridemia, hemólise crônica, diabetes, gestação por alteração hormonal.


Manifestações clínicas

• A maioria dos pacientes é assintomático -60-80%;

• Taxa de 0,8 a 1,5% a.a. de probabilidade de desenvolver dor biliar;

• A progressão da doença assintomática para sintomática varia de 10- 25% durante o seguimento de até 15 anos;

• Portadores de lba permanecem assintomáticos a maior parte da vida;

• Dor biliar (e o principal sintoma );

• Dor é constante, não intermitente (assim o termo cólica biliar é inadequado);

• É de moderada a forte intensidade, localizada principalmente no HD ou na região epigástrica, podendo irradiar para o ombro direito e escapula;

• A dor pode ser precipitada por uma refeição, porém, mais comumente, não há evento estimulante e a dor pode começar até mesmo a noite;

• Tem inicio súbito e aumenta gradativamente durante 15 minutos a 1 hora podendo sua intensidade durar cerca de 3h;
• Náuseas, vômitos e sudorese podem estar associados.

• É importante uma avaliação e discernimento clinico criterioso evitando-se atribuir aos cálculos biliares sintomas oriundos de outras afecções do sistema digestivo;

• Manifestações inespecíficas: pirose, síndrome pós-prandial, eructações, desconforto abdominal, intolerância a alimentos gordurosos e flatulência;

• Estes sintomas podem também estar relacionados a outras entidades como doença ulcerosa péptica, dispepsia funcional, síndrome do intestino irritável;

• A conduta pode ser: expectante ou cirúrgica


Tratamento

Conduta expectante (conservadora)

• São basicamente dois argumentos em favor da conduta expectante ou conservadora;

• Historia natural da doença- neste caso a apresentação inicial é a dor biliar não complicada ( 90% );

• As complicações são raramente a primeira manifestação da doença o que nos deixa tranquilos;

• Baixa frequência com que ocorreriam as complicações ( 0,2% a 1,5% a.a)

• Colecistite aguda

• Icterícia obstrutiva

• Pancreatite aguda

• Raramente íleo biliar

• Risco de desenvolvimento de câncer da vesícula é 0,12 a 0,3% em 30 anos de seguimento


Conduta cirúrgica

• Quais são os riscos da colecistectómica?

• A mortalidade geral da colecistectomia varia de 0,14% a 0,5% em estudos diferentes, dependendo da idade, condições clínicas dos pacientes e de comormidades presentes;

• Lesões iatrogênicas da via biliar – complicações aparentemente crescente (0,1% a 0,3%), cirurgia laparoscopica (0,4 %a 0,6% ):

• Complicações menores: derrames ou bilomas a partir do coto cístico;

• Complicações maiores: transecções, grampeamentos, estenoses, lacerações ductais.

• Outras complicações cirúrgicas – sangramentos pós-operatórios, peritonite e abcessos intra-abdominais e infecção da ferida operatória;

• Complicações clínicas – aparecimento ou aumento do refluxo biliar gastresofágico e ocorrência de diarreia coleretica (1 a 2%).



Kelly Ribeiro Moura Barboza
Graduada em Medicina pela EMESCAM Residencia Medica em Clinica Medica pelo HSE-RJ Residencia Medica em Gastroenterologia pela UFES
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER