Dicas para fotografar bem

Dicas para fotografar bem
INICIACAO-PROFISSIONAL
Preste atenção ao fundo e aos elementos da foto

- O fundo deve complementar a foto, não brigar com o elemento principal. Nós, seres humanos, enxergamos o ambiente em três dimensões e concentramos nossa atenção no que mais nos interessa, ignorando o restante. Temos que lembrar que na fotografia a percepção será diferente, aquele detalhe que nem notamos ali atrás, pode desviar a atenção do elemento principal.

Enquadramento

- Tente fugir do clichê de colocar o assunto sempre no meio da foto. Deslocar o objeto principal da imagem pode fazer toda a diferença para deixá-la mais interessante.

-Divida mentalmente o visor da câmera em três colunas e três linhas, como em um jogo da velha. As intersecções das linhas são os pontos mais interessantes da sua foto. As linhas em si também mostram pontos de destaque, para colocar os olhos de uma pessoa ou o horizonte, por exemplo.

Foco da câmara fotográfica

Fazer uma boa focagem com a máquina fotográfica não significa apenas tornar os objetos ou pessoas mais ou menos visíveis. A focagem da câmara fotográfica é a primeira forma de compormos a fotografia. O que deseja colocar na fotografia? A árvore, ou a casa atrás dela? Conseguir uma fotografia bem focada dependerá muito de si, e obviamente das capacidades da sua câmara fotográfica: especialmente da lente.

Retratos

- Aproxime-se. Quando o assunto é uma pessoa. Não tenha medo de chegar perto. Se quiser, pode até cortar um pouco da parte de cima da cabeça. A esta distância é possível reparar em detalhes como sardas e cílios. O que não pode acontecer é aquele monte de nada na volta e um pequeno sujeito no meio. Tire fotos na altura dos olhos da pessoa.

- Fotos verticais, muitos assuntos exigem uma foto vertical. Se o foco tiver mais linhas verticais, como um farol ou uma escada, vire a câmera.

-Aproveite a luz. Não há luz mais bonita que a luz natural do sol. Sempre que puder, aproveite-a. Posicione-se de forma a deixar a fonte de luz à suas costas, aproveitando assim a iluminação. É impressionante quanta diferença pode fazer um simples passo para o lado.

- A luz difusa de um dia nublado é excelente para realçar cores e suavizar contornos, sendo excelente para tirar retratos. É preciso de muito cuidado ao usar o flash. A luz dele, além de forte, tem uma cor diferente a do ambiente. Uma luz dura vai deixar rugas e imperfeições muito mais aparentes. Esta é a explicação das fotos ¾ não ficarem boas.

Captura de imagens

A chave do sucesso de Eastman ao popularizar a fotografia como uma atividade de laser foi o desenvolvimento do filme em rolo e de uma câmera barata. Embora as câmeras de hoje sejam em sua maioria digitais, portanto mais sofisticadas e versáteis, os fundamentos por trás da captura de imagens permanecem inalterados.
A câmera

Apesar das diferenças, todas as câmeras apresentam cinco elementos básicos:

- Lente – Um elemento em vidro ou plástico que coleta luz e focaliza uma imagem para captura.

- Diafragma – Uma "abertura" que controla a quantidade de luz que entra na câmera através da lente. A abertura pode ser fixa, ajustada manualmente ou controlada automaticamente. Em geral, as câmeras mais simples apresentam abertura de lente fixa. Em algumas câmeras, uma célula com sensibilidade a luz ajusta a abertura para diferentes condições de iluminação. Nas câmeras mais sofisticadas, a abertura pode ser ajustada manualmente.

- Obturador – Um dispositivo que determina o tempo que o filme permanece exposto à luz que entra na câmera. Obturadores rápidos podem "congelar" objetos em movimento rápido. Em câmeras cinematográficas, um obturador de 180 graus gira enquanto o filme avança a uma taxa de 24 quadros por segundo.


-Visor – Uma lente ou quadro que permite ao fotógrafo ver o conteúdo da foto sendo capturada seja através da lente em câmeras reflex de lente única ou através de um visor separado nas câmeras simples.

Como funciona a captura digital

Em câmeras digitais, as imagens são gravadas usando sensores eletrônicos, em lugar de filmes tratados quimicamente. Sensores de imagens são circuitos integrados que consistem em dois componentes principais:

- Pixels, elementos gráficos, são pequenas áreas individuais que convertem luz em elétrons. Quanto mais luz atinge um pixel, mais elétrons são coletados. O número de pixels em um sensor determina a resolução da imagem. Uma câmera regular contém entre 7 milhões e 8 milhões de pixels.

Circuitos de saída movem os elétrons de cada pixel individual e convertem o sinal em corrente elétrica. Quanto mais intensa a luz que atinge o pixel, maior a corrente elétrica. Essa corrente elétrica é então convertida em um número digital, e a imagem é transmitida a um dispositivo de exibição ou armazenamento, como um cartão de memória. Os sensores de imagens usados nas câmeras têm pixels dispostos em matrizes. A disposição da matriz permite que cada pixel individualmente grave simultaneamente uma parte da imagem capturada quando o obturador é aberto, semelhante à exposição de um filme. Como cada pixel grava uma parte da imagem, mais pixels em um sensor resultam em uma imagem de maior resolução. Ao dispor filtros de cores sobre um pixel, pode-se gravar uma imagem colorida com o sensor.
Assim que a imagem é lida do sensor, ela é armazenada na memória da câmera, e a câmera está pronta para capturar uma nova imagem. A imagem armazenada pode ser visualizada no visor da câmera ou transferida para um computador para visualização ou impressão.

Tipos de sensores

Hoje, com a tecnologia atual, o mercado fornece sensores de imagem de alto desempenho para aplicações que vão de imagens de satélites e imagens médicas a câmeras digitais e produtos para máquinas visuais.

A tecnologia usada nos sensores se enquadra em quatro categorias gerais:

- Imageadoras CCD de campo amplo
Os CCDs de campo amplo são particularmente considerados por sua qualidade de imagem superior e sensibilidade fotográfica, permitindo que essa classe de sensores produza excelentes fotos mesmo em condições adversas. Com resoluções de até 39 milhões de pixels, os CCDs de campo amplo são vastamente usados em câmeras digitais profissionais, imagens industriais, digitalização de filmes, microscopia e astronomia.

- Imageadoras CCD interlineares
Os sensores de imagem CCD interlineares são ideais para capturar imagens em tempo real em alta velocidade, pois não exigem o uso de um obturador mecânico. Com produtos que variam de resolução de vídeo a 11 milhões de pixels, os CCDs interlineares podem ser encontrados em aplicações como câmeras de vídeo, câmeras fotográficas digitais, câmeras de vigilância, imageadoras médicas e de inspeção industrial.

- Imageadoras lineares

Os CCDs lineares capturando uma única linha da imagem por vezes através da varredura do item ou movendo o item pelo sensor. A alta velocidade e resolução disponíveis para imageadoras lineares fizeram delas uma excelente opção em scanners de mesa, scanners de documentos, metrologia e satélites de sensoreamento remoto.

- Imageadoras CMOS

O sensor semicondutor de metal-óxido complementar (CMOS) é uma alternativa ao CCD. Os sensores CMOSs apresentam baixo consumo de energia e chip com maior funcionalidade. Eles são bastante adequados para aplicações portáteis de alto volume, como câmeras de telefones celulares, PDAs e certas câmeras digitais.

Recentemente, a Kodak anunciou um avanço tecnológico que aumenta a sensibilidade à luz em 2 ou 4 vezes (uma ou duas f-stops) em comparação aos designs de sensores atuais.

Como o filme funciona

As câmeras de filme expõem imagens em filmes sensibilizantes. Quando expostas adequadamente, mudanças fotoquímicas ocorrem na película fotográfica. Depois, técnicas especiais de revelação e processamento reproduzem a imagem gravada no negativo fotográfico, do qual podem ser feitas cópias impressas. Os filmes reversos coloridos produzem imagens positivas que podem ser montadas em slides.

Fazendo um filme: arte e ciência

As duas partes principais do filme fotográfico são a sua base e a emulsão sensível à luz.

- A base é uma folha transparente e flexível, na qual as emulsões (ou camadas) são dispostas. A maioria dos filmes para câmera tem base de acetato de celulose, enquanto os filmes em folha (como filmes para raios X e filmes para artes gráficas) usam base em poliéster.

-A emulsão é feita de microcamadas de gelatina, nas quais elementos com sensibilidade à luz, como sais compostos de prata extremamente pura, ficam suspensos. A composição da emulsão determina as características de um filme – se produzirá imagens em preto-e-branco ou imagens coloridas e a quantidade de luz necessária à exposição correta (indicada pelas diferentes velocidades de filme).

Nos primeiros anos da fotografia a formação da base dos filmes e seu revestimento com emulsões se davam em longas mesas de vidro. Após secar, a folha de filme era retirada da mesa e enrolada.

Hoje, máquinas especializadas preparam a base e a revestem em um processo com rolo contínuo. Um fluxo constante de um líquido base é borrifado em uma camada extremamente uniforme (a base é medida em dezenas de milésimos de polegada) em uma grande roda giratória. Conforme a roda gira, a base se seca, desprendendo-se da roda como uma folha. Para facilidade de uso, a base é enrolada em longos rolos, às vezes, com milhares de metros de extensão. Neste ponto, eles estão prontos para o processo sensibilizante, quando a base é revestida com a emulsão fotográfica.

Como a emulsão é sensível à luz, a maioria das etapas em seu preparo deve ser executada em ambiente totalmente escuro (ou próximo da escuridão total). Após ajustar-se um lote de emulsão com as características fotográficas desejadas, ele é bombeado em grandes máquinas de revestimento. Em uma operação contínua, os rolos de base são desenrolados e a emulsão é aplicada em um lado. Uma camada típica de emulsão tem apenas alguns milésimos de polegada de espessura e deve ser controlada sob tolerâncias estritas. Um filme colorido típico requer 17 camadas ou mais de diferentes emulsões e químicos complementares para a formação de cores.

Após a emulsão endurecer e secar na base, o filme é cortado em rolos, rebobinado, se necessário, e empacotado nas conhecidas caixinhas amarelas.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER