Diagnóstico e tratamento de pólipos endometriais

Diagnóstico e tratamento de pólipos endometriais
COTIDIANO
O pólipo endometrial é uma condição ginecológica que surge, na maioria dos casos, em mulheres multíparas, na perimenopausa (ao redor dos 40 e 50 anos), aumentando sua a prevalência progressivamente com a idade . São de incidência rara antes da menarca e relativamente frequentes após a menopausa.

Consiste na hiperplasia focal da camada basal do endométrio originando, desta forma, um tumor localizado e recoberto por epitélio glandular (B). Do ponto de vista histológico, caracteriza-se por glândulas de aspecto variado, presença de estroma fibroso e vasos com paredes mais espessas que o normal. Podem ser classificados como funcionais, atróficos ou hiperplásicos, conforme o trofismo do epitélio que os reveste, muito embora essa classificação praticamente não tenha relação com o quadro clínico da paciente e não implique em condutas ou prognósticos diferenciais.

A presença dos pólipos endometriais pode ser associada a sintomas clínicos como sangramento vaginal anormal e infertilidade. Ainda que a maioria dessas lesões sejam benignas, podem sinalizar o surgimento de condições pré-malignas e malignas6 . Deste modo, este achado sugere que investigações histológicas sejam realizadas a fim de excluir o risco de carcinomas endometriais.

No entanto, estas formações variam entre as mulheres e os pólipos endometriais podem ocorrer como lesões individuais ou múltiplas, de tamanhos distintos (entre milímetros e centímetros), sésseis ou pedunculadas.

Embora sejam identificados, em grande parte dos casos, durante a avaliação de sangramento anormal, os pólipos endometriais, se assintomáticas, só são descobertos durante a avaliação de infertilidade ou por exames de ultrassonografia transvaginal realizados por razões diversas. A causa do surgimento dos pólipos endometriais pode estar relacionada com algumas formas de hiperestrogenismo, tanto na pré-menopausa, quanto na pós-menopausa. Portanto, pacientes com sangramento disfuncional, mais sensível à estrogênios, podem desenvolver pólipos ao longo dos anos devido à sensibilidade do endométrio aos estrogênios e da duração da estimulação deste hormônio no endométrio.

Apesar de o ultrasson transvaginal tratar-se de um dos exames mais realizados no diagnóstico destas doenças por ser considerado um método simples e inócuo com boa acurácia na avaliação, atualmente, a histeroscopia (HSC) é o método considerado como padrão ouro para o diagnóstico da maioria das patologias benignas intra-uterinas. A principal vantagem relacionada a HSC quando comparada a outros métodos propedêuticos consiste na confirmação anatomopatológica das lesões identificadas visualmente, por meio de biópsia dirigida. Desta forma, o diagnóstico pode ser realizado mesmo que haja falha na identificação da doença.

A terapia com reposição de progesterona é indicada nos casos de distúrbios menstruais durante a perimenopausa e o tratamento cirúrgico deve ser reservado para aqueles casos que não respondem ao tratamento farmacológico, quando o exame histopatológica direciona para a necessidade de realizar-se a histerectomia como primeira escolha ou quando o tratamento com hormônio não é indicado (hipersensibilidade à progesterona, insuficiência hepática grave, história de doença tromboembólica, acidente vascular cerebral, entre outros).


REFERENCIAS

1. Campaner AB, Carvalho S, Lima SMR, Santos RE, Galvão MAL Ribeiro PAG, et al. Avaliação histológica de pólipos endometriais em mulheres após a menopausa e correlação com o risco de malignização. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006; 28(1):18-23.

2. Miranda SMN, Gomes MT, Silva IDCG, Grão MJBC. Pólipos endometriais: aspectos clínicos, epidemiológicos e pesquisa de polimorfismos. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(7):327-33.

3. Bergamo AM, Depes DB, Pereira AMG, Santana TCD, Lippi UG, Lopes RGC. Polipectomia endometrial histeroscópica: tratamento ambulatorial versus convencional. Einstein. 2012; 10(3):323-28.

4. Dreisler E, Stampe Sorensen S, Ibsen PH, Lose G. Prevalence of endometrial polyps and abnormal uterine bleeding in a Danish population aged 20–74 years. Ultrasound Obstet Gynecol. 2009; 33:102–08.

5. Rackow BW, Jorgensen E, Taylor HS. Endometrial polyps affect uterine receptivity. Fertil Steril. 2011; 95(8):2690–92.

6. Salim S, Won H, Mranzcog ENH, Campbell N, Franzcog, and J. Abbott J. Diagnosis and Management of Endometrial Polyps: A Critical Review of the Literature. J Minim Invas Gyn. 2011; 18(5):569-81.

7. Ferrazzi E, Zupi E, Leone FP, Savelli L, Omodei L, Moscarini MD. How often are endometrial polyps malignant in asymptomatic postmenopausal women? A multicenter study. Am J Obstet Gynecol. 2009; 200:235.e1-235.e6.

8. Rackow BW, Jorgensen E, Taylor HS. Endometrial polyps affect uterine receptivity. Fertil Steril. 2011; 95(8):2690-2.

9. Indraccolo U, Matteo M, Bracalenti C, Greco P, Indraccolo SR. Can endometrial arylsulfatase A activity predict the onset of endometrial polyps over the years? Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(1):5-9.

10. DaCosta V, Wynter S, Harriott J, Christie L, Frederik-Johnston S, Frederick J. Operative hysteroscopy in a Jamaican cohort. West Indian Med J. 2011; 60(6):641-6.

11. Lasmar RB, Barrozo, PRM, Parente RCM, Lasmar BP, Rosa, DB, Penna IA, et al. Avaliação histeroscópica em pacientes com infertilidade. Rev Bras Ginecol. 2010; 32(8):393-7

12. Cornitescu FL, Tanase F, Simionescu C, Iliescu D. Clinical, histopathological and therapeutic considerations in non-neoplastic abnormal uterine in menopause transition. Rom J Morphol Embryol. 2011; 52(3):759-65.

Danielle Cristina Zimmermann Franco
Farmacêutica com residência em Farmácia Hospitalar pela UFJF, especialista em Farmacologia pela UFLA, mestre em Ciências Farmacêuticas pela UFJF e professora de Farmacologia nesta mesma instituição.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER