Principais Vias de Administração de Medicamentos

Principais Vias de Administração de Medicamentos
FARMACIA
A administração de medicamentos deve ser realizada com eficiência, segurança e responsabilidade, a fim de que sejam alcançados os objetivos da terapêutica implementada. As drogas podem ser em sua maioria, administradas por uma variedade de vias. A escolha da via apropriada em determinada situação depende tanto da droga quanto de fatores relacionados ao paciente.

O método de administração dos medicamentos depende da rapidez com que se deseja a ação da droga, da natureza e quantidade da droga a ser administrada e das condições do paciente.

Podem-se dividir as vias em Parenteral e Enteral. A via Parenteral incluem as Injeções (que podem ser Intramuscular, Intravenosa e Subcutânea). A via Enteral são as drogas de uso Retal e Oral.

1) Via Parenteral

Refere-se à administração da droga por injeção, liberando-a diretamente no líquido tecidual ou no sangue, sem atravessar a mucosa intestinal. A ação é mais rápida e segura, não provocando irritação gástrica nem vômito. Pode ser utilizada para pacientes inconscientes, não há probabilidade de interferência pelos alimentos ou sucos digestivos e o fármaco não passa pelo fígado. Suas desvantagens são: a preparação precisa ser esterilizada e o seu custo é mais alto, a técnica é invasiva e dolorosa, existe a probabilidade de lesão tecidual local e em geral, é mais perigosa.

1.1) Intramuscular (IM): deposita a medicação profundamente em tecidos musculares esqueléticos como o deltoide, o tríceps, glúteo máximo, etc. A absorção é mais rápida por ser muito vascularizado, sendo menos dolorosa devido os músculos possuírem poucos nervos sensoriais.

1.2) Intravenosa (IV): deve ser administrado lentamente durante várias horas em uma das veias superficiais e com monitorização das reações do paciente. O fármaco alcança diretamente a corrente sanguínea e os efeitos são produzidos imediatamente. Uma vez injetado um fármaco, não há maneira de retirá-lo. Constitui a via mais perigosa e, os órgãos vitais, como o coração, o cérebro, etc., são expostos a altas concentrações da droga.

1.3) Subcutânea (SC): A absorção é mais lenta, pois a droga é depositada no tecido subcutâneo que é menos vascularizado, mas ricamente suprido por nervos (por isso, as drogas irritantes não podem ser administradas por essa via).

2) Via Enteral
2.1) Oral: é o método mais seguro, mais conveniente, mais econômico, não necessita de ajuda, não é invasiva, e é quase sempre indolor. Podem ser administradas por via oral as formulações sólidas (pós, comprimidos, cápsulas, drágeas) e as formulações líquidas (elixires, xaropes, emulsões, misturas). As desvantagens dessa via são: impossibilidade de absorção de alguns agentes por causa de suas características físicas, os vômitos em resposta à irritação da mucosa gastrointestinal, destruição de alguns agentes farmacológicos por enzimas digestivas ou pelo pH gástrico, irregularidades de absorção e necessidade de cooperação por parte do paciente.

2.2) Sublingual: os medicamentos ao colocados debaixo da língua para serem absorvidos pelos pequenos vasos sanguíneos ali situados. Apenas as drogas lipossolúveis e não irritantes podem ser administradas por essa via. A absorção é relativamente rápida, podendo a ação ser produzida em poucos minutos. A principal vantagem é omitir a passagem pelo fígado. A maioria dos medicamentos não pode ser administrada por essa via porque a absorção é em geral incompleta e errática.

2.3) Retal: essa via é utilizada quando o paciente apresenta vômitos ou se encontra inconsciente. A absorção é mais lenta, irregular e, com frequência, imprevisível. A administração, utilizando-se de supositórios, tem por objetivo deixar o fármaco livre do metabolismo de primeira passagem, no fígado, mas a absorção retal costuma ser irregular e incompleta e muitos fármacos provocam irritação da mucosa retal.

Para tanto, a escolha de determinada via ou sistema de administração das drogas, depende de vários fatores:
- Efeito local ou sistêmico;
- Propriedades da droga e da forma farmacêutica administrada;
- Idade do paciente;
- Tempo necessário para o início do efeito;
- Duração do tratamento;
- Obediência do paciente ao regime terapêutico.

Referências
PORTAL EDUCAÇÃO. Curso de Farmacologia, 2011.
TRIPATHI, KD. Farmacologia Médica. 5ª Ed. Editora Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2006.

Bruna Chaves Amorim
Graduada em Farmácia pelo Centro Universitário de Caratinga - UNEC (2008). Mestre em Ciências Naturais e da Saúde pela UNEC (2010). Especialista em Docência do Ensino Superior pela Universidade Cândido Mendes (UCAM) - Instituto Prominas. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8240525138796370
Seja um colunista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER