Fenomenologia - existencial

Fenomenologia - existencial
PSICOLOGIA
Essa abordagem que surgiu em meados do século XIX, seus percussores foram: Edmund Husserl, Martin Heidegger, e Jean-Paul Sartre. A fenomenologia baseia-se na filosofia tradicional. Tem como preocupação central a descrição da realidade, é uma filosofia da vivência. O interesse para a Fenomenologia é o modo como o conhecimento do mundo se dá e se realiza para cada pessoa. Já segundo o existencialismo o homem tem primeiro uma existência metafísica. Quando esses dois pensamentos se juntam temos então uma abordagem onde o homem é responsável por aquilo que é. Não importa o que as circunstâncias fazem do homem, “mas o que ele faz do que fizeram dele.”. O existencialismo fenomenológico considera cada ser único e dono do seu destino.


Essa abordagem tem como base principal o sentido do ser. Com base nesse pensamento a consciência nos chama a assumir nossa culpa, ou seja, assumir a responsabilidade por todas as nossas ações, e os resultados que esta gera em nossas vidas. O homem é um “ser” no mundo, o homem é lançado e submetido a uma situação que não escolheu, para descobrir o sentido de sua própria existência e orientar suas ações nas direções mais diversas.


Não somos aquilo que queremos ser, somos frutos do que estamos vivendo, cuja responsabilidade é apenas nossa. Quando fazemos uma escolha do que queremos ser não estamos escolhendo apenas o que queremos ser, mas, como todos os outros devem ser a partir do momento que nos deparamos com tal situação surge ao se descobrir que somos donos de nossos destinos, angústia.


A angústia que segundo Sartre todos tem, seja por ignora-la fingindo não ter nenhuma responsabilidade sobre si e sobre o outro, ou quando se admite tal responsabilidade. Ela é a disposição fundamental que nos leva a sermos nós mesmos. A maldade humana e a fraternidade são opostas que nos ligam à responsabilidade de nossas escolhas: angústia como a consciência do que somos. (NadimeL'Apiccirella-2004)


Sendo assim a angústia para de ser vista como fator patológico e passa a ser vista como fator de realização e crescimento humano. No ponto de vista de Sartre. Os existencialistas fenomenológicos trabalham muito ainda a questão da consciência, a consciência do fenômeno, e tudo aquilo que se mostra e existe só existe porque tomamos consciência eu esses fenômenos aconteceram. Os fenômenos devem ser estudados pelo que são. Para os existencialistas fenomenológicos existe apenas a consciência, diferente dos psicanalistas que trabalho com o inconsciente e o pré-consciente.


Consideramos que essa abordagem em psicologia é muito rica e envolve autoanálise, e autoconhecimento. Envolve ainda a compreensão de que os processos não são lineares, e tem como princípio da crença no homem na sua forma de estar no mundo, na sua forma de escolher sua existência esse homem encara o vazio, a culpa, a angústia, a morte, sempre buscando achar-se e transcender-se.

Karoliny Monteiro Viana Lima
Futura psicologa, acadêmica de humanidades e monitora de teatro e matemática. Apaixonada pela vida, escrita leitura e musica!
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER