Bioterápicos

Bioterápicos
FARMACIA

Introdução e Classificação

Bioterápicos, de acordo com o Manual de Normas Técnicas da Associação Brasileira de Farmacêuticos Homeopatas, são “produtos não quimicamente definidos (secreções, excreções fisilogicas ou patológicas, certos produtos de origem microbiana e alergenos) que servem de matéria prima para as preparações bioterápicas de uso homeopático”.

Estes medicamentos podem ser classificados em duas grandes categorias:


A - Bioterápicos de Estoque

1. códex - soros, vacinas, toxinas e anatoxinas, inscritos na Farmacopéia Francesa, preparada por laboratórios especializados (Instituto Pasteur francês ou Mérieux).

Ex. BCG, Staphylotoxinum, Tuberculinum.

2. simples - Obtidas a partir de "vacinas estoques" constituídas por culturas microbianas puras, lisadas e atenuadas em determinadas condições. Ex.Colibacillinum, Influenzinum, Streptococcinum.

3. complexos - definidos pelo seu modo de obtenção (secreções ou excreções patológicas) ou seu modo de preparação. Ex. Luesinum, Psorinum, nosódios intestinais Bach-Paterson.

4.ingleses ( Nosódios Intestinais de Bach-Paterson)

5. Bioterápicos Dr. Roberto Costa - (nosódios vivos Roberto Costa)- São preparados com microrganismos vivos, na escala decimal, usando como diluente cloreto de sódio 0,9%. A solução de partida é uma suspensão contendo três bilhões de microorganismos por ml, em solução. Até a D 11 as diluições são feitas em solução fisiológica 0,9%. Da D12 em diante, as diluições são feitas em solução hidroalcoólicas 50%. Para cada diluição são dadas 50 sucussões.


B - Isoterápicos


1. isoterápicos - ou hetero-isoterápicos, são preparados a partir de substâncias exógenas (alérgenos, toxinas ou medicamentos), tudo que de alguma forma "sensibilizam" o paciente. Estão nessa categoria todos os alérgenos, pólens, poeiras, pêlos, solventes, medicamentos alopáticos, alimentos, etc.

2. auto isoterápicos - ou endógenos (auto-nosódios) - são preparados a partir de excreções ou secreções obtidas do próprio doente (sangue, urina, escamas, fezes, pus, etc). Antigamente eram camadas de nosódios.

Prescrição
       

Poderá ser solicitado por médicos, veterinários e dentistas. No receituário deve constar material que deve ser ou foi coletado, (dinamização desejada e forma farmacêutica desejada).


Como as farmácias não estão preparadas para a realização de coletas de materiais veterinários, seria interessante conversar com a (o) farmacêutica (o) responsável de uma farmácia homeopática e se informar sobre o modo de coleta e conservação.


Nunca esquecer de avisar se o material for de doença infecto-contagiosa, com mais ênfase ainda se for uma zoonose. Segundo os farmacêuticos, FORMOL não é ideal, devendo ser evitado, melhor são água/álcool/glicerina, soro fisiológico ou álcool 96°. O material tem prazo de validade, é interessante consultar a farmácia.


       

Exemplos

Bioterápicos ditos "Códex”


• Aviare - (sinonímia: Tuberculinum aviare) - produto otido a partir de culturas de mycobacterium tuberculosis variedade aviare, sem adição de antissépticos.


• Diphtericum - soro antidiftérico proveniente de animais imunizados com toxina ou com anatoxina diftérica.


• D.T.T.A.B. - toxina diftérica diluída, obtida diluindo-se o líquido da cultura do bacilo diftérico recentemente preparado e filtrado em filtro de porcelana, com solução isotônica de cloreto de sódio.


• Gonotoxinum-vacina anti gonogócica constituída por uma suspensão de bactérias provenientes de culturas de "gonococos" mortos por aquecimento, em solução isotônica de cloreto de sódio.


• Staphylotoxinum-preparado a partir de anatoxina estafilocócica descrita no "Códex".


• Tuberculinum-tuberculina bruta obtida a partir de culturas de espécies de Mycobacterium tuberculosis de origem humana e bovina. Antiga denominação: T.K.


• Vaccinotoxinum-vacina antivariólica preparada a partir de fragmentos epidérmicos recolhidos por raspagem de uma erupção cutânea de varíola em uma novilha inoculada, após cinco dias com o vírus da varíola.


Bioterápicos simples.


• Colibacilinum - lisado obtido a partir de culturas de Escherichia coli, sem adição de antissépticos.


• Eberthinum-lisado a partir de culturas de Salmonella typhy, sem adição de antisséptico.


• Enterococcinum-lisado obtido a partir de culturas de Streptococcus fecalis, sem adição de antisséptico.


• Paratyphoidinum B-lisado obtido a partir de culturas de Salmonella paratyphi B sem adição de antisséptico.


• Staphylococcinum-lisado obtido a partir de culturas de Staphylococcus aureus, sem adição de antisséptico.


• Streptococcinum-lisado obtido a partir de culturas de Streptococcus detoxicados, sem adição de antisséptico.


Bioterápicos Complexos


• Anthracinum-preparado a partir de um lisado de fígado de coelho infectado por carbúnculo (Bacilus anthracis).


• Luesinum-lisado de serosidades treponêmicas de cancros duros, preparados sem adição de antissépticos. Antiga denominação: Syphilinum.


• Medorrhinum-lisado de secreções uretrais blenorrágicas colhidas antes de tratamento por antibióticos ou sulfamidas.


• Pertussinum-lisado de expectoração de doentes com coqueluche, colhidas antes de qualquer tratamento.


• Psorinum-lisado de serosidade de lesões de sarna, colhida de doentes sem tratamento prévio.


Bioterápicos ingleses


• Bacilo de Morgan (Proteus morgani) Bacilo Gram-negativo, móvel, anaeróbio facultativo, isolado de fezes de crianças com diarréia estival; ele seria responsável pela diarréia.


• Dysentery-Co ou B. dysenterial (Shigella dysenteriae) - Bacilo Gram negativo imóvel, anaeráobico facultativo, agente da disenteria bacilar à qual só o homem e o macaco são sensíveis.


• B.Gaertner (Samonella enterididis) - S. enteritidis é um sorotipo de Salmonella, freqüente nos animais, que provoca intoxicações alimentares no homem.


• Sycotic-Co ou Sycoccus-Paterson (Streptococcus faecalis)- estreptococo ovóide, alongado, não hemolítico, isolado de matérias fecais do homem e dos animais.


• Bacillus nº 10- não há correspondente na nomenclatura bacteriógica. Preparado pela Farmácia Nélson, de Londres, sem mais informações.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Seja um colunista
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER