Vapor de Ozônio

Vapor de Ozônio
ESTETICA
Vapor de Ozônio
 
 
           A utilização do vapor de ozônio nos dias atuais tem sua origem nos banhos de vapor ou sauna desenvolvidos por nossos antepassados, e ficaram conhecidos nos mais variados pontos do planeta como um excelente método para a desintoxicação e limpeza do organismo. Mas desenvolveu-se sua utilidade também nas terapias estéticas, quando se pretende atuar somente em alguma região especial do corpo como o rosto, as costas e o peito, empregando o vapor dirigido como um recurso auxiliar na técnica de limpeza de pele.

            A vaporização proporciona efeitos sobre a pele como a emoliência e a dilatação dos poros que facilitam as extrações dos comedões e pústulas durante o processo de limpeza profunda da pele, bem como antes de esfoliações e hidratações corporais e faciais. Além disso, percebe-se uma vasodilatação na pele devido ao aquecimento provocado pelo jato de vapor quente que é importante para a absorção de produtos nutritivos quando se faz tratamentos de descontaminação, principalmente, do quadro acneico, onde observamos alto índice de micro-organismos. Também é utilizado nos processos de esfoliação e hidratação em Terapia Capilar.

            O vapor de ozônio pode ser utilizado em todos os diferentes tipos de pele com ótimos resultados devendo sempre ser aplicado após a higienização e total remoção das impurezas (maquiagem e resíduos) da pele. Sempre devemos proteger os olhos com algodão umedecido em loção apropriada, deixar uma distância de saída do vapor até a região a ser tratada de aproximadamente 40 centímetros e observar se a pele apresenta poros dilatados ou problemas circulatórios ou se é muito sensível, casos em que a vaporização é contraindicada.
           O Vaporizador é o equipamento utilizado para fazer a vaporização, ou seja, realiza a evaporação de água por meio de uma resistência responsável pela ebulição da água. Uma lâmpada germicida colocada estrategicamente irradia o vapor de água constituído por moléculas de ozônio. Permite a escolha de saída do vapor de água ou a saída de vapor ozonizado. O direcionamento do vapor é facilitado por meio da haste articulada e do bico de saída do vapor que permitem sua utilização em ângulos diferentes auxiliando o tratamento em qualquer região do corpo.
            No entanto, muitos acidentes com este equipamento foram registrados. A forma indevida de uso e a falta de cuidados com a qualidade da água são os maiores agravantes para a possibilidade de ocorrências de riscos em nossa cabine. É comum encontrarmos incidentes como jatos de água fervente sendo projetados pela cânula do vapor, borbulhamento de água fervente para fora da caldeira, arrebentamento da caldeira durante o processo de fervura da água, etc.
            Estes incidentes são responsáveis por sérias queimaduras tanto em profissionais como em pacientes sendo fatores que denigrem a qualidade do atendimento do esteticista podendo repercutir negativamente em nossa atuação profissional sem mencionar as possibilidades de respondermos judicialmente pela negligência. Para que estes incidentes sejam evitados são necessários alguns cuidados imprescindíveis como:
 
  • Optar sempre por adquirir equipamentos de fabricantes idôneos que tenham Registro no Ministério da Saúde;
  • Ao comprar o equipamento testá-lo antes do uso em pacientes;
  • Utilizar sempre água filtrada que é livre de impurezas, micro-organismos, partículas de areia e de terra, pedregulhos, etc.;
  • Observar se a água forma espuma excessiva ao ferver porque, dependendo do tratamento que essa água receber da rede de fornecimento, ela pode apresentar componentes que modificam a sua qualidade;
  • Se possível, ferver a água e reservá-la antes de adicioná-la ao vapor para eliminar o excesso de cloro que costuma sedimentar-se nas paredes internas da caldeira do vapor sob a forma de pequenos cristais. Estes pequenos cristais podem vir a se desprender e entupir a saída do vapor provocando jatos de água fervente;
  • Observar se a tampa está bem rosqueada vedando perfeitamente a caldeira para evitar vazamentos e borbulhamentos de água fervente;
  • Observar se o volume de água antes de ligar o vapor é adequado e suficiente antes de iniciar o atendimento;
  • Nunca adicionar água fria dentro da caldeira fervendo;
  • Não exceder o tempo de aplicação do vapor com ozônio além de 5 minutos, pois sabemos que o ozônio é um gás de excelente efeito bactericida e fungicida, mas que em excesso pode provocar efeitos tóxicos quando inalado e, portanto, sendo desaconselhável seu uso por tempo prolongado principalmente por gestantes;
  • Nunca adicionar óleos essenciais para aromaterapia à água porque estes danificam o funcionamento do equipamento. Para aromaterapia, muitos fabricantes oferecem diversos recursos apropriados sem comprometer a segurança do sistema de vaporização do equipamento.
             Esses cuidados indispensáveis com certeza garantirão conscientemente o uso do vapor de ozônio com maior segurança, trazendo melhores resultados aos nossos procedimentos estéticos, preservando os pacientes e assegurando o nosso sucesso profissional. *
 

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Seja um colunista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

ARTIGOS RELACIONADOS