Teoria de Callista Roy

Teoria de Callista Roy
ENFERMAGEM
Callista Roy, enfermeira formada em 1963, com Doutorado em Sociologia em 1977, desenvolveu um modelo de adaptação que foi a base de seu trabalho de graduação, sob orientação de Dorothy E. Johnson, pioneira da proposição da enfermagem como ciência e arte e que desenvolveu o modelo de sistemas comportamentais.

Sob esta influência, apresenta determinadas áreas de fundamental importância para a prática da enfermagem, quais sejam:

- A pessoa que é receptora do atendimento de enfermagem;

- O conceito de ambiente;

- O conceito de saúde;

- A enfermagem.

O receptor do cuidado de enfermagem pode ser o indivíduo, a família, a comunidade ou a sociedade, cada qual com uma abordagem holística de adaptação. Os aspectos individuais compõem um ser unificado e as pessoas sempre estão interagindo com o ambiente, com permanente troca de informações, estímulos e respostas, constituindo um sistema em que existem entradas, saídas, controles e retroalimentação.

Esse sistema apresenta entradas na forma de estímulos e nível de adaptação, e saídas com respostas comportamentais, que poderão ser retroalimentadoras e determinantes de processos de controles (mecanismos de enfrentamento). Essas entradas podem ter origem no meio externo à pessoa ou em si próprio, e os estímulos poderão ter características classificadas como focal, contextual e residual. O estímulo focal é o que mais impacto causa na pessoa, determinando mudanças.

O estímulo contextual são aqueles que advêm do meio interno ou externo à pessoa, com influência positiva ou negativa sobre a situação. O estímulo residual são aqueles que, advindos do meio interno e/ou externo, não são claramente identificados. Com estes estímulos entra em ação o sistema adaptativo, cujo nível será determinado pela intensidade dos estímulos presentes.

As respostas são individuais e o nível de adaptação está sempre em constante mudança. Essas respostas são identificadas pelas mudanças ocorridas e, nesta situação, o enfermeiro se faz necessário para a identificação destas respostas, por intermédio de sua percepção.

A adaptação a esses estímulos constitui a resposta do indivíduo e promove o equilíbrio e integridade do sistema e, por consequência, da própria pessoa. As respostas do indivíduo na forma de controle do processo constituem-se no mecanismo de enfrentamento defendido por Roy, que podem ter natureza genética ou de herança (sistema imunológico), ou de aprendizagem (por exemplo, uso de antissépticos para ferimentos). A regulação na busca do equilíbrio é identificada e pode ter origem externa ou interna, tendo como resposta mecanismos reguladores como, por exemplo, os de natureza química, neural ou endócrina. Ela considera, por exemplo, a existência de subsistemas reguladores que respondem aos estímulos. Entre os muitos existentes está àquele que promove a retroalimentação respiratória, em que o aumento do dióxido de carbono estimula os quimiorreceptores na medula a aumentar a frequência respiratória como compensação.

Outro subsistema identificado por Roy é o subsistema cognato, relacionado com as funções cerebrais superiores de percepção, processamento de informações, julgamento e da emoção. A dor é reconhecida como estímulo interno de entrada que leva o indivíduo a perceber, avaliar, julgar e decidir.

Roy identificou quatro modos de adaptação, quais sejam:

- O fisiológico, resposta física aos estímulos ambientais, como a oxigenação, a nutrição, a eliminação, a atividade, o repouso e a proteção;

- O autoconceito, relacionado com a necessidade de integridade psíquica, em que o foco é o ser pessoa e o ser físico, onde predominam os aspectos psicológicos e espirituais da pessoa;

- Modo de função do papel, na qual a principal necessidade preenchida é a integridade social, aonde são identificados os papéis primário, secundário e terciário. O papel primário determina a maioria dos comportamentos e é definido pelo sexo, idade e estágio de desenvolvimento da pessoa, determinando as realizações pelo papel secundário. O papel terciário é temporário, escolhido com liberdade (por exemplo, os hobbies que temos);

- Modo de interdependência, onde as necessidades afetivas são preenchidas, incluindo os valores humanos que são por ele identificados, como a afeição, o amor e a afirmação.

O modelo de adaptação de Roy, enfim, é um excelente parâmetro para as ações do enfermeiro, quando estão presentes as investigações do comportamento, do estímulo, o diagnóstico de enfermagem, o estabelecimento de metas, a intervenção e a avaliação.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Seja um colunista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER