Pneumotórax

Pneumotórax
ENFERMAGEM
É a presença de ar na cavidade pleural, podendo levar à compressão do parênquima pulmonar e insuficiência respiratória. Nas contusões, dois mecanismos podem ser responsáveis pela lesão pulmonar com extravasamento de ar para a pleura, uma laceração do pulmão pela compressão aguda do tórax, ou uma espícula óssea, de uma costela fraturada, perfurando o pulmão. Se houver fístula de parênquima pulmonar com mecanismo valvulado o pneumotórax pode se tornar hipertensivo com desvio do mediastino para o lado contralateral, com torção das veias cavas e choque e se não for rapidamente tratado pode levar à morte.

Diagnóstico:

• Dispneia (relacionada ao grau de compressão do parênquima pulmonar);

• Abaulamento do hemitórax afetado (mais nítido em crianças);

• Hipertimpanismo à percussão;

• Ausência ou diminuição do murmúrio vesicular;

• Nos casos de pneumotórax hipertensivo, aparecem sinais de choque com pressão venosa alta (estase jugular);

• Radiografia de tórax revela a linha de pleura visceral afastada do gradeado costal. Julgamos importante lembrar que quando o paciente estiver com condição clínica desfavorável (principalmente se com sinais de pneumotórax hipertensivo), deve-se instituir a terapêutica sem os exames radiológicos, apenas com os dados do exame físico.

Radiograma de pneumotórax hipertensivo, meramente ilustrativa mostrando o risco que corre o paciente.

Na dúvida, pode-se realizar a punção pleural com seringa contendo líquido, o que confirma o diagnóstico.

Conduta:

• Drenagem pleural sob selo d’água no 6º ou 7º espaço intercostal na linha axilar média, com dreno tubular multiperfurado. Nos casos de pneumotórax traumático recomendamos sempre a drenagem em espaços baixos e laterais nunca nos primeiros espaços e anteriores, pois no trauma o pneumotórax se associa com grande frequência ao hemotórax;

• Após a drenagem pleural sob selo d’água notaremos um borbulhamento pelo dreno, o qual poderá continuar nos casos de persistência de extravasamento de ar pelo parênquima pulmonar (fístula de parênquima). Habitualmente esse borbulhamento para espontaneamente. Para ajudar no fechamento dessa fístula e melhorar a expansão pulmonar podemos utilizar a aspiração contínua com pressão de 10 a 20 cm de água. Se o borbulhamento persistir por um período prolongado (acima de 10 dias) indicamos a cirurgia para a sutura do pulmão a qual poderá ser realizada por toracotomia ou por cirurgia videoassistida;

• A ocorrência de fístula broncopleural com borbulhamento intenso à respiração, acompanhada de enfisema subcutâneo e insuficiência respiratória, levanta a suspeita de ruptura traqueobrônquica e obriga a investigação com fibrobroncoscopia e caso confirmada, a toracotomia deve ser imediata.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER