A Estrutura do Gênero Dramático

A Estrutura do Gênero Dramático
PEDAGOGIA

O gênero dramático se diferencia dos outros principalmente pelo fato de não ser um texto escrito para ser lido, e sim representado. Dessa forma, sua estrutura é também muito singular. Veremos alguns traços importantes a serem observados nesse gênero. A primeira questão é que o texto escrito para ser encenado possui duas estruturas, não apenas uma como nos demais. Aqui falamos em estrutura interna e estrutura externa do texto.

Quanto à estrutura interna do texto, temos a situação inicial, o conflito e o desenlace.

- Situação inicial: é a apresentação dos personagens e da intriga a ser desenvolvida;

- Conflito: é o desenvolvimento da ação ou interação discursiva por meio de uma sequência de atos até se chegar ao ponto culminante do conflito.

- Desenlace: é o resultado final da interação discursiva entre as forças oponentes do conflito. É o destino final de cada personagem.

Na estrutura externa do texto dramático, encontramos o ato, que é a grande divisão do texto que decorre num mesmo espaço, e a cena, que é a subdivisão do ato, determinada pelas entradas e saídas das personagens.

O gênero dramático é uma arte que consiste, entre outros aspectos, na representação do real através da imitação - de gestos expressões, sentimentos, atitudes e situações, através de linguagem não verbal e linguagem verbal, oral relacionados com um determinado contexto situacional. Para que isso ocorra, é necessária a presença de um locutor (aquele que emite a mensagem), de um interlocutor (ou ouvinte), que recebe a mensagem. E isso é muito claro na representação teatral. Os principais meios utilizados para que essa comunicação aconteça são a linguagem oral, a linguagem escrita e a linguagem não verbal.

No texto dramático, os procedimentos narrativos extrapolam os limites do alcance literário, para atingirem as dimensões da encenação cênica temos, além do texto em si, que constitui o discurso das personagens, as chamadas indicações cênicas, rubricas ou didascálias, que aparecem sempre entre parênteses e em itálico e indicam quais devem ser as atitudes das personagens, além da entonação, expressão ou gesto que devem ser feitos em cada cena. As rubricas ou didascálias representam a voz do dramaturgo que se dirige aos profissionais de teatro ou, no âmbito textual, ao leitor, assumindo, ele próprio, o papel de narrador, de verdadeiro articulador da ação dramática.

Quanto às falas das personagens, elas podem ser em forma de:

- Diálogo: quando o locutor e interlocutor comunicam entre si através de uma interação discursiva baseada em atos de fala, com uma determinada cadeia de referência;

- Monólogo: é uma produção verbal sem a interferência direta do interlocutor, ou com um interlocutor virtual, que na verdade é o próprio locutor;

- Apartes: quando a personagem faz comentários para o público, que assim passa de ouvinte a interlocutor passivo.

Como o texto dramático é escrito para ser representado, temos então uma hibridização das artes. A literatura funde-se com a arte cênica para que o espetáculo aconteça e para que o público se emocione. Dessa forma, alguns aspectos externos à arte literária devem ser considerados.

Um desses aspectos é o espaço teatral, que é o próprio palco e os cenários nele contidos. O tempo é outra questão importante, já que deve ser breve diante da apresentação que deve acontecer. As personagens são encorporadas pelos atores da peça. A linguagem, por sua vez, é predominantemente verbal e objetiva, predominando os diálogos, podendo aparecer, no entanto, os monólogos e os apartes.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER