Eletromiografia - Método de medição em biomecânica do movimento

Eletromiografia -  Método de medição em biomecânica do movimento
EDUCACAO-FISICA
Eletromiografia (EMG) é o termo genérico que expressa o método de registro da atividade elétrica de um músculo quando realiza contração (AMADIO e DUARTE, 1996; AMADIO e SERRÃO, 2007). Enoka (2000) indica que a eletromiografia é uma técnica de monitoramento da atividade elétrica das membranas excitáveis, representando a medida dos potenciais de ação do sarcolema, como efeito de voltagem em função do tempo.

A eletromiografia apresenta inúmeras aplicações, notadamente na clínica médica, para diagnóstico de doenças neuromusculares; na reabilitação, na reeducação da ação muscular (“biofeedback” eletromiografico); na anatomia, com o intuito de revelar a ação muscular em determinados movimentos; e na biomecânica no sentido de servir como ferramenta indicadora de alguns fenômenos (AMADIO e DUARTE, 1996; AMADIO e SERRÃO, 2007).

Para tanto, o sinal da eletromiografia é adquirido, segundo Marchetti e Duarte (2006) por meio de um eletromiógrafo que tipicamente está acoplado a um computador.

O ponto de colocação dos eletrodos é ainda muito divergente entre os pesquisadores. Hermens et al. (2000) realizaram uma análise metodológica com foco na padronização da colocação dos eletrodos da eletromiografia. Para tanto os autores analisaram 144 artigos e dividiram em três grandes grupos o posicionamento dos eletrodos:

1) Sobre o ventre muscular (zona de maior massa aparente);

2) Algum ponto entre a zona de intervenção (ponto motor) e o tendão;

3) No próprio ponto motor.

Além disso, neste estudo os autores ainda colocam que 50 dos 144 artigos avaliados utilizam uma distância entre os eletrodos de 20 mm, mas esta costuma variar conforme o comprimento do músculo avaliado, sendo que músculos mais longos tendem a possuir uma distância entre os eletrodos maior.

O sinal EMG captado no corpo humano é um sinal analógico (um sinal contínuo no tempo) que é convertido para um sinal digital para poder ser registrado pelo computador. Para tanto, certos parâmetros devem ser ajustados na aquisição do sinal, dependendo da tarefa e dos objetivos (MARCHETTI e DUARTE, 2006).

Para a coleta dos dados a frequência de aquisição, para a eletromiografia de superfície, é considerada como a maior frequência que fica em torno de 400 a 500 Hz. Para Menzel (2009), a frequência de aquisição deve ser, no mínimo, 1000 Hz.

Após a coleta de dados são necessários importantes procedimentos para o tratamento do sinal. Os valores para os filtros são diversificados e podem ser utilizadas frequências de 8-500 Hz para o tratamento (filtro passa banda) (SILVA, 2010).

Com relação aos estudos que tratam da eletromiografia, pode-se dizer que há uma busca principalmente associada à investigação da ativação muscular no esporte e na locomoção.

Lunes e Santos (2005) avaliaram três músculos: tibial anterior, gastrocnêmio (tríceps sural) e músculos lombares (paravertebrais) para a comparação da marcha de forma natural, primeiro descalços, depois usando salto baixo e finalmente salto alto. Os resultados indicaram que o tibial anterior e o gastrocnêmio mostraram um aumento da atividade muscular durante a marcha com salto alto, quando comparada à marcha descalça.

Durante a marcha com salto baixo, a atividade muscular do tibial anterior e gastrocnêmio foi diferente da marcha descalça. Os músculos lombares não mostraram uma alteração significativa.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER