O que é o risco cambial?

O que é o risco cambial?
CONTABILIDADE
Pode-se entender por risco cambial a possibilidade das taxas de câmbio entre moedas dos países exportadores e importadores se moverem adversamente entre a data da cotação e a data da liquidação de um negócio. Ou a possibilidade de uma perda ou de um ganho resultante de uma variação nas taxas de câmbio entre moedas.

A seguir veremos alguns tipos de Riscos Cambiais:

• Risco da Exposição: dada uma visão particular ou previsão, procura-se determinar em que medida o fluxo de caixa será afetado;
• Risco de Previsão: avalia a probabilidade de oscilação da taxa no período do negócio para que se possa ter uma noção da cobertura do mesmo;
• Risco de Mercado e de Transação: considera os riscos ligados a cada mercado em particular e a probabilidade de uma transação não decorrer como o esperado;
• Risco do Sistema: considera as lacunas ou fraquezas do sistema de gestão da exposição aos riscos na empresa.

A quem afeta o risco cambial?

As empresas que trabalham com divisas estrangeiras, deverão preocupar-se com a gestão eficiente do risco cambial. Essas empresas esperam do Governo - por meio da Política Cambial – esclarecimentos dos riscos que correm nesse mercado. A partir do momento em que a empresa está ciente, ela assume os riscos e sabe que estará vulnerável a fatores externos, os quais fogem ao controle da gestão interna da mesma. Também cabe à empresa um minucioso planejamento para alcançar a minimização dos custos, bem como a maximização dos ganhos, determinando qual margem do fluxo de caixa estará vinculado à taxa cambial.

Risco cambial e as empresas

Algumas medidas podem afetar diretamente as empresas que operam com o risco cambial, são elas:

a) Decréscimo nas taxas de câmbio

O decréscimo nas taxas de câmbio torna a moeda nacional mais barata face às restantes. A desvalorização da moeda tem um efeito benéfico sobre as exportações, que se tornam mais competitivas. Consequentemente, tem um efeito nefasto sobre as importações. Funciona como instrumento corretor de desequilíbrios da balança de pagamentos. Se um Estado não produz um determinado bem essencial, a sua importação não diminui face às alterações das taxas de câmbio.

É preciso ter em conta que, em longo prazo, em Estados com elevada dependência das importações, a descida das taxas de câmbio é geradora de inflação.

b) Subida das taxas de câmbio

A subida das taxas de câmbio tem o efeito contrário. As exportações perdem competitividade no mercado concorrencial, tornando as importações mais baratas. Consequentemente, as empresas nacionais reduzem o seu volume de vendas, o que gera menos receitas fiscais e desemprego.

Minimizando os efeitos do risco cambial nas empresas


Os caminhos para se evitar ou minimizar os riscos cambiais nos negócios empresariais passa por uma Gestão de responsabilidade, eficiência e eficácia.

Mesmo o melhor administrador, não conseguirá conhecer tudo o que se passa na empresa em detalhes, mas o seu trabalho é assegurar que os sistemas de controles adequados dos riscos sejam implementados.

Algumas formas de minimizar o risco cambial:

• Evitá-lo: a melhor forma de evitar o risco cambial é obter financiamento na moeda local;
• Estabelecer políticas sobre a exposição e a gestão cambial: determinar políticas e medidas específicas antes de aceitar a exposição cambial;
• Explorar instrumentos de cobertura cambial: é crescente o número de instituições que trabalham com este produto, disponíveis em algumas divisas, porém, com alto custo.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER