Como organizar sua casa e viver só com o essencial

Como organizar sua casa e viver só com o essencial
COTIDIANO

Como organizar sua casa e viver só com o essencial

Por Nara Siqueira | Vida Simples

 

Agora que o lugar em que passamos todo o nosso tempo (ou grande parte dele, caso você ainda precise sair para trabalhar) é em casa, por que não aproveitar para encarar a bagunça, tanto interna quanto externa, e transformar esse espaço em um verdadeiro lar? “Nossa casa tem que ser vivida, ela não serve só para tomar banho e dormir”, diz Clô Azevedo, arquiteta, diretora de arte, fundadora do projeto Design Afetivo e colunista de Vida Simples.

 

Organizar as gavetas e limpar os armários é mais uma consequência de uma ressignificação interna, de acolhimento dos nossos sentimentos, do que um simples faxinar. Quando entendemos que não é porque algo nos trouxe felicidade no passado que continua nos fazendo bem e o deixamos ir, abrimos espaço para descobrir o que é verdadeiramente essencial na nossa vida. “O desapego tem a ver com estarmos prontos para passarmos para uma nova fase da vida”, afirma ela.

 

Preparamos algumas sugestões de como você pode começar a repensar o que tem e o que realmente quer manter por perto. Mas é importante lembrar que essa arrumação toda leva tempo: ao abrir uma caixa, podemos nos deparar com lembranças não tão prazerosas. Permita-se fazer isso com calma, no seu ritmo, respeitando suas emoções. Vamos lá?

 

1) Método Marie Kondo

 

O intuito aqui é uma organização por categorias. Ao invés de se dedicar a um cômodo por vez, foque em uma família de objetos, como livros, roupas ou utensílios domésticos. Às vezes, a gente tem, por exemplo, diversas bolsas de água quente em casa e nem sabemos da existência de todas elas, porque fica uma na cozinha, outra na sala, outra no quarto… Enfim, ao separar as categorias, reflita se todos aqueles itens são realmente necessários ou se é hora de passar alguns para frente.

 

2) Método Jogo dos Minimalistas

 

Essa técnica também pede que você separe seus pertences em categorias. A ideia é ir aumentando o número de desapegos com o passar do tempo. No dia 1, separe para doação ou venda um item. No segundo dia, 2 itens. Terceiro, três, e assim por diante.

 

3) Método das 4 Caixas

 

Aqui, você vai escolher o ambiente que precisa desentralhar: o quarto, a cozinha, a sala. Pegue quatro caixas e destine uma para os pertences que serão jogados fora, outra para os que irão para doação, outra para os que você tentará consertar e a última para os que serão vendidos. O importante é cuidar para que as caixas tenham seu destino cumprido – não adianta separar um monte de objetos para doação e colocá-los de volta no armário, porque a bagunça vai se estabelecer mais uma vez. Doe assim que possível.

 

4) Método do Cabide Virado

 

Essa é uma técnica para aplicar no guarda-roupa. Separe todas as roupas da estação atual (no nosso caso, o outono), coloque-as em cabides e vire todos eles para o mesmo lado. Conforme for usando as peças, desvire o cabide. Tão logo entrarmos na estação seguinte, olhe para o seu armário e veja as que permaneceram intocáveis esse período todo. Talvez, esteja na hora de deixá-las ir…

 

5) Método do 20/20

 

Esse método é indicado para objetos mais comuns do nosso cotidiano. Muitas vezes, a gente titubeia em se livrar de algo pelo medo de precisar dele e não o ter mais à disposição. Quando, na verdade, encontrar um semelhante no momento de necessidade pode ser bem mais simples do que pensamos. Pois bem, estabeleça um valor, como R$20,00. Ao se deparar com algum item dessa faixa de preço em casa, e sobre o qual esteja em dúvida se o coloca na caixa do desapego, pergunte a si mesmo: será que consigo encontrar algo assim, por vinte reais, a vinte minutos de casa? Se a resposta for sim, desentralhe. Caso defina como meta R$10,00, você deve ser capaz de encontrar um objeto parecido, que cumpre a mesma função, a 10 minutos de onde mora. Se for R$5,00, a cinco minutos de distância. E por aí vai…

 

6) Método da Falsa Mudança

 

A falsa mudança funciona melhor quando realmente estamos mudando de casa, mas é possível fazê-la e seguir no mesmo ambiente. Em uma ou várias caixas, coloque aquilo que você não considera estritamente necessário. Sabe o que você usa pouco ou que nem se lembrava que tinha? Coloque essas caixas em um espaço longe do seu campo de visão. Se estiver indo para outra casa, peça para deixar no apartamento de um amigo, por exemplo. Caso contrário, deixe-as no quartinho da bagunça, em cima dos armários ou num cantinho que você não usa tanto. A ideia é, conforme a necessidade surgir, ir até esse pequeno estoque e resgatar o que você precisa.

Depois de um tempo, definido por você, pegue tudo o que não foi usado e passe para frente: dê a alguém que precisa, venda, faça bazar coletivo com as amigas. É um belo exercício para perceber que, no dia a dia, não usamos tantas coisas quanto imaginamos usar e que é, sim, possível viver com menos, bem menos. 

 

A Vida Simples é parceira do Portal Educação.

Equipe Vida Simples
Clô Azevedo é arquiteta e acredita que a casa é uma extensão das vidas que a habitam. Desenvolve projetos de design de interiores afetivos para conectar pessoas com suas histórias, inspirando a reinventar seu próprio espaço, morar bem e viver melhor. Seu site é designafetivo.com.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER