Paradigma Cartesiano e Paradigma Holístico

Paradigma Cartesiano e Paradigma Holístico
MEDICINA-ALTERNATIVA
A palavra paradigma vem sendo usada frequentemente desde que o filósofo e físico Thomas S. Khun a empregou em seu livro “The Structure of Scientific Revolutions”, significando modelo ou padrão a ser seguido para o estudo dos fenômenos e da realidade. Representa um sistema de aprender a aprender e determina normas para o desenvolvimento do conhecimento futuro.

Ciência significa o conjunto do conhecimento humano adquirido principalmente a partir da observação dos fenômenos da natureza, da intuição humana e, mais precisamente, da pesquisa analítica. Objetiva proporcionar ao ser humano conforto, paz e felicidade.

A ciência evoluiu relativamente pouco e desordenadamente até meados do século XVI, sem bases bem estabelecidas de estudo e pesquisa, quando passou a ser fortemente influenciada pelo pensamento dos grandes gênios de então, principalmente Galileu Galilei, mestre da dedução teórica, Francis Bacon, o criador do empirismo da investigação, René Descartes, criador da geometria analítica e Isaac Newton, criador dos princípios da mecânica.

Descartes desenvolveu o método científico racional dedutivo e defendeu o dualismo da natureza – matéria e pensamento, favoreceu assim o dualismo do ser humano – corpo e alma. Foi capaz ainda de distinguir duas fontes de conhecimento: a intuição e a dedução. Porém, para ele todo conhecimento humano dependeria apenas da razão ou do pensamento e nunca da sensação ou da imaginação. Considerou que todos os corpos materiais, incluindo o homem, são como máquinas, cujo funcionamento obedece a princípios mecânicos.

Newton consolidou o método racional e dedutivo de Descartes, e assim surgiu o Paradigma Newtoniano-Cartesiano, que influenciou e influencia ainda hoje praticamente todos os campos do conhecimento científico. Esse paradigma simplificadamente parte do pressuposto de que, para se conhecer o todo, é preciso fragmentá-lo em seus componentes e estudar cada um deles separadamente. O todo seria o resultado da união e entrelaçamento dessas partes menores. Por exemplo, para conhecer o funcionamento de uma máquina, é preciso desmontá-la em suas partes, isto é, dividir para conhecer.

Por meio dos conceitos deste paradigma é que surgiram as diferentes especialidades médicas, nas quais o médico aprofunda seu conhecimento em determinado órgão ou sistema, quase sempre relegando a segundo plano a abordagem do ser como um todo.

O método analítico cartesiano foi com certeza um dos pilares da fantástica evolução do mundo moderno. Mas, igualmente, contribuiu para o descaso dos sentimentos íntimos do ser humano, em virtude da ênfase na abordagem mecanicista. Serviu, por exemplo, para criar confusão entre riqueza material e felicidade individual. Isso explica, em partes, os desequilíbrios sociais e a destruição sistemática do nosso ecossistema, a qual, realizada em nome do progresso, ameaça a existência da vida na terra, inclusive a humana.

Essas observações levam a uma constatação paradoxal: a ciência, apesar de seu desenvolvimento fantástico nos últimos 150 anos e criada para oferecer ao homem conforto, paz e felicidade, não foi capaz de fazer o homem descobrir a paz, a felicidade e principalmente o amor. Ao contrário, despertou um mundo dominado pelo egoísmo, crueldade, miséria, fome, opressão, guerras, destruição indiscriminada da natureza e descaso pelos verdadeiros valores do ser.

Em medicina algo semelhante ocorre. Os médicos modernos e conscientes convivem simultaneamente com uma euforia e uma perplexidade: euforia por se julgarem donos de um grande conhecimento, proporcionado pela evolução da ciência médica, e perplexidade por sentirem que, mesmo com tanto saber, ainda são incapazes de solucionar certas patologias.

Diante da nossa relativa ineficácia no exercício da medicina, podemos ponderar que ela se deve, pelo menos em parte, à excessiva ênfase que habitualmente dedicamos à doença e relativo descaso para com o doente (com o todo). Enquanto procuramos conhecer aquela em seus mais íntimos mecanismos e detalhes, não nos damos conta de que, por trás do órgão doente existe um ser de altíssima complexidade, possuidor de cérebro, sentimento e mente.

Assim, devido a essa tendência, esta necessidade de se conhecer o ser humano de forma mais abrangível, de uma forma mais global, é que deu surgimento ao Paradigma Holístico. Paradigma que não surgiu por intervenção de nenhum grande nome e nem com época definida. Sempre existiu, mas nunca lhe foi dada a devida importância. Com o renascimento das Terapias Holísticas, por volta de 1970, é que foi observado com maior frequência.

Esse paradigma é a base das técnicas e terapias complementares ou alternativas, que veem o ser humano por completo, como o nome já diz, holismo, significa tudo tem a ver com tudo. Surgiu principalmente das alterações das necessidades das pessoas, uma necessidade mais natural, mais “limpa”, nasceu da falta de interesse da maioria dos médicos atuais com os sentimentos do ser humano; da insatisfação dos métodos e resultados atuais, que mais provocam reações e efeitos colaterais do que efeitos de cura.

Temos então um paradigma (cartesiano) que dá ênfase na doença, que precisa fragmentar o máximo possível o ser humano para chegar ao local exato da lesão ou doença, e um paradigma (holístico) que analisa e observa principalmente o doente, não sua doença, que aborda o ser humano de forma global, corpo físico, mental e emocional.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER