Curcumina e Câncer: Antiproliferativo, antiapoptótico, antiangiogênico e antimet

Curcumina e Câncer: Antiproliferativo, antiapoptótico, antiangiogênico e antimet
FARMACIA
Curcumina e Câncer: antiproliferativo, antiapoptótico, antiangiogênico e antimetastático

José de Felippe Junior

O Açafrão da Índia, “Turmeric” ou “Cúrcuma” (Curcuma longa Linn.) é uma planta da família do gengibre (Zingiberaceae) sendo a raiz a parte mais utilizada na culinária e na medicina. No Brasil, principalmente em Minas Gerais e Goiás, é conhecida como Açafrão da Terra, Açafroa ou Gengibre Amarelo. De acordo com o Eng. Agrônomo Ademar Menezes Junior não podemos confundir o Açafrão da Índia com o “Açafrão Verdadeiro” utilizado nas paellas espanholas, que é dispendioso e corresponde aos estigmas dessecados da bela flor amarela ou vermelha da planta Crocus sativus.


É no rizoma da Curcuma longa que está o componente mais ativo da planta, a curcumina presente em 2 a 5% deste delicioso tempero. A curcumina, isolada pela primeira vez por Vogel, em 1842, é um pó insolúvel na água e no éter, mas solúvel no etanol e no DMSO. A sua estrutura foi descrita por Lampe e Milobedeska em 1910 e quimicamente é um diferoilmetano com a fórmula C21H20O6 e peso molecular 368,4.


A curcumina comercial encontrada nos mercados a preços bem acessíveis contém três cucurminoides que lhe confere a cor amarelo alaranjada: curcumina (77%), demetoxicurcumina (17%) e bisdemetoxicurcumina (3%). Ela é muito consumida na Índia, cerca de 100 mg/dia por habitante, como tempero. Estudos recentes mostram que podemos ingerir até 8 g/dia sem efeitos colaterais, entretanto, a biodisponibilidade celular da curcumina é muito baixa, devido à rápida glucoronidação hepática e intestinal. O folclore nos ensinou que a adição de pimenta do reino (Piper nigra) aumenta em 2000% a biodisponibilidade do princípio ativo. Na Índia o povo adora açafrão e pimenta.


Nos Estados Unidos são muito comuns o câncer de mama, de cólon, de próstata e de pulmão, o que não acontece na Índia, onde é alta a ingestão de cúrcuma. Observou-se aumento da incidência de câncer de cólon em imigrantes da Índia vivendo nos Estados Unidos, o que mostra o valor da dieta como fator quimiopreventivo (AGGARWAL, 2003).


A medicina complementar baseada em evidências científicas e na observação cuidadosa pode e deve ser utilizada conjuntamente com a medicina convencional ou quando não se obtém desta os resultados esperados. O médico não pode simplesmente dizer que não há mais nada a fazer, sem antes tentar de um modo firme, sensato e rigoroso todas as armas da medicina complementar (FELIPPE, 2006-2007). Um dos exemplos é o uso da Cúrcuma.


A cúrcuma tem sido utilizada na medicina Ayuverdica, medicina tradicional da Índia, por mais de 6000 anos nas seguintes situações: desordens biliares, anorexia, tosse, feridas em diabéticos, males hepáticos, reumatismo, sinusite, etc. Encontramos de 1966 a 2007, 1492 referências no Medline sobre a atividade biológica da curcumina.

Recentemente a literatura médica mostrou que a Cúrcuma possui os seguintes efeitos:

1. Anticâncer
2. Aumenta o efeito da quimioterapia nas situações de resistência a múltiplas drogas
3. Antiaterosclerótico
4. Anti-inflamatório
5. Reduz o colesterol
6. Diminui a oxidação da LDL
7. Inibe a agregação das plaquetas
8. Diminui o tamanho da trombose no infarto do miocárdio
9. Diabetes tipo II: hipoglicemiante, diminui os níveis de hemoglobina glicosilada e diminui a microalbuminúrica
10. Esclerose Múltipla: diminui as crises de exacerbação
11. Alzheimer: retarda o processo degenerativo
12. Fibrose cística: corrige alguns defeitos
13. Doenças inflamatórias dos olhos: uveíte anterior crônica, pseudotumor orbital idiopático
14. Diminui as dores na artrite reumatoide
15. Efeito nas doenças de pele: psoríase e dermatites
16. Efeito na esclerodermia
17. Estimula regeneração muscular
18. Melhora a regeneração das feridas
19. Cicatriza escaras
20. Protege o fígado e rins de lesões tóxicas
21. Aumenta a secreção biliar
22. Diminui a formação de cálculo biliar
23. Efeito nas doenças inflamatórias de intestino
24. Protege contra a formação de catarata
25. Protege o pulmão da fibrose
26. Inibe a replicação do HIV
27. Inibe a reprodução das leishmanias


Nas palavras de Bharat Aggarwal e Shishir Shishodia: “Vamos fazer uma viagem para nossas “RAIZES” antigas para explorar as “RAIZES” da Curcuma longa”.


Efeitos da Curcumina no Câncer


A curcumina possui uma série de efeitos na prevenção e no tratamento do câncer. É o fitoquímico que inibe o maior número de vias de sinalização, transdução e transcrição que conhecemos e por esse motivo possui potente efeito no câncer como antiproliferativo, apoptótico, antiangiogênico e antimetastático.


Efeitos da Curcumina no Câncer in vitro

A curcumina suprime a proliferação de vários tipos de células tumorais in vitro: carcinoma de mama, carcinoma de cólon, carcinoma de próstata, carcinoma basocelular, melanoma, leucemia mielógena aguda, leucemia de células T e linfoma de células B. A curcumina interfere na proliferação celular maligna de várias maneiras: inibe os efeitos dos fatores de crescimento tumoral, inibe proteínas envolvidas no ciclo celular e inibe a ornitina decarboxilase (ODC).


A apoptose é um modo discreto das células morrerem sem fazer alarde, digo inflamação. Provocar apoptose em paciente com câncer grau IV não faz piorar o seu estado geral já tão comprometido. A curcumina é capaz de induzir apoptose nas células malignas por mecanismos dependentes ou não dependentes da mitocôndria.


No mecanismo mitocondrial, o que acontece em grande número de células, a curcumina ativa sequencialmente a caspase 8, a diminuição do potencial transmembrana mitocondrial, a abertura dos poros de transição, a liberação de citocromo-c, a ativação da caspase -9, a ativação da caspase-3, a clivagem do PARP e finalmente a fragmentação do DNA e apoptose.


Nos mecanismos não mitocondriais a apoptose acontece por:

1. Diminuir a produção de proteínas antiapoptóticas bcl-2 e bcl-x
2. Induzir a proteína bax através da p53, provocando apoptose no câncer de mama
3. Induzir a proteína p53 mediadora da apoptose no câncer de cólon
4. Aumentar a oxidação intracelular por aumento da geração de radicais livres com a diminuição do GSH intracelular.
5. Inibir PTK e PKC


Bharat Aggarwal, grande estudioso dos efeitos da curcumina no câncer, afirma que a curcumina inibe o crescimento tumoral e induz a apoptose de vários tipos de células malignas com mecanismos semelhantes à maioria dos agentes quimioterápicos (AGGARWAL, 2003), porém sem efeito prejudiciais sobre as células normais. A seguir vamos enumerar os efeitos da curcumina nas diversas vias de sinalização que culminam na indução de apoptose, na diminuição da proliferação celular, na inibição da neoangiogênese e no efeito antimetastático.


Mecanismos de Ação da Curcumina nas Vias de Sinalização das Células Malignas

• Inibe a Via Fator de Crescimento
• Inibe a atividade da proteína tirosina kinase (PTK) do receptor EGF
• Inibe a fosforilação da tirosina provocada pelo receptor EGF
• Inibe a atividade kinase intrínseca do receptor EGF
• Inibe a Via MAPK – “mitogen – activated protein kinases
• Inibe a via de sinalização c-Jun Nterminal kinase (JNK)
• Inibe a ativação da IL-1 sobre a MAP kinase
• Diminui a expressão do gene MMP
• Suprime a transcrição do fator de transcrição early growth response-1 (Egr-1)
• Diminui a expressão de receptores andrógenos e a sua transativação
• Inibe a Via da Proteína Kinase – serina/treonina proteína kinases
• Inibe a proteína kinase C (PKC)
• Inibe a proteína kinase A (PKA)
• Inibe a fosforilase kinase (PhK)
• Inibe a autofosforilação-ativada pela proteína kinase (AK)
• Inibe a proteína kinase dependente do AMP-cíclico
• Inibe a Via AP-1 (Ativador da Proteína-1)
• Inibe a expressão dos proto oncogenes c-fos , c-jun e c-myc induzidas por TPA (agente promotor de tumor)
• Inibe a expressão das proteínas c-Jun e c-Fos induzidas por raio ultravioleta e TPA
• Inibe a IL-1 e o TNF induzido pelo AP-1
• Inibe a ativação do AP-1 induzida por TPA
• Inibe a liberação do AP-1
• Inibe a IL-1 estimulada pelo AP-1
• Diminui a expressão do gene MMP
• Inibe a Via NF-kappa B
• Suprime a ativação da transcrição do NF-kappa B no núcleo
• Inibe a IL-1, a IL-1alfa e o TNF induzido pelo NF-kappa B
• Inibe a ativação do NF-kappa B induzida pelo TPA (agente indutor de tumor)
• Inibe a ativação do NF-kappa B induzida por quimioterápicos
• Inibe a produção e a liberação de TNF
• Inibe a produção de citocinas inflamatórias pelos monócitos do sangue e macrófagos alveolares
• Regula a expressão de citocinas pró-inflamatórias
• Inibe a atividade da Ikappa B kinase, que é ativador do NF-kappa B
• Inibe a resposta angiogênica induzida pelo MMP-9 (matrix metaloprotease) e FGF-2 (fibroblast growth factor)
• Diminui a expressão do gene MMP
• Reduz a expressão do gene fator tissular endotelial
• Inibe a transcrição e a expressão da COX2
• Inibe a expressão da enzima oxido nítrico sintetase induzida (iNOS) e diminui a produção de ácido nítrico
• Induz a expressão do gene p21
• Suprime a ciclin dependente de kinase (CDK), a ciclin D1, inibindo ciclo celular
• Inibe a atividade da fosfolipase D em mamíferos
• Inibe a Ca-ATPase do retículo sarcoplásmico
• Aumenta a velocidade de acúmulo intracelular de cálcio iônico
• Inibe a atividade e a expressão da LOX e COX
• Induz aumento da atividade da glutationa S-transferase (GST)
• Modula a atividade do citocromo P450
• Modula a P-glicoproteína e induz sensibilidade aos quimioterápicos
• Estimula a expressão das proteínas de estresse
• Inibe a proteína farnesil transferase (FPTase)
• Suprime moléculas de adesão, suprimindo metástases
• Suprime a formação de citocinas inflamatórias: TNF, IL-1,IL-12 e quimocinas
• Inibe a atividade da telomerase

Inibição da Inflamação pela Curcumina

A inflamação está implicada na carcinogênese e a curcumina é um potente agente anti-inflamatório. Joe, em 1997, mostrou que 10 micromoles de curcumina inibem em 82% a incorporação de ácido araquidonico na membrana citoplasmática de macrófagos do peritônio do rato. Também inibe em 45% a incorporação de prostaglandina E2 e 61% de leucotriene B4 ao lado de aumentar em 40% a secreção de 6-ceto PGF1a.


A curcumina inibe a secreção de colagenase, elastase e hialuronidade, ao lado de inibir vários tipos de fosfolipases: fosfolipase D, fosfolipase A2 e fosfolipase C. A curcumina inibe vários fatores inflamatórios como o NF-kappa B e AP-1 e também reduz a produção de citocinas pró-inflamatórias como o TNF, IL1beta e IL-8.


A Curcumina Inibe a “farnesil protein transferase” – FPTase


As proteínas Ras devem ser isopreniladas para apresentarem atividade biológica: proliferação celular maligna. O farnesil pirofosfato é um intermediário da via mevalonato e doa seu radical isoprenil ativando o oncogene ras. Chen em 1997 mostrou que a curcumina inibe a FPTase, o que impede a farnelização da proteína Ras p21 e consequentemente impede o seu efeito proliferativo.


A Curcumina Inibe a Atividade da Telomerase


A ativação da telomerase é uma etapa crucial da proliferação celular e a curcumina é um potente inibidor da ativação da telomerase. A melatonina e a epigalatocatequina-3-galato também inibe a telomerase. A atividade da telomerase nas células MCF-7 do câncer de mama humano é 7 vezes maior do que nas células mamárias correspondentes não malignas. A curcumina na concentração de somente 100 micromoles inibe em 93,5% a atividade da telomerase nestas células malignas (Ramachandran-2002). Esta inibição é devido à diminuição da expressão do hTERT (“human telomerase reverse transcriptase”), sem interferência do c-myc. É possível que a diminuição da expressão do hTERT seja mediada pela supressão do NF-kappaB provocada pela curcumina.


Efeitos da Curcumina no Câncer “in vivo”


I- Animais
A- Farmacocinética

Quando a curcumina é administrada na dose de 1 g/Kg em ratos, por via oral, cerca de 75% aparecem nas fezes e praticamente nada é excretado pela urina (WAHLSTROM, 1978). Dosagens no sangue e bile mostram que a curcumina é rapidamente metabolizada. De fato, em suspensão de hepatócitos 90% da curcumina é metabolizada em apenas 30 minutos. Doses de 5 g/Kg não provocaram efeitos colaterais em ratos.


Foi administrado em ratos, por via oral, 400 mg de curcumina e verificou-se que cerca de 60% da droga era absorvida pelo intestino. Em 24 horas, 38% da dose administrada estavam presentes no ceco e intestino grosso A forma encontrada na urina foi conjugada com glucoronídeos ou sulfatos. Encontrou-se somente traços de curcumina na veia porta, fígado e rins e nada no sangue do coração em 15 minutos a 24 horas após a administração (RAVINDRANATH, 1980).


Outros autores mostraram que a absorção da curcumina variou de 60 a 66%, independentemente da quantidade ingerida. Todos estes estudos mostram que a curcumina é razoavelmente absorvida e rapidamente metabolizada e excretada.


B- Carcinogênese experimental


Vários estudos indicam que a curcumina é um potente agente quimiopreventivo, agindo tanto na iniciação, como na promoção de vários tipos de tumores: mama, cavidade oral, estômago, esôfago, intestino, cólon, pulmão e fígado (LU, 1993-1994, et al.) Busquets, em 2001, mostrou que a administração de curcumina por seis dias consecutivos em ratos com caquexia devido ao hepatoma de Yoshida apresentaram redução de 31% do tamanho do tumor hepático.


No câncer de próstata humano refratário à hormonioterapia e implantado no camundongo a curcumina reduziu marcantemente a proliferação celular e aumentou drasticamente a apoptose. Juntamente promoveu significante diminuição da neoangiogênese (DORAI, 2001). Este trabalho mostra que a curcumina pode ser útil no tratamento do câncer de próstata humano no estado hormônio-refratário.


Nas metástases de pulmão de melanoma de camundongo a curcumina reduz significantemente o volume tumoral pulmonar, cerca de 90% de redução, e com aumento de 144% na sobrevida (MENON, 1995). A explicação é que a curcumina inibe as metaloproteinases responsáveis pela degradação da substância amorfa intersticial o que dificulta a invasão tumoral.
II- Seres Humanos
A- Farmacocinética

Estudos em animais mostraram que a curcumina é rapidamente metabolizada no fígado e na parede intestinal, o que provoca a baixa biodisponibilidade celular da substância. Shoba, em 1998, conhecedor do fato que os indianos apreciam no seu cardápio diário o uso como tempero da cúrcuma com muita pimenta, resolveu estudar o efeito da piperine extraída da pimenta negra (Piper nigra L) ou da pimenta longa (Piper longum L) sobre a biodisponibilidade da curcumina. A piperina é a amida do ácido piperínico com o azinane (piperidina).


A piperina presente em 5% da Piper nigra e 6% da Piper longum aumenta a biodisponibilidade de várias drogas por inibição da glucoronidação no fígado e intestino delgado. O grande pesquisador, Guido Shoba, revelou ao mundo algo de interesse prático e de suma importância. Quando a curcumina é administrada sozinha a ratos, na dose de 2 g/kg, a concentração sérica aumenta moderadamente em 4 horas de observação. A administração concomitante de 20 mg/Kg de piperine aumenta a concentração sérica e diminui a excreção renal no curto período de 1 a 2 horas, o que faz aumentar a biodisponibilidade celular da curcumina em 154%.


Em humanos após a ingestão de 2g de curcumina sozinha (4 cápsulas de 500mg), os níveis séricos foram muito baixos ou até indetectáveis. A administração concomitante de 20 mg de piperine provocou grande aumento da concentração sérica da curcumina em 45 minutos a 1 hora após ingestão, o que representa aumento de 2000% na biodisponibilidade celular da curcumina. Não houve efeitos colaterais. A piperina na dose empregada em voluntários normais inibe a glucoronidação hepática e intestinal, o que provoca o aumento da biodisponibilidade da curcumina nas células do organismo. Devemos nos lembrar que as drogas metabolizadas por glucoronidação também vão experimentar aumento da biodisponibilidade, como o propranolol e a teofilina (Bano-1991). Pelo fato da biodisponibilidade da curcumina ser baixa estudou-se os efeitos dos seus principais metabólitos, o hexa-hidrocurcumina ,o hexa-hidrocurcuminol e o sulfato de curcumina e constatou-se que eles também possuem efeitos semelhantes à cucurmina, embora menos pronunciados.

1. Estudos Clínicos

B1- Fase Clínica I


Sharma, em 2001, investigou a farmacocinética da curcumina na dose escalonada entre 440 e 2200 mg/Kg de extratos de Cúrcuma, correspondendo a 36 a 180 mg de curcumina em 15 pacientes com câncer colorretal avançado e refratário ao tratamento convencional. Em quatro meses de tratamento o uso oral da Cúrcuma foi bem tolerado e não houve toxicidade na dosagem máxima. O número de leucócitos permaneceu estável. A curcumina ou seus metabólitos não foram detectados no sangue ou na urina. As imagens revelaram estabilização da doença em cinco pacientes no período de dois a quatro meses de tratamento.


O trabalho foi feito em 2001 e o autor perdeu a oportunidade de mostrar o real valor da curcumina, pois não aumentou a sua biodisponibilidade com a Piper nigra.


B2- Fase Clínica II

Cheng, em 2001, em pacientes com câncer de alto risco observou que a curcumina na dose de 8 g/dia durante três meses foi bem tolerada pelos 25 pacientes incluídos no estudo. Além de 8g ao dia o volume administrado não foi tolerado pela maioria dos pacientes. A concentração sérica atingiu o pico máximo em 1 a 2 horas e gradualmente caiu nas próximas 12 horas. O pico sérico após ingerir 4g, 6g e 8g de curcumina foi respectivamente: 0.51 +/-0.11 micromol; 0.63 +/-0.06 micromol e saltou para 1,77 +/-1.87 micromol.


Notar que o autor não usou piperina. Paciência, estamos na Fase II. Será que vai haver Fase III? Creio que não, pois se trata de droga não patenteável. A curcumina tem mostrado atividade quimiopreventiva em vários modelos carcinogênicos, nos quais ela inibe a COX2 em nível de transcrição. A COX2 está implicada em vários tipos de cânceres humanos.


Plummer, em 2001, em 15 pacientes com câncer colorretal avançado, observou que a ingestão do extrato de Cúrcuma provocou inibição da formação do PGE2 de uma forma dosedependente, entretanto, sem diferença significante comparado com o valor pré-tratamento. Notar que o autor não utilizou piperina.
Acabou a paciência.

Conclusão

Apesar de Guido Shoba ter mostrado que a biodisponibilidade da curcumina pode ser aumentada em até 2000%, não se encontra na literatura trabalhos que utilizam a piperine no tratamento do câncer ou de doenças inflamatórias. Existem, sim, inúmeras tentativas de modificações da molécula da curcumina no intuito de se conseguir a patente do produto. Não importa se o fitoquímico possui alta atividade nas diversas vias de sinalização das células malignas, se ele possui alto potencial no tratamento do câncer humano ou se é desprovido dos efeitos colaterais dos anti-inflamatórios não hormonais. O que importa é que ele não pode ser patenteado e, portanto, não apresenta nenhum interesse. Não interessa o câncer, a dor ou a humanidade, o que importa são os lucros. E o que fazer com tanto dinheiro?


A maioria dos trabalhos científicos publicados no Planeta é encomendada pelas grandes indústrias farmacêuticas. Podemos realmente acreditar nos seus resultados?

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGGARWAL, B. B.; KUMAR, A.; BHARTI, A.C.. Anticancer potencial of curcumin: preclinical and clinical studies. Anticancer Res. 23: 363-398; 2003.


AZUINE MA AND BHIDE SV: Adjuvant chemoprevention of experimental cancer: catechin and dietary turmeric in forestomach and oral cancer models. J Ethnopharmacol 44: 211-7, 1994.


BANO G; RAINA RK; ZUTSHI U; BEDI KL; JOHRI RK; SHARMA SC. Effect of piperine on bioavailability and pharmacokinetics of propranolol and theophylline in healthy volunteers. Eur. J. Clin. Pharmacol, 41 (6): 615-7, 1991.


BUSQUETS S, CARBO N, ALMENDRO V, QUILES MT, LOPEZ-SORIANO FJ AND ARGILES JM: Curcumin, a natural product present in turmeric, decreases tumor growth but does not behave as na anticachectic compound in a rat model. Cancer Lett 167: 33-8, 2001.


CHENG AL, HSU CH, LIN JK, HSU MM, HO YF, SHEN TS, KO JY, LIN JT, LIN BR, MING-SHIANG W, YU HS, JEE SH, CHEN GS, CHEN TM, CHEN CA, LAI MK, PU YS, PAN MH, WANG YJ, TASAI CC AND HSIEH CY: Phase I clinical trial of curcumin, a chemopreventive agent, in patients with high-risk or pre-malignant lesions. Anticancer Res 21: 2895-900, 2001.


CHUANG SE, CHENG AL, LIN JK AND KUO ML: Inhibition by curcumin of diethylnitrosamine-induced hepatic hyperplasia, inflammation, cellular gene products and cell-cycle-related proteins in rats. Food Chem Toxicol 38: 991-5, 2000.


CHUANG SE, KUO ML, HSU CH, CHEN CR, LIN JK, LAI GM, HSIEH CY AND CHENG AL: Curcumin-containing diet inhibits diethylnitrosamine-induced murine hepatocarcinogenesis. Carcinogenesis 21: 331-5, 2000.


CHUN KS, SOHN Y, KIM HS, KIM OH, PARK KK, LEE JM, MOON A, LEE SS AND SURH YJ: Anti-tumor promoting potencial of naturally occurring diaryheptanoids structurally related to curcumin. Mutat Res 428: 49-57, 1999.


CHURCHILL M, CHADBUM A, BILINSKI RT AND BERTAGNOLLI MM: Inhibition of intestinal tumors by curcumin is associated with changes in the intestinal immune cell profile. J Surg Res 89: 169-75, 2000.


DORAI T, CAO YC, DORAI B, BUTTYAN R AND KATZ AE: Therapeutic potential of curcumin in human prostate cancer. III. Curcumin inhibits proliferation, induces apoptosis, and inhibits angiogenesis of LNcaP prostate cancer cells in vivo. Prostate 47: 293-303, 2001.


FELIPPE JJ .Todos nós temos o poder de curar a nós mesmos.Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de Janeiro de 2006.


FELIPPE JJ . Sintomas de deficiência de Ácido Graxo Omega- 3 e fontes alimentares. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema da semana de 24/04/06.


FELIPPE JJ. Efeitos da vitamina K no câncer : indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 01/05/06.


FELIPPE JJ Inflamação Crônica Subclínica - Peste Bubônica do Século XXI - Mecanismo Intermediário da Maioria das Moléstias que Afligem a Humanidade


Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de Maio de 2006.
FELIPPE JJ . Selênio: diminui a proliferação celular maligna, inibe a angiogênese tumoral e provoca apoptose. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer.Tema da semana de 08/05/06


FELIPPE JJ. Efeitos da deficiência de cobre no câncer : antiangiogênese . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 26/05/06


FELIPPE JJ. Efeitos do vanádio no câncer: indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 01/06/06.


FELIPPE JJ. Efeitos da vitamina B12 ( hidroxicobalamina) no câncer: indução de apoptose . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 05/06/06.


FELIPPE JJ. Efeitos da vitamina D no câncer: indução da apoptose, inibição da proliferação celular maligna e antiangiogênese Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 12/06/06.


FELIPPE JJ. Efeito dos Ácidos Graxos Poli Insaturados no câncer: indução de apoptose, inibição da proliferação celular e antiangiogênese. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 19/06/06


FELIPPE JJ . Naltrexone e câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema da semana de 23/10/06.


FELIPPE JJ . Disulfiram e câncer.Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema da semana de 30/10/06.


FELIPPE JJ. Benzaldeído e Câncer : leucemia mielocítica aguda, linfoma maligno, mieloma múltiplo, leiomiosarcoma e carcinomas de língua, parótida, pulmão, mama, esôfago, estomago, fígado, pâncreas, colon, reto, rins, cérebro, bexiga e seminoma de testículo. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar .
www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de novembro de 2006.


FELIPPE JJ . Molibdênio e Câncer. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer Tema da semana de 06/11/06.


FELIPPE JJ. Ácido linoleico conjugado (CLA) e câncer: inibição da proliferação celular maligna, aumento da apoptose e diminuição da neoangiogênese tumoral. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer.Tema da semana de 13/11/06


FELIPPE JJ . Óleo de peixe ômega-3 e câncer : diminuição da proliferação celular maligna, aumento da apoptose, indução da diferenciação celular e diminuição da neoangiogênese tumoral. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 20/11/06.


FELIPPE JJ. Genisteína e câncer : diminui a proliferação celular maligna, aumenta a apoptose, suprime a neoangiogênese e diminui o efeito dos fatores de crescimento tumoral. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar . www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 27/11/06.


FELIPPE JJ . Glicose-6-fosfatodehidrogenase (G6PD) e câncer : a inibição da enzima diminui drasticamente a proliferação celular maligna, aumenta a apoptose e suprime os efeitos de fatores de crescimento tumoral. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer . Tema do mês de Dezembro-2006.


FELIPPE JJ . Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra) e câncer : inibição da proliferação celular maligna com aumento drástico da apoptose . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer . Tema do mês de janeiro de 2007.


FELIPPE JJ . Tratamento nutricional e endócrino do câncer: benefícios da integração do médico clínico com o oncologista. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer . Tema do mês de fevereiro de 2007.


FELIPPE JJ . Proposta de dieta inteligente para o tratamento coadjuvante do câncer Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer . Tema do mês de março de 2007.


FELIPPE JJ . Câncer : Tratamento com Radio Freqüência e Oxidação Sistêmica. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de maio de 2007.


FELIPPE JJ . Dicloroacetato e Câncer: Aumenta a Apoptose e Diminui a Proliferação Celular Maligna . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, www.medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de maio de 2007.
FOOD, NUTRITION AND THE PREVENTION OF CANCER: A global perspective. Washington DC: World cancer research fund/American Institute for Cancer Research 1997.


HUANG MT, LOU YR, MA W, NEWMARK HL, REUHL KR AND CONNEY AH: Inhibitory effects of dietary curcumin on forestomach, duodenal, and colon carcinogesis in mice. Cancer Res 54: 5841-7, 1994.


HUANG MT, LOU YR, XIE JG, MA W, LU YP, YEN P, ZHU BT, NEWMARK H AND HO CT: Effect of dietary curcumin and dibenzoylmethane on formation of 7,12dimethylbenz(a)anthracene induced mammary tumors and lymphomas/leukemias in Sencarmice. Carcinogenesis 19: 1697-700, 1998.


IKEZAKI S, NISHIKAWA A, FURUKAWA F, KUDO K, NAKAMURA H, TAMURA K AND MORI H: Chemopreventive effects of curcumin on glandular stomach carcinogenesis induced by N-methyl-N’-nitro-N- nitrosoguanidine and sodium chloride in rats. Anticancer Res 21: 3407-11, 2001.


INANO H AND ONODA M: Prevention of radiation-induced mammary tumors. Int J Radiat Oncol Biol Phys 52: 212-23, 2002.


INANO H, ONODA M, INAFUKU N, KUBOTA M, KAMADA Y, OSAWA T, KOBAYASHI H AND WAKABAYASHI K: Potent preventive action of curcumin on radiation-induced initiation of mammary tumorigenesis in rats. Carcinogenesis 21: 1835-41, 2000.


INANO H, ONODA M, INAFUKU N, KUBOTAM, KAMADA Y, OSAWA T, KOBAYASHI H AND WAKABAYASHI K: Chemoprevention by curcumin during the promotion state of tumorigenesis of mammary gland in rats irradiated with gamma-rays. Carcinogenesis 20: 1011-8, 1999.


JOE B AND LOKESH BR: Effect of curcumin and capsaicin on arachidonic acid metabolism and lysosomal enzyme secretion by rat peritoneal macrophages. Lipids 32: 1173-80, 1997.


KAWAMORI T, LUBET R, STEELE VE, KELLOFF GJ, KASKEY RB, RAO CV AND REDDY BS: Chemopreventive effect of curcumin, a naturally occurring anti-inflammatory agent, during the promotion/progression stages of colon cancer. Cancer Res 59: 597-601, 1999.


KIM JM, ARAKI S, KIM DJ, PARK CB, TAKASUKA N, BABA-TORIYAMA H, OTA T, NIR Z, KHACHIK F, SHIMIDZU N, TANAKA Y, OSAWA T, URAJI T, MURAKOSHI M, NISHINO H AND TSUDA H: Chemopreventive effects of carotenoids and curcumins on mouse colon carcinogenesis after 1,2-dimethylhylhydrazine initiation. Carcionogenesis 19: 81-5, 1998.


KRISHNASWAMY K, GOUD VK, SESIKERAN B, MUKUNDAN MA AND KRISHNA TP: Retardation of experimental tumorigenesis and redutction in DNA adducts by turmeric and curcumin. Nutr Cancer 30: 163-6, 1998.


KUTTAN R, BHANUMATHY P, NIRMALA K AND GEORGE MC: Potential anticancer activity of turmeric (Curcuma longa). Cancer Lett 29: 197-202, 1985.


LI N, CHEN X, LIAO J, YANG G, WANG S, JOSEPHSON Y, HAC C, CHEN J, HUANG MT AND YANG CS: Inhibition of 7,12-dimethylbenz(a)anthracene (DMBA)-induced oral carcinogenesis in hamsters by tea and curcumin. Carcinogenesis 23: 1307-13, 2002.


LIAO S, LIN J, DANG MT, ZHANG H, KAO YH, FUKUCHI J AND HIIPAKKA RA: Growth suppression of hamster flank organs by topical application of catechins, alizarin, curcumin, and myristoleic acid. Arch Dermatol Res 293: 200-5, 2001.


LIMTRAKUL P, LIPIGORNGOSON S, NAMWONG O, APISARIYAKUL A AND DUNN FW: Inhibitory effect of dietary curcumin on skin carcinogenesis in mice. Cancer Lett 116: 197-203, 1997.


LU YP, CHANG RL, HUANG MT AND CONNEY AH: Inhibitory effect of curcumin on 120-tetradecanoylphorbol-13-acetate-induced increase in ornithine decarboxylase mRNA in mouse epidermis. Carcinogenesis 14: 293-7, 1993.


LU YP, CHANG RL, LOU YR HUANG MT, NEWMARK HL, REUHL KR AND CONNEY AH: Effect of curcumin on 12-O-tetradecanoylphorbol-13-acetate and ultraviolet B light-induced expression of cJun and c-Fos in J136 cells and in mouse epidermis. Carcinogenesis 15: 2363-70, 1994.


MENON LG, KUTTAN R AND KUTTAN G: Inhibition of lung metastasis in mice induced by B16F10 melanona cells by polyphenolic compounds. Cancer Lett 95: 221-5, 1995.


PLUMMER SM, HILL KA, FESTING MF, STEWARD WP, GESCHER AJ AND SHARMA RA: Clinical development of leukocyte cyclooxygenase 2 activity as a systemic biomarker for cancer chemopreventive agents. Cancer Epidermiol Biomarkers Prev 10: 1295-9, 2001.


RAMACHANDRAN C, FONSECA HB, JHABVALA P, ESCALON EA AND MELNICK SJ: Curcumin inhibits telomerase activity through human telomerase reverse transcriptase in MCF-7 breast cancer cell line. Cancer Lett 184: 1-6, 2002.


RAO CV, RIVENSONA, SIMI B AND REDDY BS: Chemoprevention of colon carcinogenesis by dietary curcumin, a
naturally occurring plant phenolic compound. Cancer Res 55: 259-66, 1995.
RAO CV, RIVENSONA, SIMI B AND REDDY BS: Chemoprevention of colon cancer by dietary curcumin. Ann N Y Acad Sci 768: 201-4, 1995.


RAVINDRANATH V AND CHANDRASEKHARA N: Absorption and tissue distribution of curcumin in rats. Toxicology 16: 259-65,1980.


RAVINDRANATH V AND CHANDRASEKHARA N: In vitro studies on the intestinal absorption of curcumin in rats. Toxicology 20: 251-7, 1981.


SHALINI VK AND SRINIVAS L: Fuel smoke condensate induced DNA damage in human lymphocytes and protection by turmeric (Curcuma Longa). Mol Cell Biochern 95: 21-30, 1990.


SHARMA RA, IRESON CR, VERSCHOYLE RD, HILL KA, WILLIAMS ML, LEURATTI C, MANSON MM, MARNETT LJ, STEWARD WP AND GESCHER A: Effects of dietary curcumin on glutathione S-transferase and malondialdehyde-DNA adducts in rat liver and colon mucosa: relationship with drug levels. Clin Cancer Res 7: 1452-8,2001.


SHARMA RA, MCLELLAND HR, HILL KA, IRESON CR, EUDEN SA, MANSON MM, PIRMOHAMED M, MARNETT LJ, GESCHER AJ AND STEWARD WP: Pharmacodynamic and pharmacokinetic study of oral Curcuma extract in patients with colorectal cancer. Clin Cancer Res 7: 1894-900, 2001.


SHOBA G, JOY D, JOSEPH T, MAJEED M, RAJENDRAN R AND SRINIVAS PS: Influence of piperine on the pharmacokinetics of curcumin in animals and human volunteers. Planta Med 64: 353-6, 1998.


SINDHWANI P, HAMPTON JA, BAIG MM, KECK R AND SELMAN SH: Curcumin prevents intravesical tumor implantation of the MBT-2 tumor cell line in OH mice. J Urol 166: 1498-501, 2001.


SUSAN M AND RAO MN: Induction of glutathione S-transferase activity by curcumin in mice. Arzneimittelforschung 42: 962-4, 1992.


TANAKA T, MAKITA H, OHNISHI M, HIROSE Y, WANG A, MORI H, SATOH K, HARA A AND OGAWA H: Chemoprevention of 4-nitroquinoline 1-oxide-induced oral carcinogenesis by dietary curcumin and hesperidin: comparison with the protective effect of betacarotene. Cancer Res 54: 4653-9, 1994.


WAHLSTROM B AND BLENNOW G: A study on the fate of curcumin in the rat. Acta Pharmacol Toxicol (Copenh) 43: 86-92, 1978. *


Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER