Histórico do Movimento Ambientalista

Histórico do Movimento Ambientalista
BIOLOGIA

O movimento ambientalista inicialmente foi impresso na história do homem pelos teólogos e filósofos, cujo pensamento se baseava neste sentido, em colocar foco sobre Deus e a natureza. E a primeira notícia específica trata-se de Francisco de Assis (1181 a 1226), que reconhecidamente amava os animais e a natureza, embasando suas ideias na fraternidade e vivência do homem com respeito às outras criaturas da natureza (MIRAMEZ; MAIA, 1997).


Ao século XVI remontam as primeiras questões do homem comum em relação ao contato estreito com a natureza, nas primeiras grandes navegações e ampliações das fronteiras mundiais para os continentes novos (HERCULANO, 1992). Principalmente no choque cultural ocorrido em relação à cultura europeia e costumes com os ritos e relações com o meio ambiente percebido nos habitantes das terras do novo mundo.


No ano de 1500 com a carta de Pero Vaz de Caminha enviada ao rei de Portugal, na qual este relatava a natureza, os animais e a impressão causada pelos habitantes das novas terras recém “descobertas” pelos portugueses, é um marco documental nesta diferença de culturas e costumes (GOLDSCHEIDER, 1971).


Mas foi no século XVIII que a revolução industrial e tecnológica intensificou esta preocupação na relação homem e natureza, pois com o advento das indústrias em grande quantidade começam a haver as manifestações evidentes na natureza e nos animais de que o ser humano estaria modificando os ambientes naturais de forma drástica (SATO, 1996; CAVALCANTI, 1995).


Com a revolução industrial na Inglaterra, temos o exemplo clássico das mariposas Biston betularia que existiam em maior quantidade na forma clara antes do advento da poluição pelas fábricas. E como nos mostra Darwin na seleção natural, estas mariposas foram selecionadas, pois os liquens nas cascas das árvores morreram por causa da poluição, e as mariposas brancas não puderam mais se camuflar nos liquens brancos, sendo vistas pelos pássaros que se alimentavam delas. Então a forma negra da referida mariposa passou a dominar numericamente a forma branca, chegando a representar 90% das mariposas (DARWIN, 2009).


O movimento ambientalista organizado iniciou realmente após a triste ocorrência das duas bombas atômicas lançadas na segunda guerra mundial em 1945 em Hiroshima e Nagasaki pelos Estados Unidos. Pois foi a partir deste episódio que o ser humano percebeu o imenso potencial destruidor que podemos ter (PAUL, 1981. BLOT, 1978). Destruindo a natureza e todos os seres vivos que nos cercam, inclusive nós mesmos!


O surgimento dos hippies nas décadas de 1960 e 1970 é considerado o movimento ambientalista mais suave e tranquilo de que se têm notícias.


O símbolo da paz foi desenvolvido na Inglaterra como logo para uma campanha pelo desarmamento nuclear, e foi adotado pelos hippies americanos que eram contra a guerra nos anos 60.

O lema dos hippies era “paz e amor”! Adotavam um estilo de vida comunitário em comunhão com a natureza e as questões ambientais, que eram ideias respeitadas pela comunidade. Assim, como temas de religiões como o Budismo e o Hinduísmo.


Em 1948 foi fundada na França a UICN, na época conhecida como União Internacional para a Proteção da Natureza (International Union for the Protection of Nature - IUPN). E em 1958 o nome da instituição foi modificado para União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (International Union for Conservation of Nature and Natural Resources) com as siglas IUCN (Union internationale pour la conservation de la nature et de ses ressources – UICN, em francês).


Atualmente conhecida como UICN – União Internacional para a Conservação da Natureza é a primeira organização mundial voltada para ações no sentido da conservação do meio ambiente. Autoridade líder em temas conservacionistas do meio ambiente e desenvolvimento sustentável (Site UICN).


No Brasil o movimento ambientalista teve início na década de 1950 com ações de grupos ambientalistas e preservacionistas. A União Protetora do Ambiente Natural (UPAN) foi fundada em 1955 pelo naturalista Henrique Roessler no Rio Grande do Sul, e a Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza (FBCN) é criada em 1958 no Rio de Janeiro concentrando atuações na preservação da fauna e da flora ameaçados de extinção (VIOLA; LEIS, 1992).


Na década de 1970 começam a entrar em vigor no Brasil entidades sem fins lucrativos, denominadas organizações não governamentais (ONGs) como a WWF que na data de sua criação era uma sigla que significava World Wildlife Fund, que em português se traduz como Fundo Mundial para a Natureza, mas atualmente devido ao simbolismo causado pela sigla WWF ao redor do mundo e pelo conhecimento das ações iniciadas em favor da natureza, a entidade é conhecida simplesmente por WWF, não sendo mais traduzida com nenhum significado literal.


A primeira ação da entidade no Brasil aconteceu no Rio de Janeiro em 1971 com o projeto ‘Programa de Conservação do Mico-Leão-Dourado’, que é um dos projetos do gênero mais bem sucedidos do mundo. E a partir da década de 1980 vêm auxiliando projetos como o ‘Projeto Tamar’ e outros pelo Brasil (Site WWF).


Em 1971 um grupo de ambientalistas e jornalistas sai do porto de Vancouver no Canadá, para protestar contra os testes nucleares realizados pelos Estados Unidos. Nascia o Greenpeace. Organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem atitudes e comportamentos.


O Greenpeace é uma organização sem fins lucrativos que não aceita doações de governos ou partidos políticos. E a atitude de seus membros é pautada na não violência, utilizando-se de métodos criativos de confronto pacíficos para chamar a atenção do público para os problemas ambientais. Defendendo que a mudança de atitudes individuais pode fazer uma grande diferença para o futuro do planeta (Site Greenpeace). No início da década de 1990 o Greenpeace inicia uma série de ações no Brasil, no sentido de proteger o meio ambiente. Dentre as ações do Greenpeace no Brasil podemos destacar as campanhas contra a entrada de lixo radioativo no país, provenientes de usinas nucleares de países desenvolvidos; a investigação sobre a exploração ilegal e predatória de madeira na Amazônia; o “Greenfreeze” que foi a campanha para a troca na utilização dos gases CFC (cloro-flúor-carbono) por outros que não causam danos na camada de ozônio; e a campanha dos transgênicos, exigindo a prova de que os organismos geneticamente modificados não causam danos à saúde humana e nem ao meio ambiente.


Ainda em 1966 a Campanha pela Defesa e Desenvolvimento da Amazônia (CNNDA) é iniciada e em 1971 é criada a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN).


Nesse ínterim começam a acontecer as conferências e encontros ambientalistas ao redor do mundo e a necessidade de normas e leis para assegurar o respeito à natureza e ao meio ambiente começam a se tornar visivelmente necessárias para evitar problemas ambientais.


Coincidindo com os planos nacionais de desenvolvimento e instalação de indústrias poluentes e energético-minerais no Brasil, em 1973 foi criada a Secretaria Especial do Meio Ambiente (SEMA) com a função de gerir normas para a conservação do meio ambiente e o aproveitamento sustentável dos recursos naturais (CAVALCANTI, 1995).


Com esta ação também são criadas agências ambientais para controle de poluição, como a Fundação de Engenharia do Meio Ambiente (FEEMA) no Rio de Janeiro e a Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental (CETESB) no estado de São Paulo (FERREIRA; FERREIRA, 1992).


Entre os anos de 1975 a 1988, Francisco Alves Mendes Filho, conhecido como Chico Mendes, foi um ativista ambiental brasileiro, seringueiro e sindicalista. Defendeu a preservação da Amazônia, do meio ambiente e dos seringais amazônicos. Conhecido mundialmente foi agraciado com o prêmio “Global 500”, oferecido pela ONU (Organização das Nações Unidas) pela sua luta em defesa do meio ambiente e da Amazônia. Foi assassinado a tiros no ano de 1988 por fazendeiros que eram contra as ações ambientais deste que é um símbolo brasileiro na luta pela preservação da floresta amazônica (SOJA, 1993).

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER