Centros de Distribuição na Cadeia Logística

Centros de Distribuição na Cadeia Logística
ADMINISTRACAO
INTRODUÇÃO

O principal objetivo da logística é a disponibilidade de mercadorias e serviços na quantidade certa, no momento certo e no lugar certo. O grande desafio é realizar o gerenciamento logístico da melhor forma possível para que a empresa obtenha a satisfação do cliente e assim consiga um grande diferencial no mercado.

A geografia é um ponto importante dentro da logística e num país com as dimensões como o Brasil é de grande importância que se tenha uma boa estratégia logística para que não se tenha gargalo no fornecimento de materiais e serviços. Muitas empresas aderem a intermodalidade como forma de tentar chegar mais rapidamente ao seu cliente, mas falta ainda estrutura para que se possa utilizar em toda sua potencialidade os modais disponíveis.

Empresas optam por manter estoques para atender prontamente seus clientes, mas isto custa caro, pois temos investimento em espaço, estrutura e pessoal.

Uma solução encontrada para facilitar estas operações é a implantação de Centros de Distribuição (CD). Estes por sua vez ficam instalados em pontos estratégicos, o mais próximo possível de seus clientes e tem a função de receber mercadorias de diversos fornecedores, armazém e abastecer o mercado onde está inserido. Visam agilidade no recebimento e despacho de mercadorias, evitando assim acumulo de mercadorias no estoque e redução de custos.

O presente trabalho pretende mostrar a importância do CD dentro da logística, por meio da discussão dos principais aspectos relacionados ao tema, como conceituação, funções básicas, vantagens em sua adoção, layouts[1] destacados na literatura associada ao contexto prático, como melhorar o CD e sua utilização nos diferentes setores.

1. DEFINIÇÃO DE CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

O termo Centro de Distribuição surgiu como uma expressão moderna de se tratar a armazenagem, mas com alguns conceitos diferentes e que interferem diretamente em sua operacionalização. Nestes Centros de Distribuição ocorrem as seguintes operações de uma forma bem sistematizada para que se possa dar agilidade nos processos: as mercadorias vêem de diversos fornecedores em grandes quantidades (cargas consolidadas). São armazenadas e sua distribuição é feita de forma fracionada a fim de poder oferecer aos seus clientes a opção de aquisição de vários itens em quantidades menores do que a fornecida diretamente pelos fabricantes. A disposição dos Centros de Distribuição é regional para facilitar a proximidade e agilidade no atendimento de seus clientes, como pode ser ilustrado pela Figura 1. (FERREIRA, 2011).

Atualmente o conceito de Centro de Distribuição deixou de ser um depósito ou armazém para acomodação de mercadorias e materiais, e passou a ser uma forma diferente e estratégica de colocação de produtos no mercado. Se bem estruturado e com um posicionamento geográfico estratégico, o CD pode trazer muitos benefícios para a empresa e seus clientes e fazer a grande diferença perante os concorrentes. A montagem de um CD requer uma preparação estratégica e até mesmo a mudança de procedimentos e processos dentro da empresa, para que se tenha uma boa eficiência desta estrutura. Alves (2000, p.139) aponta uma grande diferença entre os depósitos e os CDs: os depósitos, operados no sistema push[2], são “instalações cujo objetivo principal é armazenar produtos para ofertar aos clientes”; já os CDs, operados no sistema pull[3], são “instalações cujo objetivo é receber produtos just-in-time[4] de modo a atender às necessidades dos clientes”.

1.1 FUNÇÕES BÁSICAS DE UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

São executadasem um CDas seguintes atividades básicas: recebimento de mercadorias, conferência, movimentação até o local de armazenagem ou de redespacho, guarda/armazenagem de mercadorias, separação de pedidos, embalagem e expedição/transporte, inclui também a auditoria do estoque. (Souza, 2010, pág. 15).

Toda mercadoria que chega pela transportadora, proveniente de um fornecedor, é recebida em volumes devidamente identificados, conferidas juntamente com seus respectivos documentos (NF, romaneio e conhecimento de transporte). Caso haja divergências ou avarias, as mesmas devem ser comunicadas e relatadas para as devidas providências (reposição ou ressarcimento).

Após esta etapa, verifica-se se estas mercadorias deverão ser encaminhadas para a área de armazenagem (picking) para aguardarem uma venda posterior, ou se seguirão diretamente ao cliente. Este processo conhecido como (crossdocking - é a operação na qual o produto é recebido e encaminhado diretamente para a expedição, de acordo com Apte & Viswanathan (2000), com o mínimo de tempo possível a fim de não manter estoque e gerar custos com armazenagem).

As mercadorias que ficarão em estoque devem ter seus volumes desmembrados, conferidos, separados por código e/ou modelo. Deverão ser conferidas suas quantidades e identificadas com o endereço ou localização que ficarão dentro do armazém e em seguida transportadas até o local de estocagem onde deverão permanecer até que sejam solicitadas em algum pedido de venda ou transferência. Neste caso as mesmas serão separadas de acordo com a quantidade solicitada e encaminhada para expedição, onde serão conferidas, embaladas, identificadas e transportadas até o seu destino final. As etapas realizadas no CD serão detalhadas mais abaixo.

1.1.1 Recebimento

Toda a operação de um Centro de Distribuição se inicia pelo recebimento de mercadorias, atividade esta que serve de base para a realização de todas as outras. Consistem na descarga dos produtos enviados pelos fornecedores, a conferência de quantidades e a integridade do produto. Após todo concluído o processo de conferência, são feitos os lançamentos das informações no sistema de gerenciamento do armazém (Warehouse Management Systems), assim atualiza-se o estoque e obtém a exata localização onde as respectivas mercadorias devem ser acomodadas até que sejam solicitadas. (RODRIGUES, 2003).

1.1.2 Movimentação

A movimentação de mercadorias acontece desde o recebimento até a entrega para o consumidor final ou para outros que irão redistribuir estas mercadorias. A movimentação interna consiste em recebê-las, conferi-las e em seguida transportá-las até o ponto onde ficarão armazenadas. Também é considerada movimentação interna a realocação de mercadorias em outros locais dentro do Centro de Distribuição para otimizar espaço e para sua posterior expedição. Consideramos movimentação externa, o transporte de mercadorias até o seu destino final (cliente/consumidor). Toda esta movimentação envolve custos para o Centro de Distribuição, pois utiliza mão-de-obra, tempo e também temos que computar os riscos de avarias e percas em função destas movimentações. Portanto, buscando minimizar estes custos, deve-se avaliar a necessidade de todas as movimentações. (RODRIGUES & PIZZOLATO, 2003).

A oportunidade de reduzir a intensidade da mão-de-obra e aumentar sua produtividade reside nas novas tecnologias de movimentação e manuseio de materiais que estão emergindo atualmente. Segundo Moura (1998), o tipo de equipamento utilizado na movimentação de materiais afeta a eficiência e o custo de operação do CD.

1.1.3 Armazenagem

Consiste em manter estoques necessários para não haver gargalos entre a oferta e a demanda. Existe um custo elevado em se manter estes estoques, mas isto se faz necessário para que não se tenha custo maior no caso de haver falta de uma determinada mercadoria e ter que se fazer à aquisição a preços maiores do que aqueles que se conseguiria em outra oportunidade, podendo buscar melhores fornecedores, preços mais competitivos e melhores prazos. Estes estoques devem ser mínimos, evitando assim gastos desnecessários com mão-de-obra, manutenção de estoque, equipamentos e alto capital investido. (RODRIGUES & PIZZOLATO, 2003).

A área de armazenagem dos CDs é composta, segundo Calazans (2001), por estruturas como porta-paletes, drive-in[5], estantes e racks[6], que são separadas por corredores para ter acesso às mercadorias. Esses corredores são sinalizados para facilitar a operação do CD.

1.1.4 Separação de pedidos

A separação de pedidos (picking[7]) é a “coleta do mix[8] correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do consumidor” (LIMA, 2002 p.2). O mais importante nesta etapa é a correta separação dos itens solicitados no pedido para que se evite reclamações e transtornos posteriores, gerando insatisfação dos clientes. Esta etapa é a que mais consome custos operacionaisem um Centro de Distribuição.

A parte de acomodação das mercadorias ocupa quase todo o espaço dentro do Centro de Distribuição, por isso é de fundamental importância para agilidade nas operações, que se tenha alternativas para diminuir o tempo gasto com deslocamento de operadores para separação de mercadorias. A sugestão é criar formas práticas de estocagem, endereçamentos lógicos e rotas eficientes para obtenção dos produtos. (RODRIGUES, 2003)

1.1.5 Expedição

Finalmente chegamos a expedição, considerada a etapa final a ser realizada dentro de um Centro de Distribuição. Nesta etapa o ponto mais importante é a verificação e conferência das mercadorias separadas para envio do pedido. Deve-se ter ferramentas para fornecer segurança nesta conferência, como leitores de código de barras. Após a conferência, deve-se embalar os produtos de forma a garantir que os mesmos não sofram avarias no trajeto até seu destino final. Preparam-se todas as embalagens e documentação que deve acompanhar o pedido e aciona-se o devido meio de transporte para coleta.

Existem alguns fatores que podem influenciar na operação de expedição de uma forma negativa, como: atrasos de transportadoras, problemas na emissão da lista de separação e nota fiscal de saída (principalmente agora que todos operam com nota fiscal eletrônica), não manter sincronia entre recebimento e expedição nas operações de crossdocking e picos de demanda que não foram adequadamente planejados. (RODRIGUES, 2003).

1.1.6 LAYOUT

O layout de um CD é a forma como o mesmo está estruturado de acordo com suas necessidades operacionais, considerando as características de instalações físicas, podendo ser elas: espaço das áreas e setores, pisos, prateleiras, porta-paletes, esteiras, etc. Também reúne características dos produtos e serviços como: tipo do produto, peso, volume e forma de acondicionamento, também considera os equipamentos a serem empregados em toda a operação.

Serão apresentados aqui dois tipos de projetos de layouts: um baseado no princípio do fluxo de produtos e o outro baseado no giro dos produtos.

A intenção aqui é apresentar como funciona cada um e como deve ser empregado de acordo com a necessidade de cada empresa. Cada layout será associado a uma adoção no contexto prático, por meio das características observadas durante algumas visitas em CDs de empresas do mesmo segmento de mercado (atacado de autopeças). (RODRIGUES, 2003).

Não serão mencionados os nomes das empresas, sendo elas tratadas como empresas A e B.

Serão apenas apresentados os aspectos relacionados ao layout dos CDs de cada empresa, com o objetivo de relacioná-los com as características da operação de cada CD.

Layout baseado no princípio de fluxo

O layout baseado no princípio de fluxo está representado na Figura 2. O fluxo de produtos deve ser projetado em linha reta, sendo armazenados ou não, para evitar congestionamentos.

Assim, os produtos devem ser recebidos numa ponta da instalação, armazenados no meio e despachados pela outra ponta da instalação.

A empresa A apresenta um layout de CD baseado no princípio de fluxo, então foi selecionada para ser analisada nesse trabalho. É uma distribuidora onde o crossdocking é a operação utilizada no sistema de distribuição física da empresa, o que justifica a escolha da empresa em utilizar esse esquema de layout, uma vez que o produto não é armazenado, ele deve, então, ser recebido em uma extremidade da instalação e ser expedido do outro lado. A empresa recebe as mercadorias já embaladas e etiquetadas, o CD separa os produtos e, então, são encaminhados para as lojas.

A entrega das mercadorias nos pontos de venda é feita por meio de reposição automática.

Figura 2 - Layout de um CD baseado no princípio de fluxo.

Fonte: (Rodrigues e Pizzolato, 2003).

Layout baseado no giro dos produtos

O layout baseado no giro dos produtos é mostrado na Figura 3. Dessa forma, os produtos de maior giro devem ser colocados na região mais próxima da separação (1). As esteiras (7) eliminam a movimentação na recepção da lista de produtos e no envio para o despacho. Existe uma área (2) reservada para armazenagem e coleta de produtos de pequenas dimensões e alto volume. Deve ser planejada uma área para o recebimento (3) de produtos que alimentarão as regiões (1) e (2). De forma análoga, uma área de expedição (4) deve ser dimensionada com linhas suficientes para evitar a acumulação ou fila na linha de picking. As esteiras que levam os pedidos completos da área de picking para a área de expedição (5) devem possuir altura elevada para aproveitamento do espaço em chão. Na região (6) os produtos de pequeno e médio volume são armazenados em paletes. A área (8) representa as docas do CD. A empresa B possui o CD com um layout baseado no giro dos produtos, assim sua operação será descrita nesse estudo. As peças pequenas representam 60% do estoque, seguido de lubrificantes e pneus. A empresa opera com um estoque médio de 20 dias. A armazenagem dos produtos é feita, então, baseada no volume transacionado de cada item, bastante similar à Figura 3. As peças chegam em volumes que devem ser desmembrados, conferidos e guardados em seus respectivos endereços. Os demais produtos que não ficam nas prateleiras vão para as suas respectivas áreas. Depois de serem solicitados em um pedido, os produtos são embalados e etiquetados no CD para serem entregues aos clientes.

Figura 3 - Layout baseado no giro dos produtos.

Fonte: Adaptado de Medeiros (1999)

1.2 VANTAGENS NA ADOÇÃO DO CD NO SISTEMA LOGÍSTICO

São inúmeras as vantagens encontradas na adoção de implantação de Centros de Distribuição pelas empresas para melhorar sua performance logística. Dentre elas podem citar algumas como obtenção de melhores preços na negociação junto aos fornecedores, pois serão adquiridos grandes volumes para um só destino. Isto beneficia também a questão de custo de frete, evitando pagamento para entregas fracionadas.

Obtêm-se vantagens como abertura de mais espaço nas lojas, pois não terão grandes áreas reservadas para estoque, podendo ser abastecidas regularmente ou a mercadoria seguir diretamente do Centro de Distribuição para o seu cliente final. Redução de mão-de-obra nas lojas, pois todo o trabalho de descarga, conferencia e guarda de mercadorias fica centralizado no Centro de Distribuição. Outro fator é qualidade no atendimento, pois a proximidade do cliente gera agilidade no fornecimento e ganhos no processo logístico, com isso aumenta a satisfação do cliente. (RODRIGUES, 2003).

1.3 UTILIZAÇÃO DE CDS NOS DIFERENTES SEGMENTOS

Segundo Calazans (2001), os segmentos que mais investem em CDs são: a indústria de bens de consumo, os operadores logísticos e o setor supermercadista.

A Análise Setorial de Centros de Distribuição, elaborada pela Gazeta Mercantil (2001), e apresentada por RODRIGUES & PIZZOLATO (2003) será descrita a seguir.

1.3.1 Supermercados

Um dos segmentos que mais investem em CDs. Tais investimentos têm sido estimulados pelas transformações por que passou o setor supermercadista nos últimos anos, como a estabilidade econômica, a entrada de empresas estrangeiras no mercado, mudanças no perfil dos consumidores e o acirramento da concorrência. Além disso, a grande diversidade de produtos faz com que os supermercados obtenham distintas operações em seus CDs.

1.3.2 Varejo de Eletroeletrônicos

A concentração dos estoques nos CDs não é uma estratégia nova para as redes desse segmento, por comercializarem produtos de grande porte, como geladeiras e fogões, sendo inviável estocá-los nas lojas, assim que são vendidos, o Cd é informado sobre a venda e já se inicia o processo de entrega destas mercadorias. Produtos de menor porte, como barbeadores e relógios, atualmente, também têm seus estoques centralizados. Nas lojas, estoca-se a quantidade correspondente à expectativa de vendas do dia ou de um período determinado pela empresa.

1.3.3 Farmácias e Drogarias

Muito pulverizado, o mercado brasileiro de farmácias e drogarias é geralmente abastecido por atacadistas distribuidores. Apenas as grandes redes são atendidas diretamente pelas indústrias.

A armazenagem no interior das farmácias é feita com base nas classes de medicamentos, onde os medicamentos sujeitos a controle especial devem permanecer em local de acesso restrito, sob monitoramento do estabelecimento. Esse setor deve manter um rigoroso controle de estoque, a fim de evitar perdas por prazo de validade vencido (CALAZANS, 2001).

1.3.4 Vendas Diretas via Catálogo

A venda direta via catálogo é um sistema de comercialização de bens de consumo e serviços, realizado por meio de contato pessoal entre o vendedor e o consumidor fora de estabelecimento comercial. Devido à grande complexidade de operação, a atuação nesse mercado pressupõe investimentos em armazenagem e distribuição ou a terceirização desses serviços a operadores especializados.

A partir dos CDs, é feita a distribuição dos produtos para seus revendedores espalhados por todo o país, uma demanda bastante pulverizada. Os pedidos dos revendedores são compostos por uma grande variedade de itens. Em geral, poucas unidades de diversas linhas com apresentações, tamanhos e volumes variados. Cabe ao CD compor o mix destes produtos para otimizar embalagens e assim obter ganhos no transporte.

1.3.5 Comércio Eletrônico

Para atuar no varejo eletrônico, as empresas buscam se capacitar para atender pedidos fracionados feitos diretamente pelo consumidor. Para atender a essa demanda, é necessário possuir CDs que permitam a execução de picking de itens individuais, além de incluir atividades de etiquetagem, embalagem e gerenciamento de retornos.

Várias lojas virtuais surgiram nos últimos anos e algumas empresas criaram estruturas independentes para o varejo virtual, como é o caso da Americanas.com e da Saraiva.com. A logística é apontada por especialistas como o grande gargalo do comércio eletrônico, principalmente na modalidade B2C (Business to Consumer), pois requer muita agilidade na entrega.

1.3.6 Atacadista Distribuidor

Centros de distribuição ágeis, bem estruturados e integrados com toda a estrutura logística da empresa são fundamentais para os atacadistas distribuidores ou de entrega. Considerada a modalidade mais importante do setor atacadista, concentra 64,5% do faturamento, de acordo com a Associação Brasileira dos Atacadistas e Distribuidores (Abad). Esse tipo de atacadista não possui lojas, sua infra-estrutura é composta basicamente por CDs, onde são recebidas as mercadorias de diversas indústrias, negociadas através de um departamento de televendas, separadas e enviadas para os varejistas.

Esse segmento abastece pequenos e médios varejistas, em diferentes regiões geográficas do país. Seus CDs operam diversos tipos de carga, com variadas apresentações de tamanhos e embalagens, aumentando a complexidade da operação. Estão sendo constantemente abastecidas pelos fornecedores, uma vez que seus estoques sofrem grande rotatividade.

1.3.7 Indústria

Para reduzir os custos de distribuição de seus produtos, uma das principais estratégias adotadas pela indústria é a utilização de CDs. De administração própria ou terceirizada, essas unidades contribuem para o maior controle das operações de logística e permitem a obtenção de melhores níveis de serviço aos clientes no tocante ao atendimento do pedido. As mudanças na relação dos fornecedores com os canais de distribuição podem ser observadas em diversos aspectos. O preço, por exemplo, que até 1995 era a variável mais importante na decisão de compra nos últimos anos, foi superado pelo produto (CALAZANS, 2001). Por outro lado, os serviços aos clientes conquistaram maior importância. Aspectos como disponibilidade das mercadorias, tempo de ciclo do pedido, consistência do prazo de entrega e freqüência da entrega estão influenciando cada vez mais a decisão de compra dos varejistas.

1.3.8 Operadores Logísticos

Entre os serviços prestados pelos operadores logísticos, está o gerenciamento dos estoques de seus clientes, considerado como um dos principais focos de seu negócio. Para tanto, esses agentes estão investindoem modernos CDspróprios, para dedicar as operações de um ou mais clientes, mantendo sua competitividade. (RODRIGUES & PIZZOLATO, 2003).

1.4 COMO MELHORAR UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

Uma resposta quase imediata para esta questão, seria a implementação de alta tecnologia no ERP, SCM e WMS. Obviamente que com esta ajuda, conseguir-se-á uma otimização das operações, mas não é este o aspecto fundamental condicionante desta melhoria.

É o processo o ponto mais crítico para a redução de custos de um CD. Este deve acompanhar a mudança temporal entre fornecedores, clientes e produtos, seja ela para mais (maior quantidade de fornecedores, produtos e clientes) ou para menos. O empreendimento do mesmo processo face à mudança da realidade só resultará numa maior probabilidade de ocorrência de erros que se refletirão em baixa produtividade e atrasos nas entregas, dando assim origem a mais custos.(MARTINS, 2012).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Uma questão básica do gerenciamento logístico é como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes de produção, oferecendo níveis de serviço cada vez mais altos em termos de disponibilidade de estoque e tempo de atendimento.

Neste contexto, a atenção se volta para as instalações de armazenagem e como elas podem contribuir para atender de forma eficiente as metas estabelecidas de nível de serviço. A funcionalidade destas instalações dependerá da estrutura de distribuição adotada pela empresa. O centro de distribuição tem um papel fundamental dentro da logística, centralizando o estoque de toda a cadeia a fim de obter vantagens econômicas e de eficiência.

Esse artigo pretendeu avaliar a importância do CD no sistema logístico, abordando os aspectos relevantes ao entendimento do tema. Foram discutidos o conceito, as funções básicas e as vantagens de sua adoção a fim de compreender a armazenagem. Os pontos sobre layouts proporcionaram uma comparação entre a literatura e a prática das empresas, avaliando as opções de planejamento dos CDs de acordo com cada estratégia empresarial. Como melhorar um CD mostrou que além de investir em tecnologias, é importante que ocorra mudanças nos processos, em alguns casos, trata-se de mudança de cultura. O panorama apresentado ofereceu uma visão geral sobre a utilização dos CDs em diferentes segmentos.

REFERÊNCIAS

ALVES, Pedro L. (2000) - Implantação de tecnologias de automação de depósitos: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado – Administração, Universidade Federal do Rio e Janeiro.
APTE, Uday M.; VISWANATHAN, S. (2000) - Effective cross docking for improving distribution efficiencies. International journal of logistics: research and applications, v. 3, n. 3.
CALAZANS, Fabíola. (2001) - Centros de distribuição. Gazeta Mercantil: Agosto.
FERREIRA, Ederson (2011) – Centro de Distribuição. Disponível em:http://pt.scribd.com/doc/52039761/Centros-de-Distribuicao-armazenagem-estrategica. Acesso em: 29/09/2012.
LIMA, Maurício P. (2002) - Armazenagem: considerações sobre a atividade de picking. Centro de Estudos em Logística (CEL), COPPEAD/UFRJ.
MARTINS, Cleber (2012). Disponível em: http://logistica74.blogspot.com.br/2012/07/centro-de-distribuicao.html. Acesso em: 23/09/2012.
MEDEIROS, Alex (1999) – Artigos – Estratégias de Picking na Armazenagem. Disponível em: http://www.ilos.com.br/web/index.php?option=com_content&task=view&id=1072&Itemid=74. Acesso em: 24/09/2012.
MOURA, Reinaldo A. (1998) - Sistemas e técnicas de movimentação e armazenagem de materiais. 4a ed. São Paulo: IMAM, 452 p. (Série manual de logística; v. 1).
RODRIGUES, Gizela G.; PIZZOLATO, Nélio D. (2003). Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2003_TR0112_0473.pdf. Acesso em: 22/09/2012.
SOUZA, Anali (2010) – Centro de Distribuição. Disponível em: http://fatecid.files.wordpress.com/2010/12/centro-distribuic3a7c3a3o-final-1.pdf. Acesso em: 25/09/2012.

[1] Disposição, configuração.

[2] Empurrar.

[3] Puxar.

[4] No tempo exato.

[5] Condutor.

[6] Prateleiras.

[7] Seleção.

[8] Mistura.

Marcos Vinicius Alves
Graduado em Tecn. Proc. Dados pela Estácio de Sá, com MBA em Adm. e Logística pela Uninter, atua a 16 anos em logística de diversos segmentos. Atuei 11 anos na logística da Cargill, depois como supervisor em 2 Centro de distribuição(construção e auto-peças), fui supervisor de recebimento em uma indústria. Atualmente atuo como analista de almoxarifado no Senar/MS
Seja um colunista
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER