CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

O Papel de Coordenador de Grupos

Artigo por Colunista Portal - Educação - quinta-feira, 30 de abril de 2009

Tamanho do texto: A A

Carmen Silvia de Arruda Andaló1
Universidade Federal de Santa CatarinaOs trabalhos com grupos, instrumental valioso nos espaços institucionais, vêm sofrendo um processo de banalização de cunho tecnicista. Este artigo pretende ser uma contribuição à reflexão sobre a coordenação de grupos. Afasta-se dos estudos sobre a personalidade dos coordenadores, propondo seu entendimento como o de mediadores entre o nível vivencial e a compreensão crítica. Isso aponta seu caráter constitutivo nos processos grupais.

 

 

 

Descritores: Psicoterapia de grupo. Dinâmica de grupo. Psicodrama. Liderança.

 

 

Na atualidade vem se dando cada vez mais ênfase aos processos grupais, o que torna o conhecimento sobre os mesmos um instrumental valioso e até mesmo imprescindível, seja em termos de eficácia para atingir objetivos ou realizar tarefas (rendimento), seja para detectar lideranças, obter coesão, resolver conflitos e tensões, etc. Quer se trate de grupos de trabalho, pedagógicos, institucionais, comunitários, de lazer, psicoterapêuticos, ou de outra natureza, impõe-se a necessidade de ampliar o saber sobre essa área, considerada privilegiada no campo da Psicologia Social.

O interesse pelos processos grupais pode ser facilmente constatado através da proliferação, tanto de publicações sobre "jogos" e as famosas "dinâmicas de grupo,"2 como da demanda de trabalhos com grupos em contextos os mais variados. Tem-se observado, no entanto, um processo de banalização preocupante numa perspectiva claramente tecnicista, dando a falsa impressão de que coordenar grupos é uma atividade simples e que não requer maiores conhecimentos teóricos, além do domínio de alguns "jogos," "técnicas" e "dinâmicas" superficiais aplicadas geralmente à revelia do movimento grupal. É comum pessoas solicitarem sugestões de alguma "tecnicazinha" para aplicar em um grupo cujas características o próprio coodenador do mesmo ignora completamente.

Refletir sobre o papel dos coordenadores de grupo tem sido uma preocupação constante dentro das várias abordagens que se ocupam desse tema. É importante porém esclarecer que tal papel se encontra atrelado à própria concepção de grupo dos profissionais que o exercem. Ou seja, a qualquer caminho metodológico utilizado na investigação dos processos grupais, subjaz uma concepção de mundo e de homem nem sempre explicitada.

A perspectiva adotada no presente artigo entende o homem como um ser construído social e historicamente através das relações sociais estabelecidas. Concebe o grupo como um trabalho mediado por uma tarefa comum que une e diferencia seus membros. Feito esse esclarecimento é possível perguntar que papel tem nele o coordenador. Ou mais, de fato, os grupos necessitam de coordenadores?

Parece que sim, pois mesmo os agrupamentos espontâneos onde não há coordenadores oficiais atribuem, ainda que provisoriamente, o papel de liderança a determinados participantes.

CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.