artigo

quarta-feira, 24 de abril de 2013 - 11:10

Tamanho do texto: A A

Transtorno de ajustamento

por: Colunista Portal - Educação

O Transtorno de Ajustamento é uma relação mal adaptativa a curto prazo
O Transtorno de Ajustamento é uma relação mal adaptativa a curto prazo
De acordo com Kaplan (2003), sintomas emocionais ou comportamentais podem ocorrer em resposta a eventos estressantes da vida. Quando esses sintomas ou comportamentos aparecem até três meses após o início da situação estressora e são clinicamente significativos, sendo evidenciados por sofrimento acentuado que excede o esperado para a exposição ao estressor ou comprometimento significativo no funcionamento social, ocupacional ou acadêmico, sugere a indicação de Transtorno de Ajustamento.

O Transtorno de Ajustamento é uma relação mal adaptativa a curto prazo, o que um leigo poderia chamar de infortúnio pessoal ou o que um psiquiatra chama de estressor psicossocial. A resposta é mal adaptativa em virtude de um comprometimento no funcionamento social ou ocupacional, ou porque os sintomas ou comportamentos estão além da resposta normal, habitual ou esperada a este estressor. Este transtorno é diagnosticado mais frequentemente em adolescentes, mas pode ocorrer em qualquer idade.

Entre os adolescentes de qualquer sexo, tipos comuns de estressores precipitadores são problemas escolares, rejeição parental, divórcio e abuso de substância. Entre os adultos, os estresses precipitadores mais comuns são problemas conjugais, divórcio, mudança para um novo ambiente e problemas financeiros.

Fundamental ao entendimento do Transtorno de Ajustamento é a compreensão de três fatores: a natureza do estressor, os significados conscientes e inconscientes do estressor e a vulnerabilidade preexistente do paciente.
Os Transtornos de Ajustamento são codificados de acordo com o subtipo que melhor caracteriza os sintomas predominantes de acordo com o DSM IV (2001):

Com humor depressivo. Este subtipo deve ser usado quando as manifestações predominantes são sintomas tais como humor deprimido, tendência ao choro ou sensações de impotência.

Com ansiedade. Este subtipo deve ser usado quando as manifestações predominantes são sintomas tais como nervosismo, preocupação ou inquietação ou, em crianças, medo da separação de figuras de vinculação.

Misto de ansiedade e depressão. Este subtipo deve ser usado quando a manifestação predominante é uma combinação de depressão e ansiedade.

Com perturbação da conduta. Este subtipo deve ser usado quando a manifestação predominante é uma perturbação da conduta na qual existe violação dos direitos alheios ou de normas e regras sociais importantes, adequadas à idade (por ex., vadiagem, vandalismo, direção imprudente, lutas corporais, descumprimento de responsabilidades legais).

Com perturbação mista das emoções e conduta. Este subtipo deve ser usado quando as manifestações predominantes são tanto sintomas emocionais (por ex., depressão, ansiedade) quanto uma perturbação da conduta (ver subtipo acima).

Inespecífico. Este subtipo deve ser usado para reações mal-adaptativas (por ex., queixas somáticas, retraimento social, inibição profissional ou acadêmica) a estressores psicossociais, não classificáveis como um dos subtipos específicos de Transtorno de Ajustamento.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.

Educação e Pedagogia