CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

A contribuição de Vygotsky no processo de ensino e aprendizagem de alunos com SA

Artigo por Vera Lucia Mendonça Nunes - sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Tamanho do texto: A A

A contribuição de Vygotsky no processo de ensino e aprendizagem de alunos com SA
A contribuição de Vygotsky no processo de ensino e aprendizagem de alunos com SA
Diferentes áreas têm pensado o indivíduo como um todo, capaz de aprender em diferentes contextos, ampliando o conceito de ensino e aprendizagem. É neste processo de ensino e aprendizagem que crianças com Síndrome de Asperger têm encontrado dificuldades para progredir, necessitando de motivação e apoio no contexto escolar. Isto se deve ao fato de suas limitações dificultarem a aprendizagem que muitas vezes fica desprovida de condições que as conduzam ao sucesso escolar.

No Brasil, ainda são muitas as dificuldades quanto ao atendimento de crianças com Síndrome de Asperger, principalmente em idade escolar. Muitas lutas têm sido erguidas para a criação de políticas de saúde pública, para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento de crianças autistas, assim como pesquisas nesta área. Sabe-se que o custo para um atendimento adequado é alto, o que torna inviável o acesso das famílias afetadas, tendo como consequência, o não cumprimento dos direitos previsto na Constituição Federal, artigo 23, inciso II.

É fato que as crianças com esta síndrome apresentam dificuldades de socialização, de comportamento, no cumprimento de regras, adaptação a novas rotinas, dificuldades na linguagem e outros sintomas que diferenciam muito em cada indivíduo. Neste sentido, a escola se sente despreparada e professores encontram muitos obstáculos ao tentar ensinar algo a estas crianças, trazendo o descontentamento das famílias, da própria criança e é claro do educador. A dificuldade em alfabetizar estas crianças torna-se um verdadeiro problema, pois elas não mantêm contato visual, não se socializam, dificultando todo o processo de aprendizagem.

Neste sentido, seria a teoria sociocultural abordada por Vygotsky, uma estratégia de ensino aprendizagem adequada para as crianças que apresentam Síndrome de Asperger, ou apenas uma forma de distração diante de seus comportamentos e dificuldades? O presente projeto busca um estudo sobre o processo de ensino aprendizagem de crianças que apresentam Síndrome de Asperger, sob a perspectiva de Vygotsky. Em sua abordagem histórico-cultural, Vygotsky se fundamenta na participação do outro, na socialização, na constituição do sujeito e sua relação com o mundo, através de uma ação mediadora.

É fundamental para a criança com Síndrome de Asperger, que ela possa desenvolver a sua aprendizagem, ao mesmo tempo em que supera as suas dificuldades de socialização, de linguagem, de comportamento entre outros. Na abordagem de Vygotsky, isto acontece aos poucos, pois a criança vai aprender brincando, através da ludicidade, onde o professor será o mediador deste processo.

Espera-se com este artigo, poder analisar metodologias que surgem através do lúdico, dos jogos e brincadeiras, de acordo com a teoria de Vygotsky, que muito tem contribuído e vem ocupando espaço na forma de educar, de ensinar e aprender no contexto escolar, principalmente em crianças que apresentam alguma dificuldade na aprendizagem. Verificar a importância da contribuição de Vygotsky no processo de ensino aprendizagem de crianças que apresentam Síndrome de Asperger, conhecer as características específicas da Síndrome de Asperger, permitindo um maior aprofundamento nos estudos, descobrindo como e quando aprendem; compreender o valor das brincadeiras, dos jogos, do lúdico no processo de aprendizagem, como subsídio eficaz na construção do conhecimento e conhecer os princípios teóricos que orientam a teoria de Vygotsky no desenvolvimento do processo de aprendizagem.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Vera Lucia Mendonça Nunes

Graduada em Pedagogia pela UFPR(2003). Atualmente é Diretora da Escola Municipal em Arapongas-Pr. Psicopedagoga e Psicomotricista.Tem experiência na área da educação com ênfase em Educação Especial e Dificuldades na Aprendizagem. Docente em Cursos de Pós Graduação na área de Educação Especial, Dificuldades de Aprendizagem, Psicopedagogia Institucional e Clínica, Psicomotricidade e outros .