CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

Presença de Parasitas Intestinais em Escovas Dentais de Crianças

Artigo por Daisy Barbosa Bastos - quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Tamanho do texto: A A

Escovas dentárias podem transmitir enteroparasitoses para os seres humanos
Escovas dentárias podem transmitir enteroparasitoses para os seres humanos
INFECÇÃO POR ENTEROPARASITAS

2.1 Transmissão

Gonçalves; Araújo; Ferreira (2003) ressaltam que a contaminação humana por enteroparasitos é uma ocorrência de milhares de anos. A biodiversidade de enteroparasitoses em escolares é um indicador da falta de informação da população sobre os hábitos e condições propícias para a transmissão destes parasitas (ALMEIDA.,  et al. p60-65. 1991).

Segundo Toscani et al (2007) a infecção parasitária é mais comum em crianças, por meio da via oro-fecal.

Alguns parasitas como: Entamoeba histolytica, Giardia intestinalis, Hymenolepis nana, Taenia solium, Ascaris lumbricóides, Tchichuris trichiura e Enterobius vermicularis, podem ser carreados através de objetos utilizados na rotina da população, como é o caso da escova dentária, que é um instrumento mundialmente utilizado e de fundamental importância na manutenção da saúde bucal, mas após o uso elas podem ficar contaminadas por várias espécies de microorganismos patogênicos aos seres humanos. (SILVEIRA., p. 65-68. 2005)

FREITAS et al. (2005) destacam que o local de armazenamento das escovas exerce grande influência do tipo e quantidade de microorganismos colonizadores.

Pelo fato de muitos profissionais não terem recebido informações a esse respeito, acabam por não discutirem esse assunto com a população, apesar de terem papel fundamental na orientação dos mesmos em relação a esta problemática.

Neste sentido, partindo do pressuposto que escovas dentárias podem transmitir enteroparasitoses para os seres humanos através de infecção cruzada a pesquisa avaliou a escova como possível reservatório para enteroparasitas causadores de doenças. (OLIVETTO.,p 02-03. 2010).

Diante dos trabalhos de Paschoal e Rotta (1992), Lara et al. (2001) e Sato, Ito e Lara (2004), pode-se afirmar que microorganismos presentes na cavidade bucal podem ficar retidos nas escovas, fazendo com que estas possam atuar como meio de proliferação e transmissão dos mesmos.

2.2 Sintomatologias das parasitoses intestinais

As helmintíases e as protozooses são doenças de manifestação espectral, variando desde casos assintomáticos a graves. Na maioria dos casos, os sintomas são inespecíficos,  como anorexia, irritabilidade, distúrbios do sono, náuseas, vômitos ocasionais, dor abdominal e diarréia. Os quadros graves ocorrem em doentes com maior carga parasitária, imunodeprimidos e desnutridos.

O aparecimento ou agravamento da desnutrição ocorre através de vários mecanismos, tais como lesão de mucosa (Giardia intestinalis, Necator americanus, Strongyloides stercoralis, coccídios), alteração do metabolismo de sais biliares (Giardia intestinalis), competição alimentar (Ascaris lumbricoides), exsudação intestinal (Giardia intestinalis, Strongyloides stercoralis, Necator americanus, Trichuris trichiura), favorecimento de proliferação bacteriana (Entamoeba histolytica) e hemorragias (Necator americanus, Trichuris trichiura) (REY., p 85-95. 1992).

2.3 Principais parasitoses

2.3.1 Ascaridíase


 As infecções de baixa intensidade (três a quatro vermes) por Ascaris lumbricóides são frequentemente assintomáticas. Já nas infecções de média intensidade (30 a 40 vermes) ou nas infecções maciças (100 ou mais vermes) os vermes adultos podem causar ação espoliadora, tóxica ou mecânica. Pode haver um grande consumo de proteínas, vitaminas, lipídios e carboidratos, resultando em desnutrição, principalmente em crianças.

 A reação alérgica aos antígenos parasitários pode causar edema ou urticária. Nas infecções maciças, ocorrem lesões hepáticas com pequenos focos hemorrágicos e de necrose, evoluindo para fibrose. (NEVES., p 127-138. 2000).

Ocorrem também lesões pulmonares causadas pela forma larvar, a qual passa para os alvéolos, resultando em pontos de hemorragia. Dependendo da quantidade de larvas presentes, pode ser determinado quadro pneumônico com febre, tosse, dispnéia e eosinofilia.(REY., p 85-95. 1992).

Na Síndrome de Loeffler, quadro pulmonar mais grave, há edema dos alvéolos com infiltrado parenquimatoso eosinofílico, manifestações alérgicas e quadro clínico-radiológico semelhante ao da pneumonia. A complicação mais comum é o quadro de obstrução intestinal devido ao enovelamento de parasitos na luz do intestino. Pode levar a óbito, principalmente em crianças desnutridas com indicação de tratamento cirúrgico.(MORAES., p 608.  2008).

As principais manifestações em obstrução ou semiobstrução intestinal são diarréia seguida de constipação, dor abdominal, vômitos, histórico de eliminação do parasito nas fezes ou pelo vômito.(NEVES., p 127-138. 2000).

 2.3.2 Ancilostomíase

 A ancilostomíase é vulgarmente conhecida como doença do amarelão devido à presença de pronunciada anemia. A sintomatologia depende da intensidade da infecção. (MORAES., p 608.  2008)

Os ovos de ancilostomídeos são eliminados pelas fezes do homem e, ao encontrarem um ambiente propício, com boa oxigenação, alta umidade e temperatura elevada, passam à forma larvária. Essas larvas, na forma filarióide, penetram na pele, conjuntiva, mucosas ou por via bucal. Após penetrarem na pele, alcançam a circulação sanguínea e a linfática, alojando-se no coração e nos pulmões. O quadro cutâneo se manifesta por uma dermatite pruriginosa no local da penetração das larvas. As manifestações pulmonares são inespecíficas, podendo haver tosse de longa ou curta duração, expectoração e febrícula. O acometimento intestinal é acompanhado de dor epigástrica, náuseas, vômitos e diarréia, às vezes sanguinolenta ou constipação. A anemia é o principal sinal de ancilostomose.(NEVES., p 127-138, 2000).

O Necator americanus pode exercer intenso hematofagismo, podendo sugar de dois a três mililitros de sangue por dia. Assim, a anemia por deficiência de ferro e a hipoproteinemia caracterizam a fase crônica da doença. Ezema et al., (2002) observaram uma associação entre anemia e a diminuição da capacidade cognitiva infantil, resultando em déficit de aprendizado e índices de repetência e evasão escolar significativos.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Daisy Barbosa Bastos

Daisy Barbosa Bastos Brasileira, casada, 25 anos Rua Minas Gerais, número 139 Leopoldina - MG Telefone: (32)84206832 / E-mail:daisy.bastos@bol.com.br OBJETIVO Realizar minhas atividades com competência no cargo de Biomédica. FORMAÇÃO  Graduação em Biomedicina, conclusão em 2011. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL  2009 - Hemograma Análises Clínicas Cargo: Estagiária. Princi