CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

ALHO: Quais os seus benefícios para a saúde humana?

Artigo por Colunista Portal - Educação - terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Tamanho do texto: A A

 
Nutrição Oral - Data de Publicação: 14/12/2007 (Sexta-Feira)
 
ALHO: Quais os seus benefícios para a saúde humana?

Desde a Antiguidade acredita-se nos benefícios que o alho traz para a saúde humana. As culturas egípcia, indiana, grega e romana tinham a visão de que o alho continha propriedades profiláticas e terapêuticas. O primeiro a descrever o efeito bactericida do alho foi Louis Pasteur. Atualmente se reconhece cientificamente que o alho previne e trata infecções patogênicas, câncer e doenças cardiovasculares, tornando-se uma das ervas medicinais mais utilizados no mundo (1).

Os componentes sulfurados do alho, como a aliina, alicina, dialil sufeto, dentre outros, são os que se destacam como benéficos para a saúde humana, e que promovem o odor característico do alho. Além disso, a grande quantidade desses componentes presentes no alho diferencia-o dos outros vegetais pertencentes ao mesmo gênero Allium. O nome científico do alho é Allium sativum (2,3).

Além desses componentes sulfurados, encontram-se outros nutrientes na composição nutricional do alho, segundo a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO) da Unicamp (4):

Alimento em 100g/nutriente

Alho cru

Energia (kcal)

113

Proteína (g)

7

Lipídeos (g)

0,2

Carboidrato (g)

23,9

Fibra (g)

4,3

Cálcio (mg)

14

Fósforo (mg)

149

Sódio (mg)

5

Potássio (mg)

535

Magnésio (mg)

21

Vitamina B6

0,44



Pesquisadores de distintas regiões do mundo se debruçam sobre as propriedades medicinais do alho, para entender os mecanismos e o efeito de seus compostos em algumas doenças. Pesquisa científica do Kuwait avaliou os efeitos do consumo de alho cru e extrato fervido em água nos níveis séricos de glicose, colesterol e triglicerídeos em ratos durante quatro semanas. Diferentes dosagens dos dois tipos de alho (50 e 500 mg/kg) foram oferecidas. Os autores observaram que o alho cru apresentou um intenso efeito na redução dos parâmetros analisados, podendo ter importante papel na prevenção de aterosclerose e diabetes. Já o alho aquecido teve menor efeito nos níveis séricos de colesterol e triglicérides, e nenhum efeito foi encontrado na dosagem de glicose. Eles acreditam que o processo de fervura destrua os ingredientes voláteis, ativos e quimicamente instáveis do alho (5).

Cientistas argentinos fizeram uma análise mais detalhada da melhor forma de preparo do alho para verificar suas propriedades antiplaquetárias, e assim avaliar sua contribuição para a prevenção de doença cardiovascular. Os resultados mostraram que a alicina e o tiosulfinato são os componentes que contribuem para essa propriedade antiplaquetária. Porém, moer o alho antes do cozimento pode reduzir essa ação. Mas a perda parcial dessa ação pode ser compensada se o consumo do alho for aumentado (6).

Para verificar os efeitos hipocolesterolêmicos do alho, estudo randomizado, duplo-cego, controlado com grupo placebo foi realizado em homens com hipercolesterolemia entre 220 a 285 mg/dl e simultaneamente em animais. O grupo que recebeu cápsulas de suplemento de extrato de alho, 800 mg diariamente durante cinco meses, teve diminuição de 7% no colesterol plasmático total e 10% no LDL-colesterol (lipoproteína de baixa densidade) plasmático, comparados com o grupo placebo. Similarmente em ratos a mesma suplementação reduziu 15% do colesterol total plasmático e 30% da concentração de triglicerídeos plasmático. Com esse estudo pôde-se verificar que a ação do alho na redução do colesterol e triglicerídeos ocorreu, em parte, pela inibição da síntese de colesterol no fígado, por meio dos componentes sulfurosos do alho, especialmente o S-alil-cisteína (7).

Outro possível mecanismo dos efeitos benéficos do alho na doença cardiovascular é a de impedir a oxidação do LDL-colesterol, inibindo a iniciação e progressão da aterosclerose. Essa oxidação do LDL promove disfunção vascular pela ação citotóxica direta das células endoteliais, pelo aumento da propriedade quimiotática de monócitos e pelo aumento da proliferação de células endoteliais, monócitos e células musculares. Todos esses eventos contribuem para o desenvolvimento da doença cardiovascular (8,9). Dessa maneira, a Associação Dietética Americana recomenda um consumo de 600 a 900 mg de alho por dia, correspondente a um dente de alho cru por dia, para a redução de colesterol sangüíneo total. Essa ingestão também pode ser proveniente da suplementação de alho (10).

Há ainda outros benefícios. Estudo chinês observou que o consumo de alho e outros alimentos do mesmo gênero, como cebola, cebolinha e alho porro, reduz o risco de câncer de próstata independentemente do peso corporal, ingestão total de calorias e de outros produtos alimentícios. Além disso, verificaram maiores efeitos em homens com câncer de próstata avançado. O consumo médio de alho foi de cerca de dois dentes por semana (11).

Além disso, estudo clínico randomizado, duplo-cego, ainda verificou que o consumo de quatro cápsulas por dia contendo 500 mg de extrato de alho, que não tem odor forte, melhorou o sistema imune de pacientes com câncer avançado (cólon, fígado e pâncreas). Os autores consideram que o alho seja um tratamento alternativo para esses pacientes, pois houve aumento da atividade de células exterminadoras naturais (natural killer), que destroem células tumorais, durante os três meses de acompanhamento (12,13).

O Instituto Nacional de Saúde norte-americano lançou uma revisão sistemática de todo esse corpo de evidências a respeito do alho. No trabalho, que avaliou os efeitos do alho em diversas situações clínicas, verificou-se que o consumo de diferentes preparações, comparado com placebo, reduziu o colesterol sangüíneo total significativamente após um mês (reduções de pelo menos 1,2 mg/dl até 17,3 mg/dl em alguns casos). Porém, um acompanhamento durante seis meses não identificou nenhuma diminuição no colesterol decorrente da utilização de alho. Assim também a ingestão de diversas formas de preparações de alho mostrou redução da agregação plaquetária. Contrariamente, observaram que o uso do alho não trouxe benefícios para a redução da pressão arterial, nem na glicemia de pacientes com ou sem diabetes, nem no câncer gástrico, colorretal, endometrial e laríngeo. Os possíveis efeitos adversos no consumo do alho encontrados nos trabalhos analisados nessa revisão foram mau hálito e forte odor corporal (14).

Finalmente, também se verifica no alho a propriedade antimicrobiana, destacando dentre seus componentes alicina e ajoene, com essa atividade mais intensa (15). Isso é de interesse para alguns pacientes que sofrem de doenças infecciosas, quando optam por tratamento natural. Por isso, foi realizado um estudo que avaliou o sinergismo entre antibióticos e extratos de plantas, que incluía o alho, contra o Staphylococcus aureus. Dentre as plantas analisadas, o alho apresentou capacidade antimicrobiana sobre o Staphylococcus, porém com menor atividade sinérgica com as drogas (16). Porém, há autores que não observaram um resultado positivo, por exemplo, no uso do alho para o tratamento de infecção por Helicobacter pylori (17-18).

Portanto, evidências científicas identificam os efeitos benéficos do uso do alho em diferentes doenças. Novos estudos devem ser conduzidos para avaliar os efeitos terapêuticos do consumo prolongado do alho, e para definir os tipos de preparações do alho in natura e a concentração dos componentes ativos para se obterem resultados efetivos.

Thiago Manzoni Jacintho
Biólogo pela Univerdade de Mogi das Cruzes e Mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).



Referências:
1. Jakubowski H. On the health benefits of Allium sp. Nutrition. 2003;19(2):167-8.

2. Itakura Y, Ichikawa M, Mori Y, Okino R, Udayama M, Morita T. How to distinguish garlic from the other Allium vegetables. J. Nutr. 2001;131(3s):963S-7S. Disponível em: http://jn.nutrition.org/cgi/content/full/131/3/963S. Acessado em 1/11/07.

3. Jones MG, Hughes J, Tregova A, Milne J, Tomsett AB, Collin HA. Biosynthesis of the flavour precursors of onion and garlic. J. Exp. Bot. 2004;55(404):1903-18. Disponível em: http://jxb.oxfordjournals.org/cgi/reprint/55/404/1903. Acessado em 1/11/07.

4. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – UNICAMP. Disponível em: http://www.nutritotal.com.br/tabelas/?acao=bu&id=53&categoria=3. Acessado em 1/11/07.

5. Thomson M, Al-Qattan KK, Bordia T, Ali M. Including garlic in the diet may help lower blood glucose, cholesterol, and triglycerides. J. Nutr. 2006;136(3 Suppl):800S-802S. Disponível em: http://jn.nutrition.org/cgi/content/full/136/3/800S. Acessado em 1/11/07.

6. Cavagnaro PF, Camargo A, Galmarini CR, Simon PW. Effect of cooking on garlic (Allium sativum L.) antiplatelet activity and thiosulfinates content. J. Agric. Food Chem. 2007;55(4):1280-8. Disponível em: http://pubs.acs.org/cgi-bin/sample.cgi/jafcau/2007/55/i04/pdf/jf062587s.pdf. Acessado em 1/11/07.

7. Yeh YY, Liu L. Cholesterol-lowering effect of garlic extracts and organosulfur compounds: human and animal studies. J Nutr. 2001;131(3s):989S-93S. Disponível em: http://jn.nutrition.org/cgi/content/full/131/3/989S. Acessado em 1/11/07.

8. Lau BH. Suppression of LDL oxidation by garlic compounds is a possible mechanism of cardiovascular health benefit. J. Nutr. 2006;136(3 Suppl):765S-768S. Disponível em: http://jn.nutrition.org/cgi/content/full/136/3/765S. Acessado em 1/11/07.

9. Durak I, Kavutcu M, Aytac B, Avci A, Devrim E, Ozbek H, Ozturk HS. Effects of garlic extract consumption on blood lipid and oxidant/antioxidant parameters in humans with high blood cholesterol. J Nutr Biochem. 2004;15(6):373-7.

10. Hasler CM, Bloch AS, Thomson CA, Enrione E, Manning C. Position of the American Dietetic Association: Functional foods. J Am Diet Assoc. 2004;104(5):814-26.

11. Hsing AW, Chokkalingam AP, Gao YT, Madigan MP, Deng J, Gridley G, Fraumeni JF. Allium vegetables and risk of prostate cancer: a population-based study. J. Natl. Cancer Inst. 2002;94(21):1648-51. Disponível em: http://jnci.oxfordjournals.org/cgi/content/full/94/21/1648. Acessado em 1/11/07.

12. Ishikawa H, Saeki T, Otani T, Suzuki T, Shimozuma K, Nishino H, et al. Aged garlic extract prevents a decline of NK cell number and activity in patients with advanced cancer. J Nutr. 2006;136(3 Suppl):816S-820S. Disponível em: http://jn.nutrition.org/cgi/content/full/136/3/816S. Acessado em 1/11/07.

13. Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina. Células e Órgãos do Sistema Imune. Disponível em: http://www.virtual.epm.br/material/tis/curr-bio/trab2004/2ano/imuno/celulas.htm. Acessado em 1/11/07.

14. Garlic: Effects on Cardiovascular Risks and Disease, Protective Effects Against Cancer, and Clinical Adverse Effects. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/bv.fcgi?rid=hstat1.chapter.28361. Acessado em 1/11/07.

15. Naganawa R, Iwata N, Ishikawa K, Fukuda H, Fujino T, Suzuki A. Inhibition of microbial growth by ajoene, a sulfur-containing compound derived from garlic. Appl Environ Microbiol. 1996;62(11):4238-42.

16. Betoni JE, Mantovani RP, Barbosa LN, Di Stasi LC, Fernandes Junior A.
Synergism between plant extract and antimicrobial drugs used on Staphylococcus aureus diseases. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2006;101(4):387-90. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02762006000400007&lng=en&nrm=iso&tlng=en. Acessado em 1/11/07.

17. Martin KW, Ernst E. Herbal medicines for treatment of bacterial infections: a review of controlled clinical trials. J Antimicrob Chemother. 2003;51(2):241-6. Disponível em: http://jac.oxfordjournals.org/cgi/content/full/51/2/241. Acessado em 1/11/07.

18. O'Mahony R, Al-Khtheeri H, Weerasekera D, Fernando N, Vaira D, Holton J, Basset C. Bactericidal and anti-adhesive properties of culinary and medicinal plants against Helicobacter pylori. World J Gastroenterol. 2005;11(47):7499-507. Disponível em: http://www.wjgnet.com/1007-9327/11/7499.asp. Acessado em 1/11/07.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.