artigo

quinta-feira, 13 de setembro de 2012 - 17:56

Tamanho do texto: A A

Técnica de Montagem de Caixas Cirúrgicas

por: Colunista Portal - Educação

Existem hospitais que aceitam que a caixa seja limpa e montada
Existem hospitais que aceitam que a caixa seja limpa e montada
As caixas cirúrgicas podem ou não ser padronizadas nos hospitais ou ainda serem divididas conforme os tipos de cirurgias. Geralmente existem as caixas básicas, de pequena cirurgia, de laparotomia exploradora, de ortopedia e as demais caixas específicas por especialidade.

O instrumentador cirúrgico deve conhecer a listagem de cada caixa, para que possa escolher a caixa adequada ao procedimento cirúrgico que irá participar. As caixas específicas devem ser trazidas pela equipe cirúrgica ou então solicitadas à reserva para o hospital.

A montagem da caixa cirúrgica é de responsabilidade do profissional de enfermagem que trabalha na central de materiais esterilizados, mas o instrumentador cirúrgico deve saber montá-la, pois assim, poderá preparar as suas próprias caixas.

Existem hospitais que aceitam que a caixa seja limpa e montada pelo instrumentador cirúrgico, mas há hospitais que não permitem esse procedimento. Nestes casos o instrumentador cirúrgico deve acompanhar e conferir o processamento do seu instrumental cirúrgico.

As caixas devem estar limpas e preparadas de forma que o vapor da esterilização penetre na caixa e passe por todos os instrumentais. Esta caixa deve ser perfurada e embalada com campo duplo de algodão.

Os instrumentais podem ficar presos para facilitar sua organização e conferência antes do início da cirurgia, mais precisamente na montagem da mesa cirúrgica.

É de responsabilidade do instrumentador cirúrgico, conferir todos os aspectos relacionados aos instrumentais e materiais exclusivos.

Bisturi
Existem alguns métodos para segurar um bisturi, dependendo muito onde e de que maneira vai ser usado, como descreveremos a seguir.

O cirurgião pode segurá-lo como uma faca, onde o dedo indicador posiciona-se sobre a porção dorsal posterior da lâmina, com a finalidade de controlar a pressão dessa sobre o tecido a ser enfocado. Usar esta posição para as incisões de pele e de tecidos mais duros.

Pode ser manuseado como um lápis, podendo dessa maneira, ser manipulado pelos dedos sem movimentar o pulso. Usado para dissecação e incisões delicadas, onde não há necessidade de pressão sobre o tecido a ser incisado.

Para limpeza ou afastamento do tecido gorduroso ou aponeurose, ou ainda dissecação sobre estruturas, o bisturi é manipulado em ângulo oblíquo em relação aos tecidos.

Pinças de dissecação
Estas pinças são seguras entre o polegar o 2° e o 3° dedo. Existem muitos tipos dessas pinças, e elas devem ser usadas nos tecidos para os quais foram feitas. Como exemplo, a pinça de dissecação com ponta delicada não deve ser usada.

Pinças hemostáticas
Todos os instrumentos com alças são empunhados da mesma maneira. O dedo polegar e o 4o dedo são colocados e ajustados nas alças, o 2o dedo, o indicador é usado perto ou acima da articulação e serve, junto com o 3o dedo, para estabilizar e direcionar o instrumento.

Pinças hemostáticas traumáticas
Devem abranger somente o vaso sangrante e incluir o mínimo possível de tecido adicional. O assistente deve segurar a pinça com a ponta voltada em direção ao cirurgião, de maneira que o vaso possa ser facilmente ligado.

Após o primeiro nó ser feito e estar sendo apertado, a pinça hemostática é removida de maneira a permitir que o nó seja apertado por completo e possa ser feito o 2º nó.

Pinças hemostáticas não traumáticas
Este tipo de pinça é usado para ocluir a circulação em grandes vasos. O vaso deve ser pinçado o suficiente para oclusão do fluxo sanguíneo, de maneira a minimizar o trauma vascular.

Pinças de tecidos
Devem ser usadas nos tecidos para os quais foram planejadas de maneira a minimizar o trauma. Por exemplo, a pele não deve ser pinçada com pinças de Allis, que devem ser usadas em tecidos mais moles.

Tesouras
As tesouras são destruídas rapidamente quando usadas para outros fins que não os aconselhados. As tesouras para cortar fios cirúrgicos geralmente são tesouras retas ponta reta romba, e devem ser utilizadas para fios que não sejam arames ou metálicos.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.

Farmácia