CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

História da depilação

Artigo por Colunista Portal - Educação - segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Tamanho do texto: A A

Desde a antiguidade as mulheres se depilam
Desde a antiguidade as mulheres se depilam
Desde a antiguidade as mulheres se depilam. Há relatos do Egito antigo de que as mulheres usavam argila, sândalo e mel para retirar pelos da axila, dando origem às técnicas de depilação com cera (cera egípcia). Na Grécia Antiga, foi desenvolvido um instrumento denominado estrigil (varinha de cerca de 30 cm com a ponta curva).

Nem mesmo os povos primitivos abriram mão da possibilidade de remover seus pelos. Há registros de que as índias não possuíam pelo pubiano. Em princípio imaginou-se que elas simplesmente tinham nascido sem ele, mas pouco tempo depois se descobriu que, na verdade, elas raspavam os pelos com a espinha do peixe-lixa (SENAC, 2004).

Na idade média (idade das trevas), havia uma preocupação muito grande com o pudor, até hábitos básicos de higiene, como tomar banho, era tido como pecaminoso. Nessa época, a depilação era totalmente condenada, e quem ousasse tirar seus pelos poderia até mesmo ser acusado de bruxaria ou heresia e pagar com a própria vida a vaidade.

Há quatro mil anos, o Egito era uma grande potência, e também considerado o berço da estética, tanto que conhecemos por nome a popular cera egípcia, utilizada por eles no hábito de arrancar os pelos.

No Brasil, a carta que Pero Vaz de Caminha, fez relatando suas impressões sobre o Brasil, já se viu o registro que as índias não possuíam pelo pubiano, imaginava-se que por genética haviam nascido sem eles, mas depois se descobriu que elas raspavam os pelos com espinha do peixe (peixe–lixa).

Na idade média, o hábito de tirar os pelos era condenado e visto como heresias ou bruxarias.

Já no século XX, as coisas mudaram à medida que as roupas foram ficando mais curtas e justas, o corpo foi se mostrando e não era nada agradável mostrar axilas e pernas peludas, em controvérsia o movimento rippies de 1960 e 1970 pregava a liberdade e desprendimento com as coisas materiais e luxos.

Depois dessa época o hábito de arrancar os pelos passou de um conceito de estética para um hábito de higiene pessoal.

Como percebemos o hábito de depilação é antigo, teve fases de altos e baixos, mas há muitos anos está inserido como uma ação primordial tanto do senso estético como higiene. A cada ano podemos ver que ceras ou instrumentos e métodos são lançados com a intenção de melhorar e aprimorar as técnicas de depilação, buscando alcançar mulheres e homens.
CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.