CURSOS ONLINE GRÁTIS NA COMPRA DE UM DOS 1400 CURSOS ONLINE

Gastronomia na Idade Moderna

Artigo por Colunista Portal - Educação - quarta-feira, 27 de março de 2013

Tamanho do texto: A A

Foi somente na Idade Moderna que o uso de talheres se generalizou
Foi somente na Idade Moderna que o uso de talheres se generalizou
Os primeiros talheres

Foi somente na Idade Moderna que o uso de talheres se generalizou, pois antes a comida era saboreada com as mãos. A Idade moderna, que compreende os séculos XV e XVIII, foi marcada pelas navegações portuguesas e espanholas, e pelo Renascimento, um movimento intelectual e cultural, que despertou a beleza das músicas, o brilho das artes plásticas e a liberação dos prazeres, dentre eles o prazer gastronômico.

“Nesse tempo, o destaque na gastronomia foi Taillevent, cozinheiro de reis, e que escreveu Le Viandier, o mais antigo livro de cozinha em francês. Ele foi um grande chef, que ficou famoso pela importância que deu aos molhos, engrossados com pão, e também pelas receitas de sopa, dentre as quais estavam as de cebola, de mostarda, de favas e de peixe. Sua contribuição foi decisiva para o requinte e a sofisticação da cozinha francesa”. (LEAL, 1998, p. 36)

As especiarias, muito apreciadas pelos europeus, eram usadas para apurar o sabor dos alimentos, para conservá-los e também para curar doenças. Além disso, foram de certa forma, responsáveis pelas grandes navegações, onde comerciantes buscavam iguarias mais baratas. As navegações também iam à busca de ouro e pedras preciosas e também tinham finalidade religiosa, sendo responsáveis pelo enorme intercâmbio cultural que a Europa teve com a Ásia, o Brasil e África, promovendo a troca de sementes, raízes, cereais, especiarias e receitas.

Vários produtos foram levados do Brasil para a Ásia, como o milho, o agrião, a mandioca, a batata-doce, o repolho, o pimentão, o abacaxi, a goiaba, o caju, o maracujá, o mamão e o tabaco. Da Ásia vieram cana-de-açúcar, arroz, laranja, manga, tangerina, chá, lírios, rosas, crisântemos, camélias e porcelanas.

Da África chegaram banana, inhame, pimenta malagueta, erva-doce, quiabo, galinha-d’angola, a palmeira de dendê – donde se extrai o azeite de dendê, a melancia e o coco. Em contrapartida, para a América exportou-se farinha de mandioca, caju, peru, milho e amendoim.

Para os europeus a América mandou batata, feijão, abóbora, amendoim, pimentão, cacau, baunilha e abacate. A Europa, por sua vez, forneceu para a América o gado bovino e ovino, para iniciar a pecuária e sustentar uma população em crescimento.

As boas maneiras à mesa, o hábito de lavar as mãos, usar guardanapos e talheres na Europa foi um reflexo do Renascimento. Assim, a cozinha também passou a ser mais refinada, o uso de temperos e condimentos começou a ser mais moderado. A confeitaria também se sofisticou nesse período.

CreativeCommons

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.

Comentários


colunista

Colunista Portal - Educação

O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.