Causas da Deficiência Auditiva

19/02/2013 10:21:00


A deficiência auditiva pode ser transmitida geneticamente de geração em geração, particularmente quando existem casos de surdez na família.

As doenças mais importantes são:

A) Rubéola

É a principal causa pré-natal de deficiência auditiva. A rubéola parece com o sarampo e pode muitas vezes ser confundida com uma intoxicação alimentar ou com uma simples brotoeja. A doença começa com sintomas de febre e é acompanhada por coriza e conjuntivite.

Depois surgem pequenas manchas vermelhas por todo o corpo, que podem durar uma ou duas semanas.
Em alguns casos os sintomas parecem tão leves que é difícil detectar a doença. O vírus é geralmente adquirido pelo ar, entra pelo nariz ou pela boca da mãe e é transmitido ao feto através da placenta.

Nas crianças com rubéola congênita observa-se um comprometimento auditivo em mais de 50% dos casos. Além da deficiência auditiva, a criança pode ter também problemas cardíacos, visuais e neurológicos.

B) Sífilis

É uma infecção sistêmica crônica causada pela bactéria Espiroqueta Treponema Pallidum. Tem início com uma feridinha que não dói, não coça e não arde. Suas manifestações são múltiplas e severas, entre elas a perda da audição. A sífilis é transmitida para o feto dentro do útero, antes mesmo da 12ª semana de gestação.
Se a doença for detectada antes da 18ª semana de gravidez, pode-se prevenir suas complicações. A incidência de perda auditiva devido à sífilis é maior no sexo feminino.

C) Toxoplasmose

A mãe grávida contamina o feto através da placenta, provocando seríssimas complicações, principalmente nos três primeiros meses de gestação. O bebê pode nascer com deficiência auditiva, retardo mental e visão subnormal.

A doença é difícil de ser percebida, mas, em linhas gerais, pode ser confundida com uma gripe, sintomas de hepatite, infecções pulmonares, podendo até mesmo causar alterações cardíacas leves.

D) Incompatibilidade sanguínea (Fator Rh)

O sangue do bebê (Rh+), sendo diferente do sangue da mãe (Rh-), pode trazer problemas no futuro para a saúde da criança. Essa incompatibilidade causa um aumento exagerado de bilirrubina no sangue da criança, que pode nascer com a pele amarelada. Problemas motores, auditivos, visuais e neurológicos podem acontecer.

E) Citomegalovírus

É uma das maiores causas de infecção viral congênita a perinatal. A infecção do feto pode ser intrauterina ou pós-natal, durante o nascimento, com a passagem do feto pelo canal vaginal infectado.

Nas mulheres grávidas, o vírus pode gerar uma ligeira irritação na pele, como uma alergia, uma rápida febre, ou ser totalmente assintomático, podendo ser diagnosticado através da análise da saliva ou da urina, onde exibe altos níveis de concentração.

Quando a doença é contraída nas fases iniciais da gestação pode causar no feto desde uma infecção inaparente, sem consequências, até retardo mental, deficiência auditiva, comprometimento de visão e calcificações no cérebro que provocam crises convulsivas.

F) Herpes


É uma das doenças sexualmente transmitidas mais comuns e pode causar feridas em diferentes mucosas do corpo. A transmissão do vírus para o bebê ocorre durante seu nascimento. O vírus da herpes pode causar sérias consequências à criança, inclusive levando-a à morte.

Após o Nascimento

A) Prematuridade


Os bebês nascidos com o tempo de gestação encurtado e/ou baixo peso (menos de 2.500 g), geralmente necessitam de tratamento intensivo. A perda auditiva pode ocorrer em razão do tratamento intensivo: ingestão de antibióticos e exposição contínua aos ruídos do berçário.

B) Ruídos nas Primeiras Semanas de Vida


Sons muito intensos ao redor do bebê como, por exemplo, rádio, televisão, eletrodomésticos e alguns brinquedos, podem trazer alterações em sua audição.

C) Caxumba


É uma doença provocada por um vírus que atinge preferencialmente as glândulas salivares, sobretudo as parótidas, de um ou de ambos os lados, com aumento de volume da região na frente e abaixo da(s) orelha(s). Pode causar meningite, inflamação dos testículos, nos meninos, e do ovário, nas meninas, infecção do pâncreas e deficiência auditiva, sendo esta última a complicação mais frequente da caxumba.

D) Sarampo

É uma doença que começa com febre acompanhada de coriza e conjuntivite. É extremamente contagiosa e com maior incidência no inverno. Caracteriza-se por manchas vermelhas por todo o corpo, febre alta e complicações respiratórias, como broncopneumonia. Pode também provocar deficiência auditiva e lesões no globo ocular.

E) Meningite


É uma inflamação das meninges, que são as membranas que cobrem nosso cérebro e os outros órgãos do Sistema Nervoso Central. Ela pode ser causada por bactérias, vírus, fungos e outros. Dois tipos são transmissíveis e requerem maiores cuidados em nível de saúde pública.
São elas:

- Meningite Meningocócica (A, B, C);

- Meningite por Haemophilus (soro tipo B – mais importante)

A infecção provocada pela bactéria meningococo é a mais grave. A criança apresenta dor de cabeça intensa, acentuada diminuição da atividade e do estado geral, além de vômitos em jato. Uma das sequelas mais frequentes da meningite é a deficiência auditiva em ambos os ouvidos. A meningite é a principal causa pós-natal de deficiência auditiva.

F) Medicamentos Ototóxicos para Crianças


Alguns medicamentos, quando ingeridos pela gestante, são responsáveis pela lesão do ouvido do bebê, provocando surdez. Antibióticos, principalmente os da família dos aminoglicosídeos, são os mais perigosos, além de alguns tipos de diuréticos e anti-hipertensivos, que também podem provocar lesões. Os medicamentos mais perigosos contêm os seguintes princípios ativos (referidos na bula do remédio):

- Estreptomicina;

- Gentamicina;

- Canamicina;

- Sisomicina;

- Amicacina

- Tobramicina e outros.


Além dos medicamentos, algumas substâncias que podem estar presentes nas fórmulas de produtos de uso doméstico devem ser mencionadas. São elas: monóxido de carbono, mercúrio, tabaco, álcool, arsênio e chumbo.

Características do Deficiente Auditivo


- Falta de atenção;

- Falta de reação a sons pouco intensos;

- Distração e preguiça aparente;

- Linguagem precária;

- São barulhentos demais (atividades motoras ruidosas, arrastam os pés);

- Dores ou supuração constante de ouvidos;

- Irritação e agressividade;

- Falta de compreensão nas ordens e na realização das tarefas;

- Ausência da fala;

- Comunicam-se através de gestos;

- Qualidade da voz e ritmo imperfeitos;

- Pode parecer, à primeira vista, deficiente mental;

- A deficiência auditiva acarreta déficits no ajustamento emocional, mas não ocasiona desvios patológicos de personalidade;

- Dificuldade em perceber e adotar atitudes similares a seus companheiros de idade e sexo;

- Dificuldades em perceber e aceitar suas limitações e potencialidades;

- Prejuízo na formação de conceitos;

- Falhas na memória mediata;

- Prejudicados os processos que envolvem os comportamentos verbais;

- Há falta de controle dos movimentos laríngeos. A voz, às vezes, é estridente ou aguda, outras vezes não é nem produzida, e muitos possuem a voz super débil;

- A respiração na função vital apresenta-se com ritmo irregular. Existe discordância entre o número de inspiração e expiração durante o ato da fala;

- A articulação geralmente é defeituosa. Articula melhor as vogais do que as consoantes;

- A fala apresenta transtornos rítmicos. Em alguns casos esses transtornos são discretos e em outros são bem importantes.

Autor: Colunista Portal - Educação






Fonte: Portal Educação - Cursos Online : Mais de 1000 cursos online com certificado


Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.