Psicoterapia: uma modalidade de prática clínica

04/12/2012 17:15:00


A Psicologia Clínica é um complexo campo de saber que atua essencialmente se dispondo a compreender o sofrimento humano, galgando um espaço para que o outro possa criar significado acerca de seu sofrimento. Desse modo a Clínica constitui-se no audacioso objetivo de estudar o indivíduo em profundidade, na singularidade da sua existência e na concretude que esse indivíduo apresenta.


Rompendo com os estereótipos, herdados de um modelo de clínica tradicional, a psicologia clínica contemporânea, apresenta-se nos mais diversos contextos tais como: centros de saúde, hospitais, ambulatórios, prisões, escolas e etc.


É válido salientar, que a prática clínica psicológica que se desenvolve na atualidade, não está necessariamente atrelada ao setting terapêutico, e sim a uma conduta ética no cuidar.


Diante deste contexto, evidenciam-se as Práticas Psicoterápicas. Entende-se a psicoterapia não como Psicologia Clinica, mas como uma das muitas modalidades da prática clínica. Essa modalidade em especial, se desenvolve em um processo com inicio, meio e fim, visando contribuir para que o sujeito possa lidar com as suas limitações de uma melhor forma, tendo como objetivo principal a autonomia deste sujeito em seu processo terapêutico.


Scarpato (2010) destaca a psicoterapia como um "lugar" favorável ao "crescimento e amadurecimento" (p. 25) do sujeito, oferecendo a este, a oportunidade de compreender e mudar os padrões do relacionamento interpessoal. Neste contexto existem várias modalidades de psicoterapia que se desenvolvem conforme as demandas dos diversos tipos de sujeitos.


As principais são: Psicoterapia individual, Psicoterapia de Casal/Família e a Psicoterapia de Grupo. A Psicoterapia Individual acontece mediante as circunstâncias já conhecidas, em uma relação bipessoal (terapeuta-cliente) e em um ambiente privado, não necessariamente o setting tradicional, visto que a clínica contemporânea há muito rompeu com esta "limitação técnica".

Em relação à Psicoterapia de Casal e Família, pontua-se que o objetivo da mesma, é facilitar a compreensão dos membros da família ou casal, em relação à significação dessas estruturas. Se tratando dessa modalidade psicoterápica, destacam-se escolas específicas de conhecimento, cada uma primando um foco de intervenção, dentre elas pontua-se: A Escola Estruturalista, Escola Sistêmica, Escola de Milão, Escola culturalista e Escola Psicanalítica. Ainda neste contexto, evidencia-se a Psicoterapia de grupo.

O homem é um ser social, existindo em grupos, é natural que influencie e seja influenciado por estes grupos. A compreensão desta influência mútua exige tanto uma perspectiva externa como interna, ou seja, o conhecimento da existência percebido em relação, em interação.


A psicoterapia de grupo encara o mundo interno como sendo composto e afetado pelas relações com os outros, com as famílias, sociedades, e, especialmente com os padrões culturais.


Naturalmente como toda prática clínica, a prática psicoterápica seja qual for o seu enfoque teórico/prático, exige antes de tudo uma postura ética por parte do profissional, uma postura diante do sofrimento do outro, logo, uma responsabilidade diante do cuidar deste outro, sem o destituir de sua autonomia enquanto ser.


Nessa via "A clínica define-se, portanto, por um dado éthos: em outras palavras o que define a clínica psicológica como clinica é a sua ética." (FIGUEIREDO, p. 40. 1996.). Em suma, a prática psicoterápica manifesta-se mediante uma ação clínica, que se configura como um modo de intervir, de cuidar do humano sem propor nada que tampone sua angustia, pois o objetivo primordial desta ação, é proporcionar que o sujeito assuma a liberdade simplesmente de ser o que é, posto que o homem é o ser da falta, da incompletude, e essa angústia que carrega como um fardo pesado sobre os ombros, é a disposição fundamental de ser, humano.


REFERÊNCIAS

FIGUEREDO, L.C. Revisitando as Psicologias: Da Epistemologia à Ética das Práticas e Discursos Psicológicos. 2° Edição, : São Paulo/Petrópolis: Vozes, 1996.
SCARPATO, Artur (2010). Uma Introdução à Psicoterapia. Disponível em: Acesso em: 30 Jun. 2010.

Autor: Debora Sueli de Souza Guedes






Fonte: Portal Educação - Cursos Online : Mais de 1000 cursos online com certificado


Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.